quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Conservatório de MPB recebe doação de instrumentos musicais

O Conservatório de MPB de Curitiba recebeu nesta semana doação de instrumentos musicais e equipamentos de som. Dentre os materiais recebidos por empresa local, que solicitou não ser identificada, estão duas baterias, caixa para baixo, cabeçotes, projetor, amplificador de guitarra, estante para partitura e dois pianos digitais. A Capela Santa Maria também foi agraciada com uma marimba, xilofone e um órgão artesanal.
Para Marino Galvão Junior, presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), órgão que administra os espaços, os instrumentos garantem projetos mais qualificados. “O investimento realizado interfere diretamente nas aulas e no trabalho dos grupos do CMPB que terão à disposição equipamentos de ponta para as apresentações. Já a Capela Santa Maria passa a contar com instrumentos de música erudita que auxiliam tanto na programação da Camerata quanto na realização da Oficina de Música", afirma Galvão.

Melhorias - Além das doações, o Conservatório de MPB tem recebido mudanças para assegurar a qualidade nas aulas e conservação do espaço. Para Sandra Dias, coordenadora da instituição, a reorganização das salas de aula foi um dos passos importantes nesse semestre. “Adequamos o espaço para receber mais alunos, ofertar mais cursos e dar a atenção necessária para cada instrumento”, explica Sandra.
A fonoteca e a biblioteca ganharam um espaço privilegiado na readequação das salas, o que trouxe mais facilidade aos alunos que procuram no espaço apoio para o estudo. “Agora oferecemos a partitura e o áudio juntos, para um estudo mais completo”, conta Cleucio Polato, responsável pela união do espaço.
As mudanças foram fantásticas. O espaço do Solar dos Guimarães também passou a ser usado para ações de novos projetos e cursos, trazendo aos alunos novos métodos e informações na área”, conta Vina Lacerda, professor de percussão da instituição.
Outros pontos de destaque são a contratação de segurança para o apoio aos grupos Brasileiro e Brasileirinho, a substituição das tomadas, readequação e manutenção do sistema de alarme, substituição das lâmpadas por LED, entre outros.
Segundo Galvão, o Conservatório tem uma importância histórica para cidade e sempre precisa de ajustes para continuar sendo referência. “Trabalhamos para seguir avançando e oferecer mais qualidade no serviço e atendimento ao cidadão”, conclui.

Tim Burton e suas crianças peculiares se destacam na semana cinematográfica

O aguardado “O Lar das Crianças Peculiares”, fantasia assinada pelo sombrio Tim Burton é a principal estreia desta semana. Junto, chegam “Gênios do Crime”, “O Bebê de Bridget Jones”, “Belas Famílias”, o nacional “Um Homem Só” e o infantil “Meu Amigo, o Dragão”.
“Lembranças de um Amor Eterno”, “O Silêncio do Céu”, “O Homem Que Viu o Infinito”, “Sete Homens e um Destino”, “O Vale do Amor”, “A Comunidade”, “Aquarius” e “Café Society” continuam em cartaz. Para as crianças, Cegonhas: A História Que Não Te Contaram e Pets: A Vida Secreta dos Bichos.
E temos duas pré-estreias: a comédia “É Fada” e o drama “No Fim do Túnel”.

BELAS FAMÍLIAS – Comédia dramática assinada pelo diretor francês Jean-Paul Rappeneau (“Viagem do Coração”) e estrelada por Mathieu Amalric, Marine Vacth, André Dussollier, Nicole Garcia, Karin Viard e Gilles Lellouche. Há mais de uma década, Jérôme Varenne deixou a França para viver na China. Quando uma viagem de negócios ao lado de sua noiva impõe uma passagem pela Europa, ele aproveita para visitar a mãe e o irmão em Paris. Logo descobre que a casa de sua infância é objeto de uma grande disputa, já que a segunda esposa de seu pai alega que ele teria deixado o local para ela. Jérôme volta à cidadezinha na esperança de resolver o caso, mas ao chegar conhece Louise, a filha de sua "rival", e por ela se apaixona.
Indicação etária: 14 anos

GÊNIOS DO CRIME – Esta comédia do diretor americano Jared Hess ("Don Verdean") é inspirada em fatos reais de um dos roubos mais inacreditáveis da história e conta com os conhecidos Zach Galifianakis, Kristen Wiig e Owen Wilson encabeçando o elenco. David trabalha em uma empresa de segurança transportando milhões de dólares em carros-fortes. Quando ele conhece a mulher dos seus sonhos, Kelly, ela o apresenta para Steve, um ambicioso criminoso. Com um plano cheio de falhas eles conseguem o improvável: roubar a empresa de David e ficar estupidamente ricos. Agora eles precisam descobrir o mais importante: o que fazer com tanto dinheiro! Jason Sudeikis, Kate McKinnon, Ken Marino, Mary Elizabeth Ellis e Leslie Jones completam o elenco.
Indicação etária: 12 anos

MEU AMIGO, O DRAGÃO – Aventura dirigda pelo americano David Lowery ("Amor Fora da Lei"). Baseada na animação dos estúdios Disney, de 1977, a adaptação conta a história de Pete, um garoto órfão que foge de casa por sofrer abuso dos pais adotivos. Ao se esconder em uma floresta, o garoto faz amizade com Elliot, um dragão gigante que também se esconde na mata selvagem. Intrigados com o fato de uma criança viver sozinha na selva, os moradores da região vão atrás do garoto e descobrem os segredos místicos da floresta. O elenco conta com Bryce Dallas Howard, Robert Redford, Karl Urban, Wes Bentley, Craig Hall e Oona Laurence, entre outros.
Indicação etária: 10 anos

O BEBÊ DE BRIDGET JONES – Depois de 12 anos, Bridget Jones volta aos cinemas, novamente pelas mãos da diretora britânica Sharon Maguire ("O Diário de Bridget Jones") e interpretada por Renne Zellwegger. Colin Firth, Patrick Dempsey, Emma Thompson, Shirley Henderson e Jim Broadbent também estão no elenco. Depois de se separar de Mark Darcy, Bridget encarou o trabalho como produtora de um programa jornalístico com todas as suas forças e não tem muito tempo para affairs, até que a carência volta a bater. Estimulada por uma amiga, ela vai para um festival de rock e vai para cama com Jack, o bilionário criador de um site de relacionamentos. Mas Jack não é o único com quem Bridget passa a noite naquela semana. Ela acaba encontrando o ex, Mark Darcy, em um batizado e a história mal resolvida entre os dois os conduz novamente para a cama. Quando tudo parece estar as mil maravilhas, ela descobre que, aos 40 anos de idade, está esperando seu primeiro filho. A pergunta que não quer calar é: quem será o pai do bebê?
Indicação etária: 12 anos

O LAR DAS CRIANÇAS PECULIARES – Nova fantasia do diretor americano Tim Burton ("Sombras da Noite"), adaptação do livre do best-seller “O Orfanato da Sra. Peregrine Para Crianças Peculiares”, de Ransom Riggs. Eva Green e Samuel L. Jackson encabeçam o elenco, que conta ainda com Asa Butterfield, Allison Janney, Ella Purnell, Judi Dench, Chris O´Dowd, Rupert Everett e Terence Stamp. O garoto Jake visita o antigo orfanato onde seu avô dizia morarem crianças com poderes extraordinários. O lugar está destruído, mas ele logo descobre que seus habitantes estão vivos, vivendo num único dia ensolarado em 1943 que se repete infinitamente graças ao poder da senhora Peregrine. E ele começa a conhecer os moradores e descobre seus poderes especiais… e seus inimigos poderosos. Por fim, Jake descobre também que somente a sua “peculiaridade” pode salvar seus novos amigos.
Indicação etária: 12 anos

UM HOMEM SÓ – Comédia dramática nacional dirigida pela estreante Claudia Jouvin e com os globais Vladimir Brichta e Maria Ximenes à frente do elenco. O filme conta a história de Arnaldo, que, para livrar-se da vida miserável que leva, procura uma clínica que promete copiar pessoas. Com uma cópia ocupando seu lugar, ele levaria uma vida nova. Mas, ao ter seu pedido negado, Arnaldo não tem outra opção senão tentar mudar o rumo de sua história. Ao se apaixonar por Josie, a atendente de um cemitério de animais, Arnaldo acredita que encontrou uma chance de finalmente ser feliz. Mas, talvez ele esteja enganado. Ingrid Guimarães, Otávio Muller, Eliane Giardini, Daniel Aráoz, Milhem Cortaz, Aramis Trindade e Cadu Fávero completam o elenco.
Indicação etária: 14 anos

Cineclube da Cinemateca apresenta obra do cineasta chileno Raúl Ruiz

O Cineclube da Cinemateca apresenta em outubro a obra de Raúl Ruiz (1941-2011), cineasta chileno exilado na França. O diretor produziu mais de cem filmes em diversos países e em diferentes idiomas. Sua obra é ancorada na experiência lúdica e surrealista, no jogo de labirintos intelectuais e linguísticos. O Cineclube selecionou quatro filmes e a minissérie infantil para a TV portuguesa, “Manoel na Ilha das Maravilhas”. As sessões acontecem sempre aos domingos, às 16h, indicadas para maiores de 12 anos e com entrada franca. Confira:

Dia 02/10
O TERRITÓRIO (The Territory, 1981/Portugal – 104’)
Uma família de campistas parte sem rumo definido para um passeio na floresta. Com o guia desaparecido, encontram-se perdidos no "Território", um espaço de indefinição: não só o território não corresponde mais ao mapa, como se recusa a se submeter à lógica. Elenco: Geoffrey Carey, Duarte de Almeida, Rebecca Pauly.

Dia 09/10
A CIDADE DOS PIRATAS (La Ville des Pirates, 1983/França, 111’)
Romance de formação, fábula onírico-arquetípica, Isidore vive como uma gata borralheira na casa dos pais, no litoral dos mares do Sul, quando sua espera tem fim ao encontrar em seu armário Malo, um menino que fugiu de casa, espécie de Peter Pan que ama ouro e só come alho, com quem viaja para a Ilha dos Piratas, onde vive Toby, um homem dentro de quem vive toda sua família. Elenco: Hugues Quester, Anne Alvaro, Melvil Poupaud, André Hengel, Duarte de Almeida, Clarisse Dole, André Gomes.

Dia 16/10
MANOEL NA ILHA DAS MARAVILHAS (Les Destins de Manoel, 1984/Portugal – 150’)
Série infantil em três episódios destinada à programação de Natal da TV portuguesa. 1º episódio: Manoel, sete anos, mora numa vila litorânea na ilha de Madeira. Manoel visita um jardim proibido e se encontra consigo mesmo aos treze anos de idade, descobrindo que certas escolhas que deverá fazer ao longo do dia influirão decisivamente em seu destino e no de sua família. 2º episódio: Manoel parte com a escola num passeio à floresta. Durante a soneca coletiva numa clareira, Manoel encontra um pirata com quem troca de aparência. 3º episódio: Manoel vai viver com sua tia na cidade de Funchal. Lá ele encontra Marilina, uma pequena campeã de xadrez, e um misterioso capitão. Elenco: Ruben De Freitas, Marco Paulo De Freitas, Aurelie Chassel, Fernando Heitor, Diogo Doria.

Dia 23/10
O TEMPO REDESCOBERTO (Le Temps Retrouvé, 1999/França, 158’, foto).
Em 1922, Marcel Proust, em seu leito de morte, rememora sua vida. Sua vida, isto é, sua obra e os personagens da realidade se fundem com aqueles da ficção e a ficção toma pouco a pouco conta da realidade. Todos seus personagens se metem a assombrar o pequeno apartamento da rua Hamelin e os dias felizes da infância se alternam com as lembranças mais próximas de sua vida social e literária. Adaptação de “Em Busca do Tempo Perdido” e, em especial, do último volume, “O Tempo Redescoberto”. Elenco: Catherine Deneuve, Emmanuelle Béart, Vincent Perez, John Malkovich, Pascal Greggory.

Dia 30/10
COMBATE DO AMOR EM SONHO (Combat d'amour en songe, 2000/França, 122’).
Piratas e tesouros. O bem e o mal. Tal como em uma história para crianças, narrar os acontecimentos é o verdadeiro tesouro. O fantástico faz parte da vida e do cinema. Estranhas anomalias físicas, manuscritos indecifráveis, guardas de um olho só. Um jovem de coração puro, partidário da liberdade de pensamento, é confrontado com a pressão social para que enriqueça a qualquer preço. Um grupo de crianças cegas que tenta converter aqueles que não acreditam no poder da fé cristã. Um bordel de velhas freiras, que se prostituem para pagar o aluguel. Contradições e ironias que transformam este conto de fadas em uma espécie de fábula filosófica. Entretanto, o diretor Raúl Ruiz lembra que seu filme tem uma relação estreita com a realidade: no começo do século, Ricardo Latcham, um jovem de 20 anos, mero funcionário da Biblioteca Nacional do Chile, foi contratado por um caçador de tesouros. Juntos, chegaram até o norte do país, em Guayacam, onde se envolveram em aventuras fabulosas. Elenco: Melvil Poupaud, Elsa Zylberstein, Lambert Wilson, Christian Vadim, Diogo Doria, Rogerio Samora, Marie-France Pisier, Mathieu Demy.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Ryan Gosling e Emma Stone levam tom moderno para era de ouro de Hollywood em "La La Land"

(Reuters) - Enquanto dramas intensos e filmes baseados em histórias reais dominaram o Festival Internacional de Cinema de Toronto, uma vibrante história de amor inspirada pela época de ouro dos musicais de Hollywood teve uma recepção calorosa.
"La La Land - Cantando Estações" (estreia nacional prevista para 12 de janeiro), um musical contemporâneo sobre amantes que buscam seus sonhos em Hollywood e que estrela Emma Stone e Ryan Gosling, foi aplaudido de pé em sua estreia no Festival de Veneza.
"É uma ótima história e são dois personagens que prendem e a música ajuda nisso", disse à Reuters Gosling, que interpreta um atormentado pianista de jazz. Ele acrescentou que não pensa que espectadores precisam gostar de musicais para apreciar o filme.
Emma Stone, que interpreta uma aspirante a atriz, disse: "aprendi a sapatear e a dançar e cantar ao vivo paras as câmeras, o que foi bem insano".
"La La Land" é o segundo filme do escritor e diretor Damien Chazelle, de 31 anos. Seu primeiro filme, "Whiplash - Em Busca da Perfeição", um intenso estudo de um baterista de jazz pela forma perfeita, ganhou três Oscars.
"Queria fazer um musical, mas baseado na vida real e investir em coisas que são autênticas", disse Chazelle em breve sessão de perguntas e respostas após exibição do filme.
Críticos elogiaram as atuações e o clima do filme, que segue vidas que se convergem em um caos poético, enquanto tentam realizar seus próprios sonhos, mesmo quando se apaixonam.
"Todo personagem precisa ajustar o balanço entre sonho e realidade", disse Chazelle. "Estes dois sempre serão os amantes perfeitos para mim".

“Proibidão da Praça”, com piadas censuradas em “A Praça é Nossa”, chega ao Guairão

Nesta sexta-feira, dia 30, às 21h, os humoristas do programa “A Praça é Nossa”, Matheus Ceará, Eros Prado, Marcelo de Nóbrega e Giovani Braz apresentam, no Guairão, o espetáculo “Proibidão da Praça”, com piadas que foram censuradas pelo SBT e por Carlos Alberto de Nóbrega.
O “Proibidão da Praça” possui um humor diferente, dando espaço a piadas com maior liberdade e com conteúdo que seria considerado inapropriado para a TV aberta.
No elenco, Marcelo de Nóbrega, que assim como seu pai faz na telinha, serve de “escada” para os humoristas, Matheus Ceará, idealizador do projeto, Eros Prado, com o personagem “Inconveniente” e Giovani Braz, com o “Bêbado Saideira”, que apresentam material original censurado pelo SBT e por Carlos Aberto de Nóbrega.
Com realização da Massa Play, empresa do Grupo Massa que tem o objetivo de construir e fortalecer experiências culturais e de entretenimento, e da CWB Brasil, o espetáculo criado por Matheus Ceará, em 2015, é um grande sucesso, com shows por diversas cidades do Brasil. Para a apresentação, o público pode esperar algo totalmente diferente da televisão, com piadas com conteúdo adulto e que abusam dos palavrões. No teatro, a liberdade é tão grande que Ceará até aparece nu segurando um cartaz escrito "Jequiti", fazendo piada com a marca de perfumes de Silvio Santos.

Indicada para maiores de 16 anos, o “Proibidão da Praça” tem ingressos que variam de R$ 46,00 (meia) a R$ 146,00 (inteira) de acordo com o setor do teatro. A taxa administrativa de R$ 6,00 está incluída no valor. Mais informações: 3315-0808 ou www.diskingressos.com.br.

MON recebe exposição interativa inédita sobre a vida e obra de Oscar Niemeyer

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugura no dia 29 de setembro, quinta, às 19 horas, a exposição “Oscar Niemeyer: Vida e Obra – Arquitetura é Invenção”, sobre a vida e a obra de um dos maiores arquitetos da história, Oscar Niemeyer. A mostra fica em cartaz até dia 29 de janeiro de 2017.
A mostra exibirá os principais projetos assinados pelo arquiteto, inclusive os que ainda não foram lançados, e apresentará os destaques de sua carreira, com cenografias e croquis (plantas) de suas principais obras, todas disponíveis em 10 experiências interativas que apresentam as fases da arquitetura de Niemeyer, os diferenciais de sua obra e sua visão humanista.
A diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika, destaca a importância de realizar uma mostra que trata do legado do arquiteto. “Oscar Niemeyer, além de ser o responsável pelo projeto do museu, tem uma obra que merece sempre ser destacada e exibida para todos. Como a mostra é interativa, o público poderá conhecer de diferentes formas a vasta produção de Niemeyer, ver alguns projetos ainda inéditos e ter a oportunidade de vivenciar uma experiência Niemeyer”, afirma.
“Quando falamos do Museu Oscar Niemeyer sempre nos vem à cabeça exposições de qualidade, com muita pertinência para as artes do Paraná e do mundo. Essa exposição, que vai nos mostrar a carreira e a trajetória desse genial arquiteto, é de extrema importância e merece ser vista. Acredito que essa exposição vai marcar época no Paraná”, comenta o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani.
Para que os visitantes possam interagir e compartilhar fotos nas redes sociais, a mostra disponibilizará cartões postais digitais que terão como imagens de fundo as obras de Niemeyer. No final da visita, haverá a Arena ON para exibição do filme biográfico “A Vida é um Sopro”, dedicado a Niemeyer.
Em parceria com a Fundação Oscar Niemeyer, a exposição foi idealizada pela YDreams Global, que assina a concepção expográfica e produção multimídia; e da Cuckoo Brand Experience & Marketing, proponente do projeto, responsável pela cenografia e por trazer o projeto para Curitiba. “Pretendemos levar a um grande público uma visão abrangente da essência das obras de Oscar Niemeyer e todo o seu perfil humanista”, afirma o sócio diretor da Cuckoo Brand Experience & Marketing, Luciano Rodrigues.
Para Karina Israel, diretora-executiva da YDreams no Brasil, o objetivo é apresentar a vida e obra do arquiteto de maneira lúdica, didática e em formas livres, uma das características mais marcantes de Niemeyer. “Vamos destacar o alcance e a relevância mundial de sua obra. Queremos inspirar os visitantes e, a partir disso, provocar uma nova atitude”, comenta. Vídeos com depoimentos de personalidades chave na vida de Niemeyer estarão na entrada da exposição.
O projeto tem o incentivo da Lei Rouanet e conta com o patrocínio da Volvo do Brasil, Roca, Incepa e Solvay.

Sobre Niemeyer - Oscar Niemeyer nasceu no Rio de Janeiro em 15 de dezembro de 1907 e morreu em 5 de dezembro de 2012, aos 104 anos. É considerado um dos maiores nomes da arquitetura moderna internacional.
Na década de 1940, Niemeyer formou o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais, sob encomenda do prefeito Juscelino Kubitschek, construído entre 1942 e 1944. Nos anos 1950 foram construídos os edifícios que incluiriam Niemeyer definitivamente na história da arquitetura nacional e o projetariam internacionalmente: os primeiros prédios de Brasília, como o Congresso Nacional, o Palácio da Alvorada, a Praça dos Três Poderes e a Catedral.
No Brasil, em 1980, Oscar Niemeyer prestou uma homenagem ao amigo dos tempos da construção de Brasília, Juscelino Kubitschek, com a construção do Memorial JK. Nove anos depois foi a vez do Memorial da América Latina, um marco em São Paulo que celebra laços latino-americanos.
Em 1994, passou a ser também o arquiteto de espaços voltados à arte, como o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), e novamente dos espaços democráticos, como a sede da Ordem dos Advogados do Brasil, em Brasília (1998). Autor de inúmeros projetos, alguns estão entre os mais importantes: Parque do Ibirapuera (São Paulo, 1951); a sede do Partido Comunista Francês (Paris, 1965); a Escola de Arquitetura de Argel (Argélia, 1968); a sede da Editora Mondadori em Milão (Itália, 1968); e a sede do jornal L'Humanité, Saint-Denis (França, 1987).

MON - O projeto do MON, de autoria de Oscar Niemeyer, combina linhas retas e curvas, concreto e áreas verdes, o neutro e o colorido. A história do museu teve início em 1967 quando o arquiteto Oscar Niemeyer projetou o que é hoje o prédio principal, inaugurado somente em 1978 e então chamado de Edifício Presidente Humberto Castelo Branco. Em 2001, 23 anos depois de sua inauguração, as autoridades do Estado decidiram transformar a área em museu e, em 22 de novembro de 2002, o edifício deixou de ser sede de secretarias de Estado, passou por adaptações e ganhou um anexo que foi batizado de Olho, hoje o Museu Oscar Niemeyer.

Sobre a Cuckoo - A Cuckoo Brand Experience & Marketing presta consultoria e soluções para exposição de marcas e estratégias de comunicação. A empresa é especializada no desenvolvimento de projetos e execução de stands, lojas, exposições, showrooms, pontos de vendas, cenografias e espaços culturais no Brasil e no exterior. Os projetos da Cuckoo transformam ideias e aspirações em ações concretas, para clientes como Roca, Incepa, Celite, Laufen, Sonae, BRMalls, Pátio Batel, Subway e Cadbury.

Sobre a YDreams - A YDreams Global, com presença em São Paulo, Rio de Janeiro e Vancouver (Canadá), é uma agência de Design, Tecnologia e Inteligência idealizada para responder desafios e demandas da era pós-digital. Opera como parceira de empresas e marcas para reformular a estratégia de atuação por meio de iniciativas relevantes e orientadas ao comportamento do indivíduo (human-centered) que integrem a experiência digital com o espaço físico e presencial.

A exposição “Oscar Niemeyer: Vida e Obra – Arquitetura é invenção” ficará aberta à visitação de terça-feira a domingo, das 10 às 18h. Os ingressos custam R$ 12,00 e R$ 6,00 (meia). Mais informações: 3350-4400 ou www.museuoscarniemeyer.org.br.

“Fusca, Rock e Pornochanchada”, novo espetáculo musical de Maurício Vogue, faz estreia nacional em Curitiba

Doses cavalares de rock, erotismo e reflexões políticas sobre os traumas causados pela censura durante a ditadura militar brasileira. É o que promete o diretor teatral Maurício Vogue em seu novo trabalho musical para o teatro, no qual também estará em cena. “Fusca, Rock, e Pornochanchada” estreia nesta quinta-feira, 29, no Teatro Regina Vogue.
O público verá em cena quatro intrigantes personagens que vivenciam o cotidiano febril de cidadãos comuns, adaptados à ditadora realidade da época”, diz o diretor, cuja trajetória musical o público curitibano conhece bem através das performances irreverentes como vocalista da banda Denorex 80.
Muitos o conhecem mais por esse projeto musical. No entanto, Maurício atua há 20 anos como diretor e ator teatral, e já venceu sete troféus Gralha Azul, a maior premiação do teatro paranaense. E estará em cena com outros colegas do Denorex.
Entre eles a atriz Rosana Stavis, que comemora 25 anos de carreira e é dona de uma trajetória profissional muito respeitada na cena teatral e musical em todo o país. Completam o quarteto no palco os artistas – também importados da banda – Gilson Fukushima e Sérgio Justen, que fazem a direção musical. A dramaturgia é assinada por Rhenan Queiroz.

Indicado para maiores de 18 anos, este espetáculo tem o apoio da Lei de Incentivo à Cultura, da Prefeitura de Curitiba, e fica em cartaz até o dia 16 de outubro de 2016, no Teatro Regina Vogue, no Shopping Estação. As apresentações acontecem de quinta a sábado, às 21h; e domingo, às 20h. Os ingressos custam R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia).

Sessão Sabedoria de setembro exibe o filme "A Garota Dinamarquesa"

Na sexta-feira, dia 30 de setembro, às 15h, o Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR), com apoio do Conselho Estadual dos Direitos do Idoso (CEDI), promove a Sessão Sabedoria com exibição do filme “A Garota Dinamarquesa”, de Tom Hooper. A projeção será no auditório do Círculo de Estudos Bandeirantes (rua XV de Novembro, 1050, próximo ao Guairinha). A entrada é gratuita.
O filme - indicado para maiores de 14 anos - é baseado no romance de David Ebershoff, que narra a história verídica do pintor dinamarquês Einar Wegener, interpretado por Eddie Redmayne. Ele foi o primeiro homem a submeter-se a uma cirurgia de mudança de gênero, além de enfrentar uma sociedade fechada e conservadora e não ter nenhum acesso a informações médicas sobre o assunto na época.

Sessão Sabedoria - A ideia do projeto, que é voltado para a terceira idade e aberto a toda a comunidade, consiste em exibir e discutir filmes que abordam temas relevantes para a sociedade por meio de enredos de grande comunicabilidade. Ao final da sessão, um debate incentiva o público presente a se manifestar em relação à obra ou ao tema apresentados, fazendo uso de sua grande experiência de vida.
Esta sessão será mediada pela socióloga Rosângela Diniz Chubak.

Grupo Curitibôcas apresenta sucessos de Noel Rosa no Paiol

O grupo vocal Curitibôcas, formado há 20 anos, apresenta na próxima quinta e sexta-feira (29 e 30), às 21h, no Teatro do Paiol, o show “Rosas para Noel”, com arranjos inéditos das canções do compositor e poeta brasileiro Noel Rosa para formação coral. De Curitiba, o grupo segue para Portugal onde fará uma turnê levando a riqueza das canções de Noel.
O Curitibôcas é formado por 24 integrantes atuantes em diferentes profissões. Sob a regência de Dirceu Saggin e André Dittrich, o grupo tem seu repertório voltado para a música popular brasileira. Realizou apresentações em diversos teatros em Curitiba, destacando-se o Teatro da Reitoria, Teatro Fernanda Montenegro, Teatro Londrina, SESC da Esquina, Guairinha, TUCA, Teatro da Caixa e Paço da Liberdade.
Estreou seu primeiro show em 1998, com base na obra de Dorival Caymmi, no Teatro SESC da Esquina e realizou mais seis montagens: “Falando de Amor”, “Mar de Amores”, “Caleidoscópio”, “Reage Lulu”, “É Com Esse Que Eu Vou” e “Acontece”, contando com arranjos vocais exclusivos para o grupo. Gravou seu primeiro CD independente em 2006 e teve participação na gravação do CD “Crianceiro”, em 2009.
A qualidade de seus trabalhos atraiu outros públicos, o que os levou a Buenos Aires, onde ocorreram duas edições do show “É Com Esse Que Eu Vou”, nos Teatros Casal de Catalunya – Auditório Guimera e Centro de Estudos Brasileiros, propiciando o intercâmbio cultural com outros grupos vocais e a valorização da música brasileira.
Em 2014, o grupo fez várias apresentações, com destaque para as realizadas no Hospital Erasto Gaertner e no Curitiba Comedy Club, e preparou o repertório que homenageia Noel Rosa. Em 2015, o grupo apresentou o show “Prazer em Conhecê-lo”, no Teatro Paiol. Neste ano de 2016, o Curitibôcas dá início à gravação do CD Rosas para Noel e prepara-se para realizar shows em Portugal, nas regiões de Águeda e Aveiro.
O show “Rosas para Noel” tem ingressos custando R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia).

“Jardim”: um solo poético para crianças no Espaço Excêntrico

Pode-se dizer, sem dúvida, que criança e poesia pertencem ao mesmo universo. A conexão é imediata. Ambas se caracterizam pela imaginação, fantasia, sensibilidade e afetividade. A capacidade de construir e desconstruir o mundo. Por isso, é que a poesia mexe tanto com o imaginário da criança, porque as duas possuem a mesma natureza criativa.  Na verdade, a poesia é o brincar que as crianças tanto gostam, só que com as palavras. Fortalecer esta ponte feita das delicadezas de dois mundos foi o que inspirou a montagem do espetáculo “Jardim”, da Tecer Teatro - Arte, Educação e Cultura.  A peça é um solo poético voltado para crianças, mas que deseja alcançar pessoas de todas as idades.
A estreia será no dia 28 de setembro para público dirigido de escolas públicas. Serão 12 apresentações gratuitas para alunos da rede pública e entidades assistenciais. As apresentações para público espontâneo irão acontecer nos finais de semana do mês de outubro de 1º a 23, aos sábados e domingos, às 16h, no Espaço Excêntrico (Mauro Zanatta), em Curitiba.
“Jardim” conduz o espectador a uma viagem pela existência, contemplando a vida, a passagem do tempo, numa atmosfera de sonho. Aborda questões sobre o viver e o morrer, a partir da natureza, tendo um jardim abstrato como espaço para vivenciar tais processos: nascer, brotar, crescer, dar frutos, voltar a ser semente.
Nossa intenção com este trabalho é provocar os sentidos, estimular o gosto pela palavra, promover conexões e convidar a criança a um mergulho em infinitas possibilidades”, revela Fabiana Ferreira, atriz, produtora e empreendedora do projeto.
O poeta Manoel de Barros é referência forte no trabalho, a ideia da montagem surgiu no ano em que ele faleceu, 2014. Além de ter uma empatia especial para tudo o que envolve a criança, o escritor sublinha a estreita dimensão dos seres humanos diante da natureza. Além disso, desautomatiza o olhar distraído frente ao universo. “Adulto é aquele que deixou os olhos acostumados. Já a criança inventa mundos, tem a vista arregalada”, cita o texto da peça escrito por Carolina Santana. “Ele dizia que todos nós temos um bauzinho da infância, uma caixinha, uma espécie de cofrinho onde ficam guardadas nossas primeiras impressões, os primeiros cheiros, os primeiros ruídos do vento e das folhas caindo. Crianças gostam de cheiros, de música, de ruídos, de brincar com as palavras, de fazer poesia”, aponta a diretora Cristine Conde que também assina cenário e figurino.
Embora a palavra tenha sido a fonte de inspiração do projeto, o corpo em Jardim tornou-se também veículo forte de expressão. “A Fabiana, além de atriz, é bailarina, com uma enorme capacidade corporal, potencialidades que foram base de criação do espetáculo. Criamos um terrário, um jardim fantástico. Uma partitura de imagens, sons e movimentos com grande impacto visual. Um espetáculo sensorial, artesanal, delicado, que quer envolver a criança em um universo poético, para falar de coisas reais, conta a diretora. Minha função foi costurar tudo isso”, conclui.
Este projeto é uma realização da Tecer Teatro e foi incentivado pela Caixa por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

O Espaço Excêntrico está situado na rua Lamenha Lins, 1429, Rebouças, e os ingressos para as apresentações de “Jardim” custam R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia). Mais informações: 3332-4361.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Banda Farol Cego lança novo álbum no Teatro Paiol

A banda Farol Cego volta aos palcos para o lançamento de seu primeiro álbum, "Do desespero eu fiz a paciência", que estará disponível para download gratuito no site da banda: http://bit.ly/ÁlbumFarolCego. O álbum marca uma fase mais intimista e consciente da Farol, cuja construção foi feita durante os últimos dois anos. Fragmentos deste processo de produção podem ser conferidos no clipe do novo single, "Nordlys".
O show de lançamento acontece nesta quarta-feira (28), às 20h, no Teatro Paiol. Os ingressos podem ser adquiridos em três locais: na bilheteria do Teatro, na Bicicletaria Cultural (R. Pres. Faria, 226, Centro) e na Escola Fantástica (R. Tapajós, 844, São Francisco). A meia-entrada custa R$ 10 reais.

Farol Cego - O quarteto formado em 2012 já lançou um single (2013), um EP (“Zênite”, 2014) e já participou de duas coletâneas. Em 2015, a banda passou por uma reestruturação tanto na formação quanto na proposta sonora, mais complexa e diversa em suas influências.
Farol Cego é integrante do Coletivo Atlas, iniciativa que visa a sinergia dos movimentos artísticos curitibanos e brasileiros. Junto a outros 17 projetos, participa de festivais e coletâneas.

Os ingressos para o show da banda Farol Cego custam R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia).

Projeto “Mais Cor Mais Vida” é aprendizado lúdico para crianças da rede pública de ensino

Setembro é o mês que inicia a primavera no Brasil, a estação mais colorida do ano e também é quando iniciam as atividades do projeto “Mais Cor Mais Vida”, em Curitiba. A iniciativa leva oficinas gratuitas de arte para dezenas de crianças entre 8 e 10 anos, da rede pública de ensino da capital paranaense. As oficinas têm duração de seis dias e acontecem na Escola Municipal Francisco Klemtz, no bairro Portão, até o dia 4 de outubro (terça-feira). A ideia é colorir com arte lúdica o cotidiano das crianças envolvidas, contribuindo criativamente com o processo do ensino aprendizagem.
Viabilizado pelo Mecenato Subsidiado da Prefeitura Municipal de Curitiba e Fundação Cultural com incentivo da Serra Verde Express, o projeto “Mais Cor, Mais Vida” é essencialmente composto por fotografia e pintura. Os artistas responsáveis por ministrar as oficinas são Estevan e Douglas Reder e a artista plástica YvyCapponi. Como resultado do projeto oserão entregues três painéis em grande escala para a escola, misturando a arte do lambe-lambe (fotografia) e do graffiti para transformar a paisagem arquitetônica do local.

Crianças do IPCC - O embelezamento de locais e a realização das atividades lúdicas não param por aí, sendo estendidas também para fora da escola. Segundo a produtora cultural Beth Capponi, que coordena a ação junto com os artistas, será realizada uma oficina de arte para crianças atendidas pelo IPCC – Instituto Pró-Cidadania de Curitiba. Essa oficina acontece dentro de um vagão de trem da Serra Verde Express, que faz a linha Curitiba/Serra do Mar.O vagão, de aproximadamente 17mts, também receberá a intervenção dos artistas num painel composto com o diferencial da obra de cada um. Todas as ações são um presente da equipe para a comunidade curitibana e suas crianças.

Sobre as Oficinas - No primeiro período serão apresentados os diversos tipos de fotografia, bem como seus enquadramentos e a forma de se fotografar. Então os alunos saem para a prática da fotografia, com distribuição de câmeras em grupos. As fotos serão reveladas a tarde e no segundo dia acontece a amostragem dos negativos e como se processa uma revelação. No final todas as crianças serão também fotografadas e entenderão como a fotografia se transforma em lambe, que mais tarde irão compor o mural da escola.
Na oficina de artes, os instrutores irão focar no uso da cor selecionando uma gama de tons para trabalhar desenho livre com as crianças que depois servirá para compor um mural. Depois serão abordadas as diferentes formas de desenho com destaque para o traçado. As aulas serão divididas em teoria das cores e formas, prática e composição. Cada artista irá criar elementos relacionados a natureza para compor o grande mural.
O projeto é realizado através do Mecenato Municipal de Curitiba/Fundação Cultural, incentivado pela Serra Verde Express.

Datas das oficinas:

28 e 29/09 às 8h20 até 11h20 – O Uso da Cor, com Douglas Reder
3 e 4/10 às 8h20 até 11h20 – As Formas, com YvyCapponi
28/09 – Produção e finalização dos painéis na escola (03 paredes externas no pátio com intervenção em grafite e lambe)
06,06 e 07/09 – Intervenção em vagão de trem – Serra Verde Express
Local da realização: Escola Municipal Francisco Klemtz - R. Francisco Tissot, 119, Portão

Cinemateca exibe curta-metragem sobre o carnavalesco Ney Souza

A Cinemateca de Curitiba exibe nesta terça-feira, às 20h, o documentário “Ney Souza - O Senhor do Tempo”, de Estevan Silveira.  O curta-metragem narra a história de Ney Souza um dos maiores carnavalescos de nossa cidade. Ney deu outro significado ao nosso Carnaval, e teve entre seus maiores rivais os maiores carnavalescos do Brasil: Clóvis Bornay, Mauro Rosas e Evandro de Castro Lima, trio com o qual rivalizou por décadas nos salões do Hotel Glória e do Sírio Libanês (nos gloriosos bailes de fantasia do Rio de Janeiro). A entrada é franca.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Luana Godin faz show de lançamento de seu novo disco

A cantora, compositora e atriz Luana Godin apresenta o seu novo show “Sola”, nesta terça-feira (27), às 20h, no Teatro do Paiol. A artista mostra o repertório de seu álbum de estreia, gravado entre 2015 e 2016, marcado por uma pluralidade sonora, com elementos eletrônicos unidos aos ritmos afro, blues, rock e baião. Das nove composições do álbum, oito são de autoria da própria Luana.
A trajetória artística de Luana Godin começou cedo, aos seis anos de idade, cantando, tocando diversos instrumentos e fazendo cursos de teatro. Profissionalizou-se como cantora aos 16 anos e desde então participou de diversos espetáculos, projetos e ministrou oficinas voltadas à música e ao teatro, além de formar-se em Licenciatura em Teatro pela FAP e especializar-se em Literatura Dramática e Teatro na UTFPR.
A caminhada solo começou em 2014, com o show “Filha da Primavera”, pois a partir dele Luana definiu o repertório, no qual destaca a presença dos elementos eletrônicos unidos aos ritmos afro, em diálogos com o blues, passando pelo rock até o baião, pluralidade sonora presente nas nove canções – oito delas, composições de Luana. “É um encontro de músicos com diferentes escolas e formações, o que é a cara do disco e a minha cara, pois mostra o encontro das minhas múltiplas facetas”, diz a ex- Samba de Saia durante nove anos.
Compositora, cantora, atriz e musicista, há dois anos ela se deu conta que precisava criar algo para chamar de seu. “Com tantas flores no meu jardim, não podia mais deixá-las esquecidas, era preciso cuidar das minhas canções que, como as flores, morrem se não forem cuidadas e regadas”. Chegou a hora. 
Atualmente faz apresentações de seu projeto solo como cantora e compositora, realiza vários projetos com a Parabolé e integra o espetáculo “Sobre Lendas e Mulheres”. O álbum está disponível para audição no site: www.luanagodin.com.br.

Os ingressos para o show de Luana Godin custam R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia).

Grupo Cria traz à Caixa Cultural boa música para as crianças e para toda a família

A Caixa Cultural Curitiba apresenta, no primeiro fim de semana de outubro, dias 1º e 2, o espetáculo “A Família”, do grupo Cria. O show, homônimo do premiado primeiro disco do conjunto, vem percorrendo o Brasil desde 2013 com sua proposta de homenagear as crianças, sempre mantendo a comunicação com toda a família. O Cria é um grupo que valoriza a inteligência dos pequenos.
O grupo Cria interpreta canções inéditas do elogiado compositor Vinicius Castro, que também dirige o show. “A Família” apresenta também trechos de clássicos da literatura infantil, reunindo autores como Ruth Rocha, Cecília Meireles, Adriana Falcão e Ziraldo, num ambiente lúdico e envolvente.
Tendo em sua formação o violino, clarinete/clarone, vozes, violão, teclado/sanfona e percussão, o espetáculo é também uma forma descontraída de apresentar os instrumentos para as crianças. O grupo Cria é formado por Maíra Martins (voz), Christian Bizzotto (teclado), Ayran Nicodemo (violino), Fred Cavaliere (clarinete) e Mateus Xavier (percussão).

Livres para todas as idades, as apresentações de “A Família” acontecem sábado, às 15h e às 17h; domingo, às 15h. Os ingressos custam R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia, conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito Caixa). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura. Mais informações: 2118-5111.

Biblioteca Pública abre inscrições para Oficina de Contos com Cíntia Moscovich

De 25 a 27 de outubro, das 9h às 12h, a Biblioteca Pública do Paraná promove a Oficina de Criação Literária de Contos, com Cíntia Moscovich. As inscrições, gratuitas, devem ser realizadas pelo e-mail oficina@bpp.pr.gov.br. Os interessados precisam ter conhecimento de textos literários e alguma experiência com a escrita. As 30 vagas serão preenchidas por ordem de inscrição. Mais informações: 3221-4974.
Esta oficina tem por objetivo explorar diversas possibilidades criativas, proporcionando aos alunos condições de romper bloqueios criativos, desenvolver a memória sensorial e afetiva e entender diversas técnicas narrativas. Em três módulos, um por dia, serão apresentados conceitos teóricos sobre o conto e sobre os elementos básicos (personagem, narrador, cenário, passagem de tempo, enredo), além de diversos exercícios de sensibilização para o texto.
Nascida em Porto Alegre, em 1958, Cíntia Moscovich é escritora, jornalista e mestre em Teoria Literária. Foi editora de livros do Zero Hora, jornal onde atualmente é colunista. É autora, entre outros, do romance “Por que sou gorda, mamãe?” (2006) e do livro de contos “Essa coisa brilhante que é a chuva” (2012) - obra vencedora do Prêmio Portugal Telecom e do Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional, ambos em 2013.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Sábado tem Orquestra à Base de Sopro tocando Pixinguinha no Conservatório de MPB

Nesse sábado, dia 24, acontece mais uma edição do Pixinguinha na Praça com a Orquestra À Base de Sopro no Conservatório de MPB de Curitiba. Dirigido pelo maestro Sérgio Albach, o grupo preparou novos arranjos com os principais sucessos do músico. A entrada é franca e acontece na Praça Jacob do Bandolim a partir do meio-dia.
Serão executadas 13 obras do imenso repertório entre choros, maxixes, polcas e valsas entre outros gêneros que foram a base da formação da música popular. Para os próximos encontros, o maestro explica: “a ideia é que mais músicos participem das apresentações, fazendo um intercâmbio com os músicos da Orquestra, difundindo a genialidade do mestre Pixinguinha”.

Orquestra À Base de Sopro - Mantido pelo ICAC e considerado um dos principais grupos de música instrumental brasileira, o grupo foi fundado em 1998 pelo regente Roberto Gnatalli. Com aproximadamente 17 anos de existência, tem em seu currículo seis lamentos fonográficos e mais de 20 artistas convidados, dentre eles: Nelson Ayres, Joyce Moreno, Vocal Brasileirão, Toninho Ferragutti, Vittor Santos, Itiberê Zwarg, Nailor Proveta, Roberto Sion, Mauro Senise, Laércio de Freitas, Emílio Santiago, entre outros, além de um repertório de Gafieira com a cantora Roseane Santos.
Atualmente com 18 integrantes, a OABS é considerada hoje um dos principais grupos de música brasileira do país, e vem se aprimorando na pesquisa de novas sonoridades para a nossa música popular brasileira.

Concertos da Orquestra Sinfônica do Paraná serão em homenagem à Academia Paranaense de Letras

A Orquestra Sinfônica do Paraná (OSP) fará dois concertos nos dias 24, às 20h30 e 25, às 18 horas, no Guairinha, em comemoração aos 80 anos da Academia Paranaense de Letras. A regência será do maestro convidado Benoît Fromanger com as participações dos solistas Paulo Torres (violino) e Marcelo Lemos da Silva (viola).
Fromanger regeu a apresentação da OSP no último domingo, que lotou o Guairão, e será responsável pela condução dos concertos que inclui no programa três obras de Mozart: a abertura da ópera “Don Giovanni”, a Sinfonia concertante em mi bemol maior para violino, viola e orquestra, K. 364” e a “Sinfonia n° 41, Júpiter, em dó maior”. O concerto encerra as atividades do Mês da Literatura, promovido pela Secretaria de Cultura do Paraná, iniciado em agosto, e comemora os 80 anos da Academia, criada em setembro de 1936.

Programa - Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) é o maior prodígio da história da música, que ganhou destaque ainda criança, aos cinco anos de idade. A genialidade precoce de Mozart resultou na enorme gama de obras que até hoje, 225 anos depois da sua morte, são as mais tocadas e conhecidas em todo o mundo.
A abertura de “Don Giovanni” foi composta na noite anterior da estreia da ópera, em 29 de outubro de 1787, em Praga (República Tcheca). Após o ensaio geral, Mozart percebeu que a abertura ainda precisava ser escrita. Então, o compositor pediu que Constanze, sua esposa, contasse histórias para mantê-lo acordado e para que pudesse terminar o trabalho. É considerada obra prima do compositor. Esta abertura remete à cena da chegada do comendador Don Pedro, comandante de Sevilha e pai de Dona Anna, uma das vítimas de sedução de Don Giovanni.
Mozart compôs a “Sinfonia Concertante” em 1779 quando teve contato com a Orquestra de Mannheim, uma das melhores orquestras de seu tempo, durante viagem pela Europa. Acredita-se que tal obra tenha sido destinada ao violinista Ignaz Fränzl, um dos músicos de orquestra.
A “Sinfonia n° 41” é o último trabalho de um conjunto de três sinfonias que Mozart compôs durante o verão de 1788. Quanto ao subtítulo Júpiter, o mesmo não foi dado por Mozart, porém quem talvez tenha cunhado tal apelido, foi o empresário Johann Peter Salomon, em Londres. Esta sinfonia abriu as portas para o romantismo musical.

Maestro - Benoît Fromanger é maestro titular da Orquestra Sinfônica de Bucareste (Romênia) e reconhecido internacionalmente como um maestro de alto nível. Vencedor do prêmio do conservatório de Paris, Benoît Fromanger começou a carreira musical como solista principal da Paris National Opera Orchestra. Dez anos depois ele se mudou para Munique, onde se tornou o solista principal da ''Symphonic Orchester des Bayerisher Runfunks''. Recentemente gravou a cantatas do compositor Thierry Machuel, na première mundial da gravação de Mel Bonist (1858 -1937), e começou a colaborar com a Sinfônica de Bucareste e com a companhia de CD's ''Le Chant de Linos''.

Solistas - Paulo Torres é violinista, maestro e professor. Ele é spalla da Orquestra Sinfônica do Estado do Paraná desde a fundação, em 1985, e ocupa o cargo de maestro adjunto da OSP desde 2004. Membro do Centro de Letras do Paraná, membro da Academia Paranaense de Letras, na qual ocupa a cadeira de Nº 16. Torres desempenha atualmente as funções de diretor musical e artístico da Sociedade Orquestra de Câmara Brasileira. Ocupa ainda os cargos de professor titular de violino da Escola de Música e Belas Artes do Paraná.
Marcelo Lemos da Silva é bacharel em viola pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atualmente é chefe de naipe (viola principal) da Orquestra Sinfônica do Paraná e da Orquestra Sinfonia Brasil. Foi também chefe de naipe da Orquestra de Câmara da PUC/ PR e Orquestra de Câmara de Blumenau (SC). Silva foi concertino da Amazonas Filarmônica durante o Festival de Ópera de Manaus. Também foi professor substituto da graduação em viola da Udesc.

Os concertos da Orquestra Sinfônica do Paraná são indicados para maiores de 7 anos e seus ingressos custam R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia).

Conservatório de MPB promove masterclass com Waltel Branco

Ícone da música brasileira, Waltel Branco apresenta nos dias 4 e 18 outubro masterclass no Conservatório de Música Popular Brasileira de Curitiba. O curso voltado a músicos da cidade terá 8 encontros, sendo duas terças-feiras por mês até janeiro de 2017. A inscrição para dois encontros é de R$ 50,00, feita diretamente da secretaria do CPMB.
Cada encontro terá a participação ainda de um maestro convidado, regentes dos grupos artísticos do instituto e mediação do contrabaixista da Orquestra À Base de Corda, Rodrigo Marques. Um dos convidados para debater música com Waltel é o maestro João Egashira. “O Waltel fez com primazia tudo o que um músico deve fazer, com uma percepção incrível se destacou conquistando respeito pela qualidade de suas obras. Qualquer contato com artistas que chegam nesse patamar é uma escola! ”, esclarece Egashira.
Além de proporcionar o contato de novos músicos com os experientes artistas, o curso também pret a memória e paralelamente fazer um registro da vida e obra deste compositor paranaense. “É uma oportunidade de conhecer um pouco da história de vida e principalmente musical deste músico tão representativo no Brasil e no mundo”, explica Sandra Dias, coordenadora do Conservatório de MPB.
Segundo o maestro Waltel Branco, na masterclass ele deve apresentar debates pouco discutidos, e que faltam para os novos compositores. “O aluno tem que saber o que é a música, quero começar a falar a partir desse ponto”, explica Waltel Branco. “Não existe música boa ou ruim, existe aluno sem estudo, para se fazer música precisa de estudar muito”, conclui o compositor que também foi arranjador nas gravações: “Azul da Cor do Mar” de Tim Maia, “Bastidores” de Caby Peixoto, “Faz Parte do Show” de Cazuza, e muitos outros sucessos. Também foi o responsável pelos arranjos de trilha sonoras das novelas da Globo, como: “O Bofe”, “Selva de Pedra”, “Escrava Isaura” e “Irmãos Coragem”.

Trajetória - Compositor, regente, arranjador, diretor musical, violonista, guitarrista, contrabaixista, cavaquinista, produtor musical e professor, especialista em trilhas para novelas e cinema, Waltel Branco é um dos principais músicos do Paraná. Consagrado pelo arranjo da trilha sonora da Pantera Cor-de-Rosa, de Henry Mancini.
Nasceu em Paranaguá, em 1929, iniciou-se na música aos 12 anos de idade. Teve como mestres Bento Mossurunga, Sebastião de Oliveira, Othon Saleiros e Oscar Cáceres (violão), Padre Penalva (canto gregoriano) , Jorge Kosha (música clássica), Stanley Wilson (música incidental, em Nova Iorque) e Alceo Bocchino e Mário Tavares (regência), Paulo Silva e Cláudio Santoro (composição). Na Espanha, em Santiago de Compostela, estudou técnica instrumental por alguns meses com Andrés Segóvia.
Em 1943, um ano antes de ser ordenado padre, deixou o Seminário e seguiu para Cuba, acompanhando a cantora Lia Ray como arranjador, diretor musical e violonista. Naquele país teve a oportunidade de tocar com Perez Prado, Mongo Santamaría e Chico O´Farrel. Em 1950, mudou-se para os Estados Unidos, quando estudou música incidental com o maestro Stanley Wilson. Fez várias apresentações em Nova Iorque e gravou com Franco Rosolino, Charles Mariano, Sam Noto, Mel Lewis e Max Bennet.
De volta ao Brasil, Waltel atua como músico. Em 1959 participa do Lp “Dance Conosco”, que teve participação de João Donato. E integra o grupo Djalma Ferreira e Milionários do Ritmo, em que estão além de Ferreira, Ed Lincoln e Miltinho. Em 1960 atua como guitarrista no LP “SaxVoz- Elizabeth Cardoso e Moacyr Silva”. Integra o Trio Surdina, com o qual grava em 1963 “Trio Surdina em Bossa Nova”. Outro trabalho importante que tem sua participação é o de Meirelles e Os Copa 5, com os discos “O Som” e “O novo som” gravados em 1964 e 1965, nos quais Waltel toca com músicos como o saxofonista J. Meirelles, Roberto Menescal, Eumir Deodato, Luiz Carlos Vinhas, Manoel Gusmão, Dom Um Romão e Edison Machado. Em 1965 lança como compositor e arranjador “A turma do bom balanço”, LP que possui, entre outras presenças, de músicos importantes como Dom Salvador, Geraldo Vespar, K-Ximbinho, Edison Machado, J. Meirelles, Neco e Ed Maciel.
Dois LPs de 1963 são importantes: “Guitarra Bossa Nova”.e “Guitarras em Fogo”, ambos com participações de Baden Powell, Neco e Geraldo Vespar .Waltel Branco participa da coletânea “Violão para quem não gosta de violão”, com José da Conceição, Maurício de Oliveira e Codo, e faz a produção musical para a Orquestra Românticos de Cuba.
Com a criação da TV Globo, em 1965, Waltel torna-se diretor responsável por trilhas sonoras de novelas como “Irmãos Coragem”, “Escalada”, “O Semideus”, “Bravo”, “Moreninha”, “O Feijão e o sonho”, “A escrava Isaura”, “Supermanoela” e “Vejo a lua no céu”, além de especiais da emissora. Para as novelas, Waltel compõe, inclusive, para trilhas internacionais, sob o pseudônimo de W.Blanc. Na Rede Globo foi regente de diversos festivais, entre 1965 e 1985.
Muitos compositores criaram música em homenagem a Waltel: Radamés Gnatalli, Cláudio Santoro, Guerra Peixe, Laurindo de Almeida, José Menezes, Theodoro Nogueira, Luiz Bonfá e, recentemente, Cláudio Menandro.
Regeu diversas orquestras, entre as quais a Orquestra Jovem Santa Cecília, em Roma, a Orquestra de Cordas da CBS, a Orquestra Romanza (para a Som Livre) e a Orquestra Sinfônica de Brasília.
Waltel Branco criou arranjos para Dorival Caymmi (“Retirantes”, de Escrava Isaura), João Gilberto, Rosa Passos (o LP “Curare”), Flora Purim (LP “Flora é MPM”), Maria Creuza, Vanusa, Zé Kéti, Peri Ribeiro (LP “Alvorada”), Carlinhos Vergueiro, Sérgio Ricardo, Dom Um Romão (LP “Dom Um”), Toni Tornado (LP “Toni Tornado”), Tim Maia (LP “Tim Maia”), Jane Duboc (LP “Languidez”), e Odair José, entre outros. No seu currículo constam também a produção e direção musical dos LPs de Freddy Cole e Johnny Mathis, gravados para a Som Livre.
Gravou quatro discos de música erudita. Na música popular, afora os discos para novela, destacam-se os LPs “Recital”, “Meu balanço”, “Batucada fantástica”, Mancini também é samba” e “Violão em 2 estilos”, este dividido com Rosinha de Valença. Em CD lançou "Kabiesi", em 1997, “Naipi”, em 2002 e “Meu Novo Balanço”, em 2007, que é o relançamento de “Meu balanço” e algumas músicas inéditas. Em 2006, teve várias de suas trilhas para TV relançadas nacionalmente em CD no projeto “Som Livre Masters Trilhas”.

Espaço Cultural Calamengau brinda a chegada da primavera com muito forró pé de serra

O Espaço Cultural Calamengau está preparando uma grande festa para brindar a chegada da primavera. Nesse sábado (24), a casa mais nordestina de Curitiba, abre suas portas para receber a grande vencedora do Festival Nacional de Forró de Itaúnas (ES) - Fenfit, de 2016, a banda Fuá de Latada. O forró Calamengau também sobe ao palco, para animar a noite com muito forró pé de serra. A casa abre a partir das 22h. Os ingressos serão vendidos diretamente no local e custam R$ 20,00. O local não aceita cartões de débito e crédito. Mais informações e reservas pelo telefone 9904-5129. A venda de ingressos na hora dos eventos está sujeita à lotação do espaço.
A estação mais colorida do ano merece ser recebida com muito forró pé de serra e gente alegre dançando. E, para animar essa grande noite, com muita satisfação receberemos os meninos do Fuá de Latada. Eu, mais do que ninguém, como o precursor do forró em Curitiba, tenho muito orgulho de trazer esses meninos para o Calamengau. Eles fundaram a banda em Curitiba, no ano passado, e, em pouco tempo, chegaram ao topo do forró nacional vencendo o maior festival de forró, em Itúnas. Vai ser uma noite muito bonita”, destaca Maérlio Barbosa, o Ceará do Calamengau.
A banda Fuá de Latada foi fundada em abril de 2015, por Ricardo Ribeiro (triângulo e voz), André Ribas (sanfona) e Leandro Teixeira (zabumba). Por meio de músicas autorais e releituras de mestres como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro e Dominguinhos, entre outros, a banda evidencia o autêntico forró pé de serra, além de levar a riqueza da cultura nordestina para diversos lugares. A banda conquistou o maior prêmio da Fenfit 2016 e o Ricardo Ribeiro venceu como melhor interprete do festival.

ESPAÇO CULTURAL CALAMENGAU - Idealizado por Maérlio Barbosa, o Ceará, o Calamengau nasceu da saudade das raízes nordestinas, em 1984. Aos poucos Ceará e o Calamengau foram se tornando a maior referência do forró no Sul do Brasil. A partir de 1998 o forró Calamengau passou a se apresentar na Sociedade Vasco da Gama e, dois anos mais tarde, o forró se tornou um espaço cultural, abrindo as portas para as mais diversas expressões culturais. Durante os 10 anos ininterruptos em que esteve no Vasquinho, o Calamengau recebeu grandes nomes da música, como Dominguinhos, Elza Soares, Geraldo Azevedo, Monobloco e Cordel do Fogo Encantado, entre outros, além de impulsionar muitos projetos curitibanos como o Clube dos Compositores e o maracatu. Após sete anos de projetos ambulantes, o Calamengau voltou à Sociedade Vasco da Gama, e a ser um espaço cultural, em fevereiro de 2015.  O Espaço Cultural Calamengau está situado na Rua Roberto Barrozo, 1190, no Alto São Francisco, em Curitiba. Mais informações 3078-7766 ou 9904-5129.

No Expo Renault, 26º Haru Matsuri anuncia a chegada da Primavera

Neste final de semana - dias 24 e 25 - acontece o Haru Matsuri, tradicional evento japonês que simboliza a entrada da Primavera no calendário. A festa, que já está na sua 26ª edição em Curitiba (PR), será realizada no Expo Renault Barigui, com organização da Associação Cultural e Beneficente Nipo Brasileira de Curitiba – Nikkei Curitiba, com a participação de entidades nikkeis culturais, educacionais, esportivas e religiosas.
O Haru Matsuri contará com a participação da construtora A.Yoshii e seu mascote Kiko, que ajudará a animar os visitantes. Durante o evento, quem se cadastrar no estande da empresa pode concorrer a um prêmio surpresa. Além disso, haverá atrações tradicionais do Japão, como apresentação de taikô (tambores), bon odori (dança folclórica), nihon buyou (dança tradicional), yosakoi soran (dança moderna) e karaokê. A culinária japonesa também será destaque, com grande variedade de comidas típicas como: sushi, hotsushi, tepanyaki, yakisoba, katsudon, takoyaki, tempurá, gyoza, dorayaki, manju, entre outros. A área de alimentação funcionará durante todo o evento.
O Haru Matsuri de Curitiba começou em 1991 e, desde então, traz os elementos da milenar cultura japonesa de amor à natureza, principalmente às flores, que representam o renascimento. A festa comemora a chegada da estação e agradece à vida pela sua beleza e também pelos dias prósperos, que inspira músicos, dançarinos e artistas.

A festa acontece no sábado, das 10 às 20h, e domingo, das 10 às 18h e os ingressos custam R$ 7,00 ou R$ 10,00 para os dois dias (menores de 5 anos e acima de 65 anos são isentos).

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Ni Salles interpreta Elis Regina no TUC

A cantora curitibana Ni Salles apresenta o seu novo projeto, o show “Ni Salles interpreta Elis”, com o repertório das canções mais marcantes de Elis Regina. O show será apresentado na próxima sexta-feira (23), às 19h30, no TUC – Teatro Universitário de Curitiba.
Segundo a artista, a intenção do projeto é passar ao público toda a técnica, paixão, posicionamento político, personalidade forte, criatividade, suingue, maternidade, entre outras características de Elis Regina. A cantora estará acompanhada da banda formada por Gegê Félix, Luis Panteleoni, Rafael Mello e Fernando Wadouski.

Os ingressos para esta apresentação de Ni Salles custam R$ 30,00.

Secretaria da Cultura lança edital de licenciamento de filmes paranaenses

Estão abertas as inscrições para o edital de licenciamento de filmes paranaenses da Secretaria de Estado da Cultura (SEEC), conforme aviso publicado no Suplemento de Concursos Públicos do Diário Oficial Executivo do Estado nº 9786 desta quarta-feira (21/09). O edital nº 004/2016, que regulamenta a seleção e o licenciamento de curtas e longas-metragens para veiculação na emissora educativa do Estado, É-Paraná, está disponível no site www.cultura.pr.gov.br.
O edital foi elaborado pela Coordenação de Incentivo à Cultura da SEEC e teve contribuição de entidades do setor audiovisual. “Resolvemos lançar este edital dedicado ao setor porque sabemos da lacuna existente na área audiovisual do Estado. Conseguimos que algumas entidades ligadas à produção audiovisual nos ajudassem com questões técnicas relativas ao edital e, por este motivo, estamos confiantes que seja um bom começo para estimular o setor”, comentou o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani.
Para o presidente da É-Paraná, Sérgio Kobayashi, a iniciativa é uma forma de ampliar o alcance da produção paranaense não só no Estado, mas em todo o Brasil. "Com este edital a É-Paraná contribui para a difusão da produção audiovisual do Paraná. É a cultura local que chega aos paranaenses e também, via satélite, para quase 24 milhões de parabólicas em todo o país".
Serão aproximadamente R$ 150 mil para selecionar e licenciar, pelo prazo de 24 meses, 31 curtas-metragens, 8 longas-metragens ou telefilmes na categoria ficção e 8 longas-metragens ou telefilmes na categoria documentário.

Quem pode participar - Podem se inscrever pessoas físicas e jurídicas na categoria curta-metragem e apenas pessoas jurídicas nas categorias telefilme ou longa-metragem de ficção e documentário.
Cada proponente poderá inscrever até dois projetos em cada uma das categorias, mas será selecionado apenas um projeto por proponente em cada uma das categorias.

Inscrições - Os interessados têm até as 17h59 do dia 4 de novembro de 2016 para inscrever seu material. Todo o processo de inscrição, avaliação e acompanhamento dos projetos será realizado de forma online pelo SisProfice, www.sic.cultura.pr.gov.br.
Para participar, o proponente deverá, obrigatoriamente, integrar o Cadastro de Agentes Culturais do Estado do Paraná. A Coordenação de Incentivo à Cultura reforça que é fundamental que dados como o nome, o CNPJ, o endereço e o e-mail do proponente sejam os mesmos discriminados no cadastro de agente cultural. Para se cadastrar acesse www.sic.cultura.pr.gov.br/sisprofice.php.
As orientações detalhadas com informações específicas para cada modalidade, além da documentação obrigatória e complementar recomendável para a habilitação e análise dos projetos inscritos estão disponíveis na página da Secretaria de Estado da Cultura – www.cultura.pr.gov.br.