sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Animação argentina sobre futebol é o destaque nos cinemas

“Um Time Show de Bola”, animação campeã de bilheteria entre os hermanos, é a melhor entre as estreias cinematográficas deste final de semana. Para quem sente saudades no mordomo Crô da televisão, ele chega ao cinema na comédia “Crô - O Filme”. Outra comédia, esta amalucada, é “Jackass Apresenta: Vovô Sem Vergonha”. Também são novidades o drama nacional “Ensaio” e a ficção “Infectados”.  Duas excelentes e obrigatórias opções continuam em cartaz: “Blue Jasmine” e “Capitão Phillips”. E “Jogos Vorazes: Em Chamas” é o atual campeão das bilheterias.

CRÔ – O FILME - E o mordomo Crô, da novela "Fina Estampa", virou protagonista de um filme... Após herdar a fortuna de Tereza Cristina, Crodoalvo Valério, mais conhecido como "Crô", está cansado da vida de milionário. Decidido a encontrar uma nova musa a quem possa dedicar sua vida, ele inicia uma busca pessoal que faz com que entreviste diversas peruas. Seu objetivo é encontrar aquela que seja melhor qualificada para que ele próprio possa servir como mordomo, assim como fez com sua antiga patroa. Entretanto, após muito avaliar, acaba percebendo que sua musa ideal é justamente aquela que jamais havia imaginado. A direção é assinada por Bruno Barreto (“Flores Raras”) e Marcelo Serrado reassume o papel do mordomo. Carlos Machado, Alexandre Nero, Milhem Cortaz e Katia Moraes completam o elenco. Ivete Sangalo, Ana Maria Braga e Gabi Amarantos têm participação especial.
Indicação etária: 12 anos

ENSAIO - Drama nacional dirigido por Tânia Lamarca. A bailarina Eva vive um impasse: terá que escolher entre a intensa paixão extraconjugal por seu parceiro de dança e a dedicação ao grande papel de sua vida, a heroína Anita Garibaldi. Nos bastidores dos ensaios do espetáculo, amor, inveja, arrependimento e obsessão são sentimentos que tomam todos os envolvidos, do diretor marido de Eva até a camareira. Lavínia Bizzotto, Bruno Cezario, Chico Caprario, Ingra Liberato, Antônio Cunha e Renato Turnês estão no elenco.
Indicação etária: 14 anos

INFECTADOS - Ficção científica dirigida por Roger Christian e estrelada por Christian Slater, Brendan Fehr, Amy Matysio e Michael Therriault. Quatro astronautas ficam isolados a bordo de uma nave espacial após serem atingidos por uma tempestade de meteoros e perderem o contato com a Terra. A partir daí uma série de episódios sobre-humanos começa a acontecer.
Indicação etária: 14 anos

JACKASS APRESENTA: VOVÔ SEM VERGONHA - Comédia derivada da franquia sucesso “Jackass”, que acompanha a jornada de Irving Zisman (Johnny Knoxville), um idoso que percorre a América ao lado de companheiro improvável, o seu neto de 8 anos de idade, Billy.
Ao longo do caminho Irving vai colocar o jovem Billy em lugares e situações que dão todo um novo significado ao termo “educar os filhos”. A dupla irá encontrar strippers masculinos, crianças infelizes concorrendo a um concurso de beleza (e suas mães também infelizes), choros em funerária, motociclistas e um monte de cidadãos inocentes. A direção é de Jeff Tremaine e Jackson Nicoll, Georgina Cates e Phil Margera têm papéis de destaque.
Indicação etária: 14 anos

UM TIME SHOW DE BOLA - Animação coproduzida entre Espanha e Agentina e dirigida por Juan José Campanella (“O Segredo dos Seus Olhos”). Desde garoto Amadeo é aficcionado por pebolim, tendo construído seus próprios jogadores e com eles ensaiado as mais diversas jogadas. Um dia ele é desafiado por Ezequiel, um arrogante garoto que vive se gabando por ser um exímio jogador de futebol de verdade. Mas a partida épica de futebol de mesa entre os dois não foi vencida por ele. Anos mais tarde, ele retorna rico e com seu dinheiro quer transformar a cidade natal em uma espécie de parque temático. Agora, para salvar a cidade, Amadeo terá que aceitar o desafio proposto pelo vilão: enfrentá-lo numa partida de futebol de verdade. É quando algo mágico acontece e os bonecos da mesa de jogo ganham vida para ajudar o seu companheiro de grandes jogadas.
Indicação etária: Livre

Show e livros para comemorar os 20 anos do Coral Brasileirinho

O Coral Brasileirinho festeja 20 anos de existência com o espetáculo “Eu sou mais Brasileirinho”, neste fim de semana, no Auditório Poty Lazzarotto do Museu Oscar Niemeyer – MON. O show contribui para o acervo do projeto Tuboteca, com entrada franca para quem doar um livro de literatura, em perfeito estado de conservação, que depois será encaminhado às bibliotecas instaladas dentro das estações-tubo. A Tuboteca é uma parceria entre a Fundação Cultural de Curitiba, a Urbanização de Curitiba - Urbs e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - Ippuc, que permite aos usuários do transporte coletivo emprestar os livros de graça e até levar para casa. 
As apresentações acontecem às 18h de sábado (30) e às 16h de domingo (1º). Para lembrar os melhores momentos da bem-sucedida trajetória musical, a criançada irá cantar, representar e vestir figurinos, numa retrospectiva dos espetáculos temáticos que marcaram a identidade do grupo pelas estéticas sonora e visual. Também têm ingresso gratuito, sem necessidade da doação de livros, crianças até 12 anos de idade, pessoas a partir de 60 anos e professores da Rede Municipal de Ensino, mediante solicitação prévia.
Sobem ao palco, além dos 26 integrantes do Brasileirinho, os instrumentistas Cristina Castro Loureiro (piano e teclado), Bruno Karam (baixo elétrico), Johnny Dionysio (bateria), Luís Rolim (percussão) e Julião Boêmio (cavaquinho). Também participam ex-Brasileirinhos, com seus timbres inesquecíveis nessa história musical. A sonorização está a cargo de Victor França, com iluminação de Nádia Luciani, sendo que Katia Horn e Gustavo Horn respondem pelos adereços.

O grupo – Mantido pelo Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), órgão responsável pela gestão da área musical da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), o Coral Brasileirinho nasceu em plena primavera, no dia 7 de outubro de 1993, formado por crianças com idades entre oito anos e 13 anos. A proposta de recriar a canção popular urbana brasileira, por meio de arranjos que valorizam o potencial cênico das composições, levou o grupo a se apresentar por todo o Paraná e também em outros estados.
Com direção cênica do compositor Milton Karam e direção musical da cantora e violinista Helena Bel, o Brasileirinho contabiliza perto de 150 apresentações, acumulando 14 espetáculos temáticos e mais de 160 canções brasileiras, com ritmos, estilos e gêneros bem diferentes, numa atividade que enriquece a formação musical de seus integrantes.

Os ingressos para esta apresentação do Brasileirinho custam R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada para estudantes, mediante apresentação de carteira estudantil). Informações: 3321-2855 ou 3321-3208.

Museu Oscar Niemeyer tem entrada gratuita e atividades especiais neste domingo

O Museu Oscar Niemeyer (MON) realiza, no dia 1º de dezembro, o “Domingo + Arte”, dia com programação especial e entrada gratuita. Haverá oficina de cerâmica com o artista Maria Cheung, visita mediada na exposição “45 Manoel Coelho – Arquiteturadesign”, apresentação do G2 Cia de Dança, coral infanto-juvenil da Biblioteca Pública e “Projeto Iconoclássicos” (exibição de filmes inspirados em grandes artistas brasileiros). O ingresso precisa ser retirado no dia na bilheteria do museu até as 17h30.
O coral realiza a apresentação “Canta Vinicius”, no Chão de Vidro, às 11 horas. Às 11h e às 15h30 haverá visita mediada com o arquiteto Manoel Coelho e com Antonio Elias Abrão pelas obras da exposição “45 Manoel Coelho – Arquiteturadesign”. A oficina artística com Maria Cheung ocorre em três horários, 14h00, 15h15 e 16h30 no espaço da Ação Educativa, no Subsolo. As vagas são limitadas. O G2 Cia de Dança apresenta o espetáculo “Banquete das Diferenças”, às 15 horas, no Chão de Vidro.
O “Projeto Iconoclássicos” ocorre das 10h às 20 horas no 3º andar da Torre do Olho.  De autoria do Itaú Cultural, o projeto convidou cinco diretores para dirigir filmes inspirados em grandes artistas brasileiros: Itamar Assumpção, Paulo Leminski, Nelson Leirner, Zé Celso e Sganzerla. O local tem capacidade para 30 pessoas. A programação completa está no site www.museuoscarniemeyer.org.br

Último dia - O público poderá conferir ainda o último dia das exposições “Bienal Internacional de Curitiba 2013” e “Filmes e Vídeos de Artistas na Coleção Itaú Cultural”. Além das mostras em cartaz: “Ida Hannemann de Campos, entre o pincel e a pena”, “Meu Bem – Beatriz Milhazes”, “A expressão de Freyesleben”, “IDEA Brasil 2013”, “45 Manoel Coelho – Arquiteturadesign”, “Espaço Niemeyer”, “Museu em Construção”, “Pátio das esculturas” e “Cones”.
O centro de Documentação e Referência do museu também funcionará neste domingo. O espaço possui mais de cinco mil publicações e 1.300 periódicos para consultas no local sobre artes visuais, design, arquitetura e urbanismo. O horário especial de atendimento neste dia é das 12 às 18 horas.

Jornalista Marcelo Rezende lança seu livro em Curitiba

A entrada de Marcelo Rezende no jornalismo foi uma casualidade. Um primo, chefe dos copidesques de O Globo e do Jornal dos Sports, foi quem, em 1969, o levou para conhecer uma redação quando tinha 17 anos. “Ele estava louco para me tirar da vagabundagem e ver se algo me atraía no jornalismo”, relembra já no primeiro capítulo do seu livro de memórias Corta pra mim (Planeta, 240 pp, R$ 31,90), que acaba de chegar às livrarias de todo o Brasil.
Para marcar o lançamento, o jornalista faz sessão de autógrafos na Livrarias Curitiba do Shopping Paladium (av. Pres. Kennedy, 4121, Portão) neste próximo sábado (30), a partir das 16h. A entrada é franca, mas é preciso retirar uma senha na loja para garantir a dedicatória.
Com humor e simplicidade, marcas de seu trabalho, Marcelo Rezende conta os bastidores de grandes reportagens feitas durante os quase 23 anos que trabalhou para a TV Globo. Entre elas estão a série de matérias sobre a ação da polícia na Favela Naval, em 1997; o envolvimento do deputado Abdiel Rabelo no tráfico internacional de entorpecentes, em 1991; a cinematográfica invasão de fazendas no Pontal do Paranapanema pelo Movimento dos Sem Terra (MST), em 1996, e a primeira entrevista de Francisco de Assis Pereira, o Maníaco do Parque, a uma TV, em 1998. Ele conta ainda como se infiltrou, e quase se deu mal, na máfia chinesa dos CDs piratas e como foi surpreendido por um convite do serial killer Pedrinho Matador para ser seu padrinho de casamento.
Rezende dá detalhes sobre sua saída da TV Globo: “em 2002, fui sondado pela TV Record e também pela RedeTV! Meu contrato com a Globo havia vencido e não conseguia chegar a um valor salarial que me parecesse justo. [...] Achei que era hora de conhecer o mundo lá fora, apesar dos quase 23 anos de Organizações Globo, onde cresci sendo sempre extremamente bem tratado”. Marcelo optou pela RedeTV!, onde ficou até 2004, quando assumiu o comando do programa Cidade Alerta, na TV Record.
As críticas feitas ao então presidente Lula motivaram sua saída da Record, em 2005: “um dia, para minha surpresa, o programa foi tirado do ar mesmo dando picos de 20 e tantos pontos [de audiência]. A mão do então presidente Lula determinara o fim do programa: eu fazia muitas críticas, às vezes sem necessidade e exageradas, reconheço aqui. Ele então pediu ‘minha cabeça’. Fiquei perdido, aborrecido e me mandei”. Depois desse episódio, ele retornou à RedeTv! e voltou à Record em 2008, onde ainda permanece, no comando do programa Cidade Alerta.

O autor - O apresentador e jornalista Marcelo Rezende (1951) tem uma trajetória de mais de 40 anos no jornalismo brasileiro. Na TV Globo, dedicou-se a reportagens investigativas veiculadas nos grandes programas da emissora, como Jornal Nacional, Globo Repórter e Fantástico. Em 1999, ajudou a criar e passou a apresentar o Linha Direta, programa que o consagrou na televisão. Atualmente, apresenta o Cidade Alerta, hoje a maior audiência diária da Record.
A visita feita à redação de um jornal, aos 17 anos, foi um marco na vida de Marcelo Rezende. “Quando entrei pela primeira vez lá no Jornal dos Sports, fiquei espantado: vi o Nelson Rodrigues, de quem já lera quase todos os livros e vira quase todas as peças, e o João Saldanha, jornalista e então técnico da seleção brasileira”, lembra. Ali, foi decidido o seu futuro.
Aos 23 anos, já era um dos principais repórteres esportivos do jornal O Globo. Em 1988, Marcelo entrou para a TV, como editor do programa Globo Esporte. “A verdade é que televisão é a coisa mais difícil que eu conheço, porque o futuro lá já é passado", comenta no livro. E foi na TV que Marcelo se fez profissionalmente, e é lá que está até hoje, agora na TV Record.

TUC recebe Marcelo Brum-Lemos e Pitecantropo

O músico e poeta Marcelo Brum-Lemos leva seu repertório autoral ao palco do Teatro Universitário de Curitiba (TUC), espaço mantido pela Fundação Cultural de Curitiba, neste sábado (30), às 20h30. Em formato de dueto, o artista mostra as músicas de seu mais recente trabalho, o CD “Som-de-Brinkedo”, acompanhado da violinista convidada Aruana Moscheta. Brum-Lemos faz a abertura do espetáculo que conta ainda com a performance da banda de rock-jazz-mpb instrumental Pitecantropo. O grupo formado por Junior Lemos (baixo acústico e voz), Rogério de Assis Dantas (bateria), Giuliano Andreso (guitarra) e Leonel Leal (teclados e saxofone) mostra as composições que estarão em seu próximo CD.
Marcelo Brum-Lemos soma mais de 15 anos de carreira na música e na poesia curitibana. Depois de integrar a banda Zaius, como solista editou os CDs “Res” (ano 2000) e “Mágica” (2004). Os ingressos estão disponíveis a partir de R$ 10,00.

Obra “Hamlet” de William Shakespeare será apresentada em versão contemporânea

Escrita por William Shakespeare na virada do século XVII, a tragédia de Hamlet permanece a peça mais celebrada em toda a história do teatro mundial. Em “Psycho-Rock-Hamlet”  - Miniauditório do Guaira, sexta e sábado (21h) e domingo (20h) - a trama está presente, mas a ideia é tirar o espetáculo da inacessibilidade e pompa na linguagem e aproximá-lo da realidade atual, fazendo uma transposição da história para o século XXI. Demonstrando que as percepções de tempo e espaço no mundo de hoje são diferentes da época de Shakespeare. Isso pode trazer para o mundo do homem contemporâneo as angústias dos personagens.
Dirigido por Jota Eme, o ator Fernando Cardoso protagoniza o espetáculo explorando as diversas facetas de Hamlet. Com ele um elenco que reúne veteranos e estreantes emoldurados pela temática psycho-rock criam nuances e fundamentam as ações vertiginosas da encenação. Paulo Gemelli, Shirley de Oliveira, Julianne Chaves, Pepo Cordeiro, Waldir Marcelino, Mauro Prado, Bobby Santana, Emerson Wallace, Everson Kriguer, Santos Batista, Pedro Cordeiro, Sandrinne Scarpelle, Raquel Gonçalves e Lau Bark completam o elenco.

Cohab constrói Centro Cultural Multiuso na Vila Nossa Senhora da Luz

A Vila Nossa Senhora da Luz, na Cidade Industrial de Curitiba, vi ganhar um espaço cultural com auditório para eventos, área para exposições e salas para a realização de oficinas artísticas. A implantação do Centro Cultural Multiuso, que já está em obras, faz parte do  projeto de urbanização de favelas da bacia do rio Formosa. A Vila Nossa Senhora da Luz é o mais antigo conjunto habitacional da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab). Até agora, 18% da obra já foi executada. Após a conclusão, a Cohab vai repassar o equipamento para a Fundação Cultural de Curitiba, que vai gerenciá-lo. 
A construção do Centro Cultural Multiuso faz parte do projeto coordenado pela Cohab para urbanização de vilas localizadas na abrangência do rio Formosa. A intervenção está atendendo 1.794 famílias, das quais 1.160 recebem obras de infraestrutura e regularização fundiária e 634, que vivem nas margens do rio, estão sendo reassentadas em três novos conjuntos habitacionais: Moradias Ferrovila Minas Gerais, Moradias Ilha do Sol e o Moradias Arroio, que fica nas proximidades de onde está sendo erguido o Centro Cultural Multiuso.
Além do Moradias Arroio, com 334 unidades habitacionais para atendimento a famílias da bacia do rio Formosa, no entorno do Centro Cultural existe outro empreendimento da Cohab – o Moradias Castanheira, composto por 156 unidades destinadas a moradores transferidos de áreas de risco na bacia do Ribeirão dos Padilha. “A política habitacional de Curitiba não se restringe à produção de moradias. Os projetos da Cohab aliam a construção das casas com trabalho trabalho social, ambiental e a implantação de equipamentos comunitários, que garantem melhor qualidade de vida para as populações atendidas”, explica o presidente da Cohab, Ubiraci Rodrigues.
As obras vão acontecer em duas etapas. Na primeira, prevista para ser inaugurada no segundo semestre do ano que vem, será construído um auditório com cineteatro e capacidade para 270 pessoas, além de mezanino, recepção e área de apoio. A estrutura de 770 metros quadrados será usada para eventos e apresentações de teatro, dança e música. A segunda etapa da construção vai contar com mais 430 metros quadrados, nos quais funcionarão salas para exposições artísticas e outras para aulas de música, dança, teatro e diferentes atividades culturais.
O valor investido para a primeira etapa da obra é de R$ 2,2 milhões, dos quais R$ 1,17 milhão são recursos próprios da Prefeitura e R$ 1,025 milhão vem do Ministério da Cultura, liberados pela Caixa Econômica Federal e viabilizados por meio de aditivo ao contrato das obras de urbanização já em andamento e sob coordenação da Cohab.

Serviços - A Praça Central da Vila Nossa Senhora da Luz está se tornando um complexo de serviços públicos. Ao lado do terreno onde está sendo construído o Centro Cultural Multiuso funciona um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e um Liceu de Ofícios. A praça conta ainda com Farol do Saber, duas escolas municipais e será implantada uma escola técnica do governo estadual em parceria com o governo federal.
Para dar início à obra de construção do Centro Cultural Multiuso, A Cohab precisou demolir duas edificações que estavam abandonadas no local e serviam de abrigo para usuários de drogas. No local funcionava um almoxarifado da Prefeitura e o Centro Social Urbano (CSU), desativados anos atrás. Após a demolição dos imóveis, a obra teve início e está com 18% realizada. O projeto que está sendo executado pela Cohab foi idealizado por técnicos do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc).
A dona de casa Elisabete Lins, de 17 anos, gostou da novidade na Praça Central. “Que ótimo saber que aqui vai ser um centro cultural. Muito bom para a distração das pessoas e também para participar de cursos. Assim diminuem as pessoas que ficam pelas ruas, desocupadas e acabam se envolvendo com coisa errada. Eu mesma fiquei interessada em participar”, diz.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Arnaldo Antunes traz show "Disco" a Curitiba

Arnaldo Antunes chega à cidade para o show de “Disc”, seu mais recente álbum. A apresentação será no Teatro Positivo, às 21h30, e contará com um repertório que vai do pop ao rock pesado. Acompanhado dos músicos com quem trabalha há alguns anos - Curumin (bateria), Edgard Scandurra (guitarra), Betão Aguiar (baixo), Chico Salem (guitarra e violão) e André Lima (teclados e sanfona) - Arnaldo volta com um som de banda eletrificado e com mais peso, depois de completar a turnê do seu Acústico MTV, há um ano e meio na estrada.
Entre blocos de canções pop (Sou Volúvel; Ela é Tarja Preta; Muito Muito Pouco), baladas mais concentradas (Dizem [Quem Me Dera]; Azul Vazio; Querem Mandar) e rocks pesados (Sentido; Vá Trabalhar; Ah, Mas Assim Vai Ser Difícil), Arnaldo distribui bem os novos embalos, intercalando-os com sucessos de outras fases de sua carreira, entre os quais Atenção; Contato Imediato; Invejoso; Saiba; A Casa é Sua; e Na Massa, entre outros.
O setlist apresenta também outras novidades, como a releitura de Grávida; o produto de uma parceria com Marina Lima, ainda não contemplada em suas apresentações; uma versão de Até Quem Sabe, de João Donato e Lysias Enio; e uma releitura de Medo, de sua época nos Titãs. O show “Disco” traz projeto de luz e sombras de Anna Turra, cenário e vídeos de Márcia Xavier e Anna Turra e figurinos de Marcelo Sommer, com quem Arnaldo vem trabalhando nos últimos shows, desde Qualquer.
Informações sobre ingressos: 3315-0808 ou www.diskingressos.com.br

Vanessa da Mata canta Tom Jobim no Guairão

Nesta sexta-feira (29), Vanessa da Mata vem a Curitiba para o show da sua nova turnê “Viva Tom Jobim”, no Teatro Guaíra. Depois do grande sucesso da turnê “Nivea Viva Tom Jobim”, com shows gratuitos entre abril e maio desse ano, a cantora partiu para uma turnê com a mesma temática, que inclui paradas por todo o Brasil. O show tem direção de Monique Gardenberg e inicia às 21h.
Tom Jobim foi uma das primeiras paixões de Vanessa através das músicas que ela ouvia , e o show é um forma de trazer para o público jovem a beleza dessa obra. As canções escolhidas para compor o setlist sugerem um passeio pela carreira do compositor, desde Estrada do Sol, composta nos anos 50, até Piano na Mangueira (célebre parceria com Chico Buarque) do início da década de 90, sem deixar de lado os clássicos da bossa nova, como Chega de Saudade, Desafinado, Garota de Ipanema e Samba do Avião.
No palco a intérprete será acompanhada por Stephane San Juan (bateria), Alberto Continentino (baixo acústico), Dustan Galas (synth), Danilo Andrade (teclados), Guilherme Monteiro (guitarra e violão), e Gustavo Ruiz (guitarra).
Informações sobre ingressos: 3315-0808 ou www.diskingressos.com.br

Pagodeiros do Sorriso Maroto no Master Hall

Nos dias 29 e 30 de novembro o palco do Curitiba Master Hall recebe o grupo Sorriso Maroto. A banda está em turnê com o show “Sorriso 15 Anos – Ao Vivo”, em comemoração aos 15 anos de carreira.
O CD e DVD Sorriso 15 Anos – Ao Vivo traz nas músicas “Coisa Louca”, “O Melhor Pedaço”, “Vacilação Acontece” e “Brigas por Nada”, além de antigos sucessos, cantados na versão pot-pourri, que não podem faltar nos shows do grupo. Entre eles, os hits que marcaram a história do Sorriso Maroto: “Ainda Gosto de Você”, “Coração Deserto”, “Me espera”, “Engano”, “Tenho Medo”, “Nada de Pensar em Despedida”e “Curtindo a Vida”.

A apresentação começa às 21h e informações sobre ingressos podem ser obtidas pelo telefone 3315-0808 ou www.diskingressos.com.br

Fabio Elias canta Raul Seixas na Biblioteca Pública

O cantor e compositor Fabio Elias, líder da banda Relespública, apresenta na Biblioteca Pública do Paraná, nesta sexta-feira (29), a partir das 17h30, o show “O fundo do baú do Raul”. A proposta é mostrar ao público canções de Raul Seixas que não fizeram tanto sucesso, como “Check-up”, “Coisas do coração”, “Mas I love you” e “Peixuxa”. A entrada é franca.
 “Raul Seixas é o pai do rock”, diz Elias, há 24 anos em atividade com a banda Relespública. “Sempre tocamos alguma canção dele, como 'Cowboy fora da lei'. E não tem como não tocar. O público costuma pedir: 'Toca Raul!'”, comenta o músico que, há um ano, é atração fixa toda quinta-feira no Dom Capone, bar situado na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). “Agora, também estou apresentando, para o público da CIC, essas faixas lado B, menos conhecidas, do mestre Raul. Estou afiado para o show da Biblioteca”, diz.
Elias avisa que, se o público pedir Relespública, ele toca qualquer canção do repertório de sua banda de rock, que tem hits como “Capaz de tudo”, “Garoa e solidão” e “Nunca mais”. “E se pedirem alguma música de minha carreira solo, também toco. Sem problemas”, comenta o artista que, em 2010, gravou um álbum autoral flertando com o estilo chamado sertanejo universitário.
O projeto “Música na Biblioteca” incentiva e dá visibilidade a artistas locais, reunindo, toda sexta-feira, às 17h30, cantores e compositores para um espetáculo musical que mistura diversos estilos.


Museu Oscar Niemeyer recebe exposição de Ida Hanemmann de Campos

O Museu Oscar Niemeyer (MON) abre no dia 30 de novembro (sábado), às 11h, na sala 3, a exposição “Ida Hannemann de Campos, entre o pincel e a pena”. Com curadoria de Fernando Bini, a mostra traz mais de 100 obras da pintora que tem a cor como principal elemento para construção de um quadro.
Ida Hannemann nasceu em Curitiba, em 1922. Pintora, desenhista e tapeceira. Foi aluna de Guido Viaro de 1942 a 1944 e frequentou os cursos de gravura com Fernando Calderari e de escultura com Francisco Stockinger.
A artista já realizou mais de 10 exposições individuais, participou de 67 mostras coletivas no Brasil e exterior e de 32 salões oficiais. Dos prêmios recebidos destacam-se: medalha de bronze no 1º. Salão Paranaense de Belas Artes (1944); aquisição nos Salões Paranaenses de 1960 e 1962; aquisição no 6º. Salão de Arte Religiosa Brasileira. Além disso, ela realizou uma retrospectiva de sua obra na Biblioteca Pública do Paraná, em 1965.
Em Curitiba, seu trabalho com murais pode ser visto no hall da Biblioteca Central da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1994) e na Praça do Asilo São Vicente de Paula (1996). Suas obras integram acervos de diversos países, como EUA, Japão, França e Argentina. “Ida é a pintora-poeta do cromatismo primaveril”, aponta o curador.
A mostra “Ida Hannemman de Campos, entre o pincel e a pena” ficará aberta à visitação até o dia 2 de março de 2014, de terça-feira a domingo, das 10h às 18h. Os ingressos custam R$ 6,00 e R$ 3,00 (meia, para professores e estudantes com identificação). Entrada gratuita: No primeiro domingo de cada mês, das 10h às 18 horas, e na primeira quinta-feira de cada mês, entre 18h e 20h.

Maestro norte-americano comanda concerto da Camerata Antiqua e Coro da UTFPR

O fim de semana reserva um espetáculo que promete arrebatar o público pela importância dos músicos envolvidos e pelo repertório que mistura elementos do jazz, soulful e gospel, vertentes geradas por várias tradições musicais, em particular a afro-americana. A Camerata Antiqua de Curitiba e o Coral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) unem-se sob a regência do maestro norte-americano Keith McCutchen, para apresentações na Capela Santa Maria Espaço Cultural, às 20h desta sexta-feira (29) e às 18h30 de sábado (30).  
O concerto, que integra a temporada 2013 patrocinada pelo Ministério da Cultura e pela Volvo, acontece no Mês da Consciência Negra e mostra no repertório a influência musical da cultura africana. Serão executadas Jazz Vespers, do próprio MacCutchen, e a composição Aleluia do Messias, de Georg Friedrich Handel, versão do álbum Handel's Messiah: A Soulful Celebration, produzido pelo norte-americano Quincy Jones, compositor, arranjador vocal, trompetista e produtor musical de trilhas sonoras. Quincy alcançou notoriedade como o produtor de dois dos maiores recordistas de vendas de todos os tempos, o álbum Thriller, do ícone pop Michael Jackson, e a canção We Are the World.
Também sobem ao palco, como instrumentistas convidados, o saxofonista Todd Wright, considerado embaixador do jazz na Carolina do Norte (EUA), e o premiado clarinetista brasileiro Jairo Wilkens, que atua em Curitiba e recentemente conquistou o primeiro lugar no 3º Concurso de Música de Câmara do 51º Festival Villa-Lobos, no Rio de Janeiro, integrando o Duo Palheta ao Piano, ao lado da pianista Clenice Ortigara.

Notas de repertório – O maestro Keith McCutchen, que também será responsável por comentários sobre o concerto, explica que as Jazz Vespers utilizam as estruturas gerais textuais usadas pelos compositores antigos como Monteverdi, “mas com uma síntese de linguagens harmônicas que adotei como resultado de minha experiência em vários gêneros de coral, idiomas jazzístico, literatura de piano e música orquestral dos séculos 19 e 20, bem como as diversas tradições folclóricas e afro com as quais cresci e continuo a desenvolver”, enfatiza.
A linguagem harmônica e as diferentes formas de composição de jazz moldam os vários movimentos, embora o maestro ressalte que o uso moderno do termo Jazz Vesper significa uma performance de jazz, sem qualquer aplicação do texto nem da estrutura formal do serviço de Vésperas da Igreja Católica Romana, Grega Ortodoxa ou liturgias anglicanas. Apesar disso, a música jazzística tem sido adaptada com sucesso, dentro da estrutura de um serviço litúrgico. A abertura utiliza o tradicional versículo das vésperas, seguida por conjuntos de Salmos que contêm pedidos de oração pela paz e pela justiça. 
A obra coloca o Salmo 139 em estilo de balada lenta, seguida por um verso de hino coral de vozes masculinas e, na sequência, o coro completo. Na continuação, um anúncio em estilo de moteto do texto pelo coro, interagindo com a improvisação dos músicos. A configuração do Magnificat (Lucas 1:46-55) começa com o uso de formas de melodias do jazz convencional dos anos 30 e 40, em clima agitado, até que as palavras são transportadas para uma valsa em tempo de jazz.
O concerto termina com uma reinterpretação muito popular do Messias de Handel, registrada por Quincy Jones de modo superlativo, em álbum de 1992. O The Soulful Messiah mistura as vozes originais concebidas por Handel com acompanhamentos Gospel e Soul. O álbum recebeu o Prêmio Grammy, em 1992, de melhor disco contemporâneo Soul Gospel Album.

Convidados – O espetáculo que toma conta da Capela Santa Maria Espaço Cultural, neste fim de semana, tem a participação do Coral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), fundado pelo maestro Francisco César Leinig, em 1966. Auxiliado pelo professor Wilson dos Santos até 1974, o grupo acompanhou as mudanças e o desenvolvimento da instituição que representa, contando com oito regentes ao longo do tempo, sempre aliando os benefícios do canto coral à qualidade técnica.
Atualmente, o Coral da UTFPR é conduzido pela maestrina Priscilla Battini Prueter, especialista em regência coral, com mestrado em Música pela Universidade Federal do Paraná. Priscilla também é coordenadora do Programa de Canto Coral da UTFPR, que engloba diversas ações relativas a essa área, tanto em Curitiba como na Região Metropolitana.
Outro destaque fica por conta do saxofonista norte-americano Todd Wright, que desde 1990 atua como professor na faculdade de música Appalachian State University (Carolina do Norte – EUA). Na instituição, criou vários grupos, ministrando cursos sobre improvisação de jazz, história do jazz e piano jazz, tendo fundado, em 1993, o Jazz Vocal Ensemble daquela universidade. Toca para presidentes e vice-presidentes dos Estados Unidos e, como músico de estúdio, Todd pode ser ouvido em vários projetos com outros artistas. Tem se apresentado com grandes nomes do jazz internacional, realizando turnês pelo Caribe, México, Itália, França, Alemanha e Suíça.
Completando os talentos selecionados para este concerto, a presença do clarinetista Jairo Wilkens, formado pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná – Embap e solista especial da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas (SP). Com vários prêmios em competições nacionais e internacionais de clarinete solo, também se apresenta ao lado de importantes orquestras, entre elas a Rádio Cultura, Sinfônica de São Bernardo do Campo, Sinfônica do Paraná e Sinfônica de Londrina. Mantém intenso trabalho de música de câmara, realizando concertos no Brasil e Estados Unidos, onde foi aluno visitante na University of Missouri-Columbia. Desde 2008 auxilia didaticamente jovens clarinetistas da Fundação Amazônica de Música.

O maestro – Regente e compositor, Keith McCutchen é diretor do coral afro-americano Choral Ensemble Indiana University (Bloomington, Indiana). Também tem atuado como diretor musical na Igreja Bethel AME (Bloomington). É doutor em Direção Coral na Escola Indiana Jacobs University of Music (Bloomington). Como pianista de jazz, McCutchen já tocou com artistas como Mel Torme, Severinson Doc, Diane Schurr, Richard Davis e o baterista Eric Gravatt. Suas composições foram gravadas pelo Ensemble American Spiritual, pelo The St. Olaf Choir e The St. Olaf Gospel Choir, pelo trompetista Michael Suman e pelo Coro Gospel Twin Cities. Algumas das obras corais de McCutchen foram publicadas pela Publishing Earthsongs.
Por meio de um fundo de subvenção nacional, McCutchen foi contratado, em 1998, para escrever uma composição que combina os elementos do gospel com o jazz. A composição intitulada "Spiritual Medley" foi escrita para o coro de uma comunidade em Kentucky, e recebeu acompanhamento de artistas lendários do jazz, incluindo o pianista Kenny Barron, o falecido saxofonista Stanley Turrentine, o baixista Richard Davis e o baterista Carl Allen.

As apresentações da Camerata Antiqua de Curitiba e Coral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) tem ingressos a R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia).

“Esperanza convida Kassin” no Teatro Paiol

A Esperanza, antiga banda Sabonetes, apresenta nos dias 29 (sexta) e 30 (sábado) de novembro, no Teatro do Paiol, o show “Esperanza convida Kassin” com canções de seu álbum recentemente lançado e com a participação especialíssima do músico e produtor Alexandre Kassin.
Kassin é um dos mais requisitados produtores brasileiros da atualidade. Já trabalhou com artistas como Los Hermanos, Caetano Veloso, Gal Costa, atualmente trabalha no novo disco de Erasmo Carlos e é o produtor por trás do álbum Esperanza. O espetáculo conta com músicas desse disco, lançado em julho de 2013, com músicas de Sonhando Acordado, álbum de Kassin (indicado a melhores de 2011) e também com canções dos Sabonetes.
No sábado (30), a Esperanza e Kassin participam de bate-papo aberto ao público (após o show) com o jornalista Cahuê Miranda. Tudo isso no charmoso e intimista palco do Teatro Paiol.

Os ingressos para “Esperanza convida Kassin” custam R$ 20,00 e R$10,00e é indicado para todas as idades.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Show de Ivan Lins abre programação do Natal de Curitiba

No próximo domingo, dia 1º de dezembro, o Parque Barigüi receberá a festa de lançamento oficial da programação de Natal de Curitiba. A principal atração será o show do cantor Ivan Lins e a chegada do Papai Noel. A festa terá atividades para todas as idades, das 11h às 20 horas, preparadas pelo Instituto Municipal de Turismo (Ctur).
A festa popular da Prefeitura também tem como objetivo arrecadar brinquedos novos que serão doados a projetos sociais atendidos por órgãos da administração municipal, como Fundação de Ação Social e Instituto Pró-Cidadania de Curitiba.
Às 15h30 está marcada a abertura oficial do evento com a chegada do Papai Noel e apresentação do cantor Ivan Lins com o coral e orquestra de cordas de Tunas do Paraná e Pinhais.
Para que o público possa aproveitar a programação desde cedo, uma feira gastronômica será estruturada no Parque Barigüi.

Programação de Natal - Um calendário de eventos natalinos foi organizado pelo Ctur e entidades públicas e privadas para incentivar os moradores de Curitiba e turistas a andar pela cidade, aproveitando as atividades programadas. Esse é o objetivo do projeto Curitiba Capital do Natal, que quer transformar a capital paranaense em um dos principais roteiros de visitação nesta época do ano. “Vamos oferecer a população e turistas uma variada programação, proporcionando entretenimento e lazer de qualidade”, afirmou a diretora de Turismo do Ctur, Cristiane Santos.
No ano passado, Curitiba recebeu em dezembro 349 mil visitantes, quase 10% do total de turistas que visitam a cidade no ano todo (3,7 milhões). Deste total, segundo dados do Ctur, aproximadamente 85 mil assistiram alguma apresentação de Natal.
O calendário de eventos natalinos inclui a tradicional apresentação do Coral do Palácio Avenida, que inicia nesta sexta-feira (29), o Natal no Paço que é realizado no prédio do Sesc Paço da Liberdade, na Praça Generoso Marques; o Natal de Luz no Bosque Nossa Senhora de Salete, a Árvore Encantada do Hotel Radisson, no Batel, o Natal no Centro Histórico, o Auto de Natal em Santa Felicidade, o Natal iluminado da Associação Comercial do Paraná (ACP)  entre outras atrações. Toda a programação de eventos pode ser acompanhada nos sites www.natalcuritiba.com.br ou www.curitibacapitaldonatal.com.br

"Ouro de Mina" na Caixa Cultural Curitiba

A Caixa Cultural Curitiba apresenta, a partir desta quinta-feira (28) até domingo (1º), o show “Ouro de Mina”, com o trio maranhense formado por Papete (percussão), Murilo Rego (teclado), e Erasmo Dibell (violino). O repertório propõe uma viagem sonora pelo Brasil, ao reunir cerca de 15 músicas de autores como Almir Sater, João do Vale, Milton Nascimento, Théo de Barros, Oscar Castro Neves, Flavio Venturini e o próprio Dibell, entremeadas por “causos” bem-humorados e citações do “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa.
Acompanhados pelo percussionista e compositor Carlos Pial, e pelo acordeonista Rui Mário, os três artistas propõem um show “com um pé no terreiro maranhense e os olhos voltados para a música universal”, como define Papete. A influência do Maranhão pode ser percebida na parte rítmica, que deixa entrever a admiração dos músicos pela cultura “Mina Gêge”, herança deixada no estado pelos negros africanos da etnia Gêge. “A cultura Mina é a riqueza ancestral que se transforma em ouro cultural”, define o percussionista, justificando o nome do espetáculo. Mas o show também poderia se chamar Simples, na opinião do músico, que pretende oferecer ao público um repertório de sonoridades únicas, com novos conceitos de musicalidade, mas sem complicação.
José de Ribamar Nunes, o Papete, que lidera o espetáculo, nasceu em 1947, em Bacabal (MA). Com 40 anos de carreira e 23 discos lançados, foi considerado o melhor percussionista brasileiro, de 1983 a 1985, pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Nesse período, tocou com músicos como Hermeto Pascoal, Toquinho e Vinicius, Benito de Paula, Renato Teixeira, Almir Sater, Sara Vaughan, Ornella Vanoni e Sadao Watanabe, entre outros. A partir de 1990, passou a se apresentar pelo pais com banda própria, dedicando-se à pesquisa, registro e divulgação das obras de compositores maranhenses.
Ao longo de sua carreira artística, atuou também em shows e gravações com Rosinha de Valença, Marília Medalha, Osvaldinho da Cuíca, Inezita Barroso, Diana Pequeno, César Camargo Mariano, Rita Lee, Angelo Branduardi, Andreas Wollenweider e Alex Acuña, entre outros. Obteve notoriedade internacional por sua técnica no berimbau.

Os ingressos para o show “Ouro de Mina” custam R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia, conforme legislação e correntista Caixa). Informações: 2118-5111. O espetáculo é livre para todos os públicos.

Wilson Simoninha é a atração do “Trajeto Lumen Ao Vivo”, no Shopping Curitiba

Considerado um dos artistas mais respeitados da atual música popular brasileira, Wilson Simoninha vai compartilhar com o público curitibano toda sua diversidade artística e musical, repleta de balanço, samba, black music, MPB e diversão. O cantor é a atração do “Trajeto Lumen Ao Vivo” no Shopping Curitiba, que acontece nesta quinta-feira (28), a partir das 18h.
Simoninha participa do “Trajeto Lumen ao Vivo” para lançar seu último disco, “Alta Fidelidade”, que traz 12 faixas, sendo 10 canções inéditas e autorais, além da releitura de “Falso Amor”, de Jair Oliveira, que também é apresentada em versão remix. Em suas composições, Simoninha contou com as parcerias de Mu Chebabi (“Quebra” e “Nós Dois”), João Sabiá (“Meninas do Leblon”), Edu Krieger (“Morena Rara”), Carlos Rennó (“Paixão (Meu Time)”), Bernardo Vilhena (“Pois é, Poeira”), João Marcello Bôscoli e Marcelo Lima (“Quando”).
A Livraria Cultura foi mais uma vez o espaço escolhido para a realização do projeto. Os presentes vão conferir pocket show, entrevista e ainda ficar perto do artista, logo após a transmissão ao vivo, durante a sessão de autógrafos que começa às 19h. A entrada é gratuita.

SIMONINHA - Músico, intérprete, compositor e produtor, Wilson Simoninha sempre esteve acompanhado pela música. Em mais de vinte anos de carreira, integrou produções de artistas consagrados como Jorge Ben Jor e Wilson Simonal; foi vocalista da banda Suíte Combo; trabalhou em edições do Free Jazz Festival e Hollywood Rock; participou de projetos especiais como “João Marcello Bôscolli & Cia”, “Artistas Reunidos”, “Nêgo”, “100 Anos de Gonzagão”, entre outros; foi diretor artístico da gravadora Trama; lançou em carreira solo 4 CDs e 2 DVDs; além de idealizar, ao lado de seu irmão Max de Castro, o projeto “O Baile do Simonal” (CD, DVD e Show).

TRAJETO LUMEN AO VIVO - A rádio Lumen FM realiza o projeto “Trajeto Lumen ao Vivo” desde 2011 com intuito de fomentar e divulgar a cultura em Curitiba e aproximar artistas do público curitibano. Em 2013, o projeto entrou na terceira temporada, que conta com a parceria do Shopping Curitiba.
Todos os meses, o Trajeto Lumen ao Vivo traz músicos, escritores, esportistas ou nomes ligados à cultura para um bate-papo com a participação do público em um dos espaços do Shopping Curitiba e com transmissão ao vivo na Lumen FM – 99.5.
O projeto já contou nomes como Nelson Motta, Paula Lima, Mariana Aydar, Letícia Sabatella, Leandro Narloch, Zeca Baleiro, Ana Cañas, Zelia Duncan, Arnaldo Antunes, Lobão, Sandra de Sá, Ellen Oléria, entre outros.

A entrada é gratuita, mas é necessário retirar senha, no dia do evento, para participar da sessão de autógrafos. Mais informações nos fones 3271-4700 (Rádio Lumen FM) e 3941-0292 (Livraria Cultura).

Evento pretende promover Curitiba como pólo de economia criativa do país

No próximo sábado, dia 30 de novembro, no Shopping Pátio Batel, a Escola de Criatividade e sua rede colaborativa de parceiros, lançam, com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), a marca do primeiro Festival Mundial de Criatividade do país.
Os participantes - empresários, educadores, pensadores e profissionais da economia criativa - irão debater com o público os melhores casos de criatividade e inovação no Brasil e no mundo, e discutir como aplicá-los aos negócios e à educação. O encontro também servirá para o planejamento de um evento maior sobre o tema, no futuro.
A ideia do evento, segundo os organizadores, é pensar a criatividade como fonte de soluções para os desafios e problemas globais de ordem empresarial, econômica, social e governamental.

Exemplos – A Escola de Criatividade se inspira em eventos internacionais na área para fazer de Curitiba um dos centros do debate e do movimento de empreendedorismo criativo. Os Festivais na Europa são um exemplo da difusão cultural, do conhecimento e da criatividade.
Só na Itália são 1,5 mil festivais por ano, com vários temas e em diversos locais, movimentando a economia, a cultura e atraindo turistas. O público chega até a 400 mil pessoas, como no Festival da Criatividade de Florença, na Itália, que reúne diferentes linguagens artísticas, o design e a arquitetura, e no qual estão envolvidos 40 países, mais de 1,6 mil expositores e 500 eventos.

Programação:

8h às 9h – Credenciamento

9h às 12h30 – Empreendedorismo criativo: Dez empreendedores apresentarão suas histórias, em 15 minutos cada.

13h45 às 16h – Roleta Talk: Chefs de cozinha contarão e debaterão sobre suas histórias de criatividade na gastronomia, suas mais recentes invenções e desafios.

16h30 às 18h30 – Provóquios: Debate de ideias misturando profissionais e formadores de opinião de diferentes perfis. Oportunidade para debater o tema da educação e das novas tecnologias e o desafio de estimular a criatividade, inovação e empreendedorismo a nova geração.

18h30 às 20h – Papo de bar: Momento pra descontrair, conhecer pessoas e um desafio de geração coletiva de ideias livres para o Festival 2014.

24h – Show de encerramento com Zé Rodrigo e banda

Mais informações sobre o evento podem ser obtidas na Escola de Criatividade, pelo telefone (41) 3026-0222.


Nova edição da revista de literatura Jandique chega às livrarias‏

Dedicada à publicação e ao debate da literatura brasileira, Jandique chega à sua quarta edição mantendo o foco na produção curitibana. O lançamento do novo volume acontece neste sábado (30), às 16h, na Livraria Arte & Letra (alameda Presidente Taunay, 130, Batel, fone 3039-6895).
Nesta edição (56 págs, R$ 8,00), a revista trimestral traz ficção de Miguel Sanches Neto, Renato Essenfelder, Thiago Tizzot, Diego Fortes e Isadora Dutra. Fabiano Vianna assina as ilustrações, retratando cenas características da capital paranaense.
Fechando o time de convidados, o escritor catarinense Carlos Henrique Schroeder traça um divertido panorama da cena literária de Curitiba - com direito a debate com um lixeiro que ora afirma ser Alcir Pécora, ora Roberto Bolaño -, buscando os ingredientes que fazem com que a cidade tenha uma tradição de escritores e publicações literárias. E na “Carta opinião”, o poeta e pesquisador Ivan Justen Santana critica a edição do jornal “Cândido”, da Biblioteca Pública do Paraná, dedicada à obra de Newton Sampaio (1913-1938). Para Santana, a publicação coloca em detrimento outros autores paranaenses igualmente importantes e que esperam por redescobertas.

Nesta edição:

- “Carta opinião”, de Ivan Justen Santana, poeta, mestre em Letras pela USP e doutorando em estudos literários pela UFPR

- “A verdadeira ficção”, por Miguel Sanches Neto, escritor e crítico literário, autor de “Chá das cinco com o Vampiro” (Objetiva, 2010) e “A máquina de madeira” (Companhia das Letras, 2012), entre outros.

- “Um quarto no fim do corredor”, por Diego Fortes, ator e diretor d’A Armadilha - Cia. de Teatro. Publicou as peças “O fantástico coração subterrâneo” (SESI PR, 2010), “Procurando” (7Letras, 2012) e “23 de setembro” (Fundação Cultural de Curitiba, 2012).

- “Flor de cerejeira”, por Isadora Dutra, jornalista e professora de literatura

- “Aúspices”, por Renato Essenfelder, escritor, jornalista e professor universitário, autor do romance “Febre” (Patuá, 2013).

- “Formiga”, por Thiago Tizzot, escritor e editor, autor de “O segredo da guerra” (2005) e “Ira dos dragões e outros contos” (2009), ambos pela Arte & Letra.

- “A literatura nazi em Curitiba”, por Carlos Henrique Schroeder, contista, romancista e dramaturgo, autor de, entre outros, “As certezas e as palavras” (Editora da Casa, 2010), vencedor do Prêmio Clarice Lispector da Biblioteca Nacional.

- Ilustrações de Fabiano Vianna, ilustrador, roteirista e escritor. Em 2009, lançou a revista de literatura pulp “Lama”. Integra o coletivo Croquis Urbanos, que retrata a cidade de Curitiba.

Para assinar a publicação, escreva para revistajandique@gmail.com.

Projeto Afina-se encerra o ano com espetáculos musicais

Os alunos do Conservatório de MPB de Curitiba, mantido pelo Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), órgão responsável pela gestão da área musical da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), encerram as atividades de 2013 com espetáculos gratuitos, dentro do Projeto Afina-se. A tradicional iniciativa permite que, ao fim de cada semestre, os estudantes mostrem o aprendizado obtido em sala de aula. Desta vez, as apresentações acontecem no Conservatório de MPB, no Teatro do Paiol e no TUC – Teatro Universitário de Curitiba, no período de 28 de novembro a 13 de dezembro.
O evento proporciona às comunidades a possibilidade de apreciar o talento e a criatividade desses novos artistas. Nos shows, sob a orientação dos professores, sobem ao palco estudantes iniciantes e de nível avançado dos diversos cursos de instrumento, canto e práticas de conjunto. De cunho didático, o projeto conta com toda uma estrutura de produção, que tem por objetivo estabelecer uma ponte entre a escola e o ambiente musical profissional.

Confira a agenda de apresentações das turmas e seus respectivos professores:

Quinta (28), 18h30: Conservatório de MPB (Praça Jacob do Bandolim)
Turmas: FLAUTA TRANSVERSAL (Zélia Brandão), PRÁTICA DE CONJUNTO DE MPB (Luis Otavio Almeida), HARMONIA (Jackson Franklin), CANTO POPULAR (Suzie Franco).

Sexta (29), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: PIANO (Abigail R. Silva), PERCUSSÃO (Vina Lacerda).

Segunda (2), 19h: Teatro do Paiol
Turma: CANTO POPULAR (Joubert Guimarães).

Terça (3), 19h: Teatro do Paiol
Turma: CANTO POPULAR (Suzie Franco).

Quarta (4), 18h30: Teatro Universitário de Curitiba – TUC
Turmas: GUITARRA (Mário Conde), BANDOLIM (Rodrigo Simões), CAVAQUINHO (Julião Boêmio), PRÁTICA DE CONJUNTO DE CHORO (Julião Boêmio e Lucas Melo).

Quinta (5), 18h30: Teatro Universitário de Curitiba – TUC
Turmas: VIOLÃO (Guilherme Campos), VIOLÃO (Fabiano “Tiziu”), CANTO POPULAR (Suzie Franco).

Sexta (6), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: PIANO PARA CRIANÇAS (Nilza Merlim Backes), BATERIA PARA CRIANÇAS (Edi Tolotti).

Segunda (9), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: BATERIA (Toni Antoniacomi), SAXOFONE (Raul Valente), CANTO POPULAR (Joubert Guimarães).

Terça (10), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: VIOLÃO PARA CRIANÇAS (Daniel Fagundes), TROMPETE (Douglas Chiullo), PERCUSSÃO (Alex Figueiredo).

Quarta (11), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: ACORDEOM (Marina Camargo), BAIXO ELÉTRICO (Marcelo Pereira), CANTO POPULAR (Ana Cascardo).

Quinta (12), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: VIOLÃO / VIOLA CAIPIRA (Rogério Gulin).

Sexta (13), 18h30: Conservatório de MPB (Auditório Nhô Belarmino)
Turmas: VIOLÃO (Cláudio Menandro), CANTO POPULAR (Joubert Guimarães).


Mais informações na Coordenação Pedagógica do Conservatório de MPB, fone 3321-3318. 

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Marília Vargas em apresentação na Capela Santa Maria

Um dos nomes mais importantes do canto lírico paranaense, a soprano Marília Vargas, que desenvolve carreira internacional, é a atração da Capela Santa Maria Espaço Cultural, às 20h destas quarta e quinta-feiras (27 e 28), com o concerto “Si Dolce è il Tormento”, dedicado à música italiana do século 17. O espetáculo de música de câmara conta com a participação do brasileiro especializado em cordas dedilhadas, Guilherme de Camargo (teorba), e dos argentinos radicados na Europa, Dolores Costoyas (archilaud, instrumento semelhante ao alaúde) e Juan Manuel Quintana (viola da gamba).
No programa estão as obras de Giulio Caccini (1551-1618);  Claudio Monteverdi (1567-1643);  Girolamo Frescobaldi (1583-1643); Tarquínio Merula (1595-1665);  Luzzasco Luzzaschi (1545-1607); e Giovano Felice Sances (1600-1679).
O repertório destaca um dos períodos mais marcantes da história da música. O século 17 foi responsável por uma alteração substancial na forma de pensar a música. Em oposição à complexidade do contraponto estabelecido no final do renascimento, o texto volta a ter importância fundamental, e sua compreensão passa a ser tão importante quanto a beleza das melodias que lhe dão vida.
Giulio Caccini (1551-1618) demonstra essa intenção no prefácio de seu livro de canções “Le Nuove Musiche”, de 1602, referindo-se ao que teria aprendido nas reuniões da Camerata Fiorentina, grupo de intelectuais que delineou as bases desse novo pensamento: “Posso verdadeiramente dizer que ganhei mais ouvindo suas discussões que com meus trinta anos de contraponto. Esses cultos cavalheiros encorajaram-me e, com raciocínio lúcido, convenceram-me a não estimar aquele tipo de música que, impedindo qualquer compreensão do texto, destrói tanto sua forma quanto seu conteúdo”.
Assim nasceu a “nova música”, de expressividade ímpar, escrita para uma única voz, com acompanhamento de um baixo e uma harmonia simples, na qual apenas são ressaltados os afetos sugeridos pelas palavras do texto. O espetáculo “Si Dolce è il Tormento” é um recorte significativo do auge da criação musical influenciada por esta inovadora maneira de fazer música.

Esta apresentação da soprano Marília Vargas tem ingressos a R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia). A Capela Santa Maria Espaço Cultural está situada na rua Conselheiro Laurindo, 273, Centro.

Cinemateca exibe curta paranaense premiado no Festival de Brasília

A Cinemateca de Curitiba exibe, nesta quinta-feira (28), o filme “A Que Deve a Honra da Ilustre Visita Este Simples Marquês?”, dos cineastas paranaenses Rafael Urban e Terence Keller. O curta-metragem terá sessões às 19h e 20h, seguidas de um breve bate-papo com os diretores do filme e de Max Conradt Jr., protagonista do curta, com mediação do cineasta Eduardo Baggio.
Em setembro deste ano, a produção ganhou três prêmios no 46º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (um dos mais tradicionais do país): o troféu Candango de melhor direção, na competição de documentários em curta-metragem, o Prêmio da Crítica, atribuído e organizado pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) e o Prêmio Aquisição Canal Brasil de Incentivo ao Curta-metragem.

Sobre o filme - “A que deve a honra da ilustre visita este simples marquês?”. A frase com que o colecionador Max Conradt Jr. recebe cada visitante que chega em sua casa, onde guarda uma grande coleção de revistas, obras de arte, cartazes e objetos que representam a “memória do mundo”, dá nome ao filme que foi idealizado após uma conversa com o personagem, há cinco anos. Segundo Rafael Urban, o filme é sobre Max. As coleções funcionam mais como um pretexto.
Fizemos umas 20 visitas a ele. Conhecemos tudo e ouvimos várias histórias - algumas mais de uma vez. Ele é um grande contador de histórias”, diz Rafael.
Ele tem 82 anos e uma coleção gigantesca. E há um certo impasse do que será feito com ela no futuro. Tem todas as Playboys americanas, inclusive a número 1, com a Marilyn Monroe, que ele não encontrava no dia da filmagem. E ele continua até hoje aumentando a coleção”, lembra Rafael.
Em 2010, os cineastas decidiram produzir o curta sobre o colecionador. Fizeram a inscrição pela Lei de Incentivo à Cultura, por meio do Mecenato e, a partir disso, captaram R$ 54 mil com a Unibrasil para realizar o filme.

Papo de Cinema na Caixa Cultural Curitiba

A Caixa Cultural Curitiba apresenta, no dia 27 de novembro, o quinto, e derradeiro, encontro do projeto “Juliette Convida”, que trará a Curitiba o cineasta Walter Carvalho. O diretor exibirá o making of do último filme dirigido por ele; o documentário “Raul  O Início, O Fim e O Meio” (sobre o músico Raul Seixas) – e participará de um bate-papo com o público sobre “Cinema e cultura brasileira”, tema que está presente em boa parte dos filmes que dirigiu ou fotografou. Além disso, Walter Carvalho viajou, a serviço do cinema, por todo o Brasil, desde os grandes centros até as comunidades mais remotas e isoladas. A entrada é franca e os ingressos serão distribuídos na bilheteria a partir das 19h.

Walter Carvalho - Nascido em João Pessoa (PB), fixou residência no Rio de Janeiro, em 1968, onde se formou em Desenho Industrial. Iniciou suas atividades no cinema como assistente de diretores de fotografia, como José Medeiros, Dib Lutfi e Fernando Duarte. Ganhou experiência até se tornar também diretor de fotografia, no começo da década de 1970, sendo hoje um dos mais importantes fotógrafos do cinema brasileiro.
Com mais de 40 anos de atividades, possui um currículo, como fotógrafo, que conta com pouco mais de 100 filmes, entre longas, médias e curtas-metragens, seja em produções de grande porte ou de baixo orçamento. Trabalhou também em televisão, assinando a fotografia de minisséries, novelas e telefilmes. Com um talento versátil, rodou produções em película, vídeo e digital, em gêneros como drama, comédia, documentário e musical, entre outros.
Entre os filmes nos quais trabalhou como diretor de fotografia, estão “Central do Brasil”, “Carandiru”, “Amarelo Manga”, “O Céu de Suely”, “Chega de Saudade”, “Lavoura Arcaica”, “Abril Despedaçado”, “Canudos”, alguns filmes dos Trapalhões, “Todos Os Corações do Mundo”, “A Febre do Rato”, “Terra Para Rose”, entre outros. É interessante citar que outros membros de sua família também são diretores de fotografia conceituados: o irmão mais velho Vladimir Carvalho e o filho Lula Carvalho.
Walter é também diretor. Estreou em 1999 com o documentário “Janela da Alma” (em codireção com João Jardim), em 2003 conquistou grande bilheteria com a cinebiografia “Cazuza - O Tempo Não Para” (em codireção com Sandra Werneck). No mesmo ano, iniciou uma parceria com o músico Antonio Nóbrega, dirigindo as filmagens do show “Lunário Perpétuo”. Voltou ao documentário em 2005, com “Moacir - Arte Bruta”. Adaptou o livro de Chico Buarque “Budapeste”, lançando o filme de mesmo nome em 2008. Seu último trabalho na direção foi “Raul - O Início, O Fim e O Meio” (em 2011).

Encerramento - Com a vinda de Walter Carvalho, o projeto “Juliette Convida” encerra suas atividades de 2013, que teve como objetivo realizar cinco encontros com importantes cineastas brasileiros, exibindo, em cada ocasião, um audiovisual de curta duração, seguido de um debate com o público presente sobre um tema proposto pelos idealizadores Josiane Orvatich e Murilo Wesolowicz. O evento trouxe ao Teatro da Caixa em Curitiba os diretores Jorge Furtado (em 13 de março), Lúcia Murat (8 de maio), Eliane Caffé (10 de julho) e Bruno Barreto (11 de setembro).