domingo, 30 de junho de 2013

Festas Populares inspiram exposição na Sala do Artista Popular

Nesta terça-feira (2), às 17h30, na Sala do Artista Popular, abre a exposição “Festas Populares Paranaenses: Um Olhar de Giane Fischer”. A mostra fica em cartaz até 30 de agosto e a entrada é gratuita.
Para compor a exposição foram escolhidas quatro festas populares paranaenses: o Fandango, a Folia de Reis, a Festa do Divino Espírito Santo e a Congada. A escolha reforça a ideia de que o Paraná é um estado multicultural.

O Fandango – herança dos primeiros colonizadores ibéricos – tem suas danças e cantos ligados aos afazeres cotidianos. Historicamente é associado aos trabalhos coletivos das comunidades litorâneas do Estado. Já a Folia de Reis, que geralmente tem início no dia 24 de dezembro e vai até 6 de janeiro, celebra o nascimento de Jesus Cristo.
A Festa ou Folia do Divino Espírito Santo, que comumente ocorre no mês de maio, celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus, o Pentecostes. No cortejo, grupos de rezadores vão de casa em casa com bandeiras e estandartes celebrando o poder do Espírito Santo, representado por uma pomba. A Congada é uma festa relacionada ao culto de São Benedito e narra as desavenças entre a Corte do Rei do Congo e da Rainha Ginga de Angola, nas quais os grupos “disputam” a primazia nas celebrações ao santo.

A artista - Giane Fischer, artista visual paranaense, possui trabalhos de pintura, gravura e escultura em papel machê já bastante conhecidos pelo público. A partir de estudos acadêmicos da arte e o conhecimento da estética da arte popular, tem realizado trabalhos com temas populares.

A Sala do Artista Popular está situada na rua Saldanha Marinho, s/nº (anexo à Secretaria de Estado da Cultura) e está aberta à visitação de segunda a sexta-feira, das 10 às 18 horas. Informações:3321-4743 ou www.cultura.pr.gov.br

Projeto Afina-se revela novos talentos musicais

Como em todo fim de semestre, os alunos do Conservatório de Música Popular Brasileira, uma das unidades da Fundação Cultural de Curitiba, mostram o aprendizado obtido em sala de aula nos espetáculos gratuitos que integram o Projeto Afina-se. Desta vez, as apresentações acontecem no Auditório Nhô Belarmino do Conservatório de MPB, no Teatro do Paiol e no TUC – Teatro Universitário de Curitiba, até dia 12 de julho.
A iniciativa proporciona às comunidades a possibilidade de apreciar o talento e a criatividade desses novos artistas. Nos shows, sob orientação dos professores, sobem ao palco estudantes iniciantes e de nível avançado dos diversos cursos de instrumento, canto e práticas de conjunto. De cunho didático, o projeto conta com toda uma estrutura de produção, que tem por objetivo estabelecer uma ponte entre a escola e o ambiente musical profissional.
Aqui, a agenda de apresentações das turmas e seus respectivos professores.

Museu da Imagem e do Som promove sessão de cinema para melhor idade

O Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS-PR), vinculado à Secretaria de Estado da Cultura, com apoio do Conselho Estadual dos Direitos do Idoso (Cedi), promove nesta segunda-feira (1º), às 15 horas, a terceira edição da “Sessão Sabedoria”. Em toda primeira segunda-feira do mês, são exibidos e comentados filmes, no Auditório Brasílio Itiberê, anexo à Secretaria de Estado da Cultura. A entrada é grátis.
Aberto à comunidade, o projeto reúne filmes que abordam temas voltados à melhor idade. Inicialmente um convidado, crítico, artista ou intelectual, faz breve introdução, ressaltando aspectos artísticos ou temáticos relevantes. No final da exibição, é realizado debate com o público, estimulando sua manifestação em relação à obra ou ao tema apresentados.
O filme desta segunda-feira é a produção brasileira “Chega de Saudade”, de Laís Bodanzky. A história retrata uma noite de baile, num clube de dança em São Paulo, acompanhando os dramas e alegrias de cinco núcleos de frequentadores do local, vários deles com mais de 60 anos. Mesclando comédia e drama, “Chega de Saudade” aborda amor, solidão, traição e desejo. A classificação indicativa para esta sessão é 14 anos e quem apresenta o filme e conduz o bate-papo é o crítico de cinema Miguel Haoni.
A “Sessão Sabedoria” estimula intelectualmente a melhor idade e abre um canal para expressão de suas ideias. A próxima atração, em 5 de agosto, vai ser “O Exótico Hotel Marigold”, também às 15 horas.  Mais informações: 3321- 4729.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Terror com Brad Pitt e comédia de Pedro Almodóvar entre as atrações da semana

O aguardado blockbuster “Guerra Mundial Z” e a comédia “Os Amantes Passageiros” são as duas principais estreias deste final de semana nos cinemas curitibanos. Seguem em cartaz filmes interessantes, como “Adeus Minha Rainha”, “Antes da Meia-Noite”, “Elena” e “Star Trek-Além da Escuridão”.

A TÍMIDA LUZ DE VELA DAS ÚLTIMAS ESPERANÇAS - Uma história construída por nuances dramáticas e com certa dose de humor sobre duas mulheres solitárias, que há décadas dividem o mesmo teto, as mesmas mágoas, ranhetices, angústias e fantasmas do passado. Zizi e Antonieta são cúmplices de uma vida que não viveram e sonharam viver. No elenco Cristiana Britto e Lucia Talabi, dirigidas pelo ator Jackson Antunes.

AS HIPERMULHERES – Documentário nacional dirigido a seis mãos: Carlos Fausto, Leonardo Sette, Takumã Kuikuro. Temendo a morte da esposa idosa, um velho pede que seu sobrinho realize o Jamurikumalu, o maior ritual feminino do Alto Xingu (MT), para que ela possa cantar uma última vez. As mulheres do grupo começam os ensaios enquanto a única cantora que de fato sabe todas as músicas se encontra gravemente doente.

GUERRA MUNDIAL Z - Produção de terror que chega aos cinemas prometendo mudar os parâmetros dos filmes de zumbis. Com Brad Pitt encabeçando o elenco, a aventura mostra uma epidemia que toma as ruas em poucos minutos, transformando pessoas comuns em criaturas de comportamento suicida, capazes de arremessar os próprios corpos violentamente sobre grades ou muros para saciar sua fome. Pitt vive um agente da ONU, que deixa a família e viaja para o outro lado do mundo atrás de respostas e de uma solução. O filme é baseado no livro homônimo, escrito por Max Brooks, autor do "Manual de Sobrevivência a Zumbis". A direção é de Marc Forster ("007 - Quantum of Solace") e Abigail Hargrove, Ann Ogbomo, Brad Pitt, Daniella Kertesz, David Andrews e David Morse têm papéis de destaque.

OS AMANTES PASSAGEIROS - Dentro de um avião fora de controle, um grupo de personagens excêntricos acredita estar vivendo suas últimas horas de vida. Em meio ao desespero geral, eles começam a fazer confissões inesperadas sobre seus pecados e suas últimas vontades. Esta nova comédia do espanhol Pedro Almodóvar mergulha num dos maiores medos do homem moderno: a queda de um avião. O diretor, sempre irônico, usa a ameaça da tragédia para despertar em seus personagens os comportamentos mais desesperados, transformando o que seria ridículo ou vulgar em reações perfeitamente perdoáveis na iminência do fim. Com o filme, o diretor espanhol deixa de lado o drama pesado de seus filmes mais recentes como "A Pele Que Habito") para criar um mosaico de paródias sociais, como que para forçar o riso em meio à crise econômica de seu país. Os conhecidos Penélope Cruz, Antonio Banderas, Paz Vega, entre outros, compõem o elenco.

SEGREDOS DE SANGUE - Terror do diretor Park Chan-Woo, estrelado por Mia Wasikowska, Nicole Kidman, Matthew Goode, David Alford e Harmony Korine. No dia do aniversário de 18 anos de India Stoker (Wasikowska), seu pai sofre um acidente de carro e morre. A convivência desta garota tímida com a sua mãe (Kidman) torna-se ainda mais problemática, fato agravado pela visita dos parentes durante o funeral. Entre os familiares presentes, está o tio Charlie (Goode), um aventureiro que passou a vida inteira entre as cidades da Europa, sem dar sinal de vida. India nunca soube da existência desse homem, mas logo a sua presença traz à tona o sombrio passado da família Stoker.

TODO MUNDO EM PÂNICO 5 - Sequência da saga que satiriza filmes de terror e suspense, como "Atividade Paranormal", "Mama", "A Entidade", "Cisne Negro" e "Planeta dos Macacos: A Origem", entre outros. Após passarem a noite juntos, Charlie (Charlie Sheen) é morto por Lindsay (Lindsay Lohan), que foi possuída por um demônio. Por isso, seu irmão, Dan (Simon Rex), e a mulher dele, Jody (Ashley Tisdale), precisam cuidar do trio de sobrinhos - duas meninas e um bebê -, que foram encontrados numa cabana na floresta. Entretanto, para que possa ter a guarda dos sobrinhos Dan concorda que ele e a família terão que viver em uma casa repleta de câmeras de vigilância. É lá que estranhos eventos acontecem, tendo a misteriosa mama como responsável. A direção é de Malcolm D. Lee e o ex-boxeador Mike Tyson faz participação especial no elenco.

Orquestra Sinfônica homenageia bicentenário de Richard Wagner

A Orquestra Sinfônica do Paraná apresenta neste domingo (30), às 10h30, no Guairão, concerto em homenagem ao bicentenário do compositor Richard Wagner, com regência do maestro alemão Michael Zilm. A apresentação começa com trechos da ópera Tannhäuser – “Abertura e Bacchanale”, baseada no mito do trovador, um personagem que se deixa seduzir por uma mulher mundana chamada Vênus. A obra estreou no Teatro Real de Dresden no dia 19 de outubro de 1845.Wagner teve grande influência no desenvolvimento da música erudita europeia, sua ópera “Tristão e Isolda” é considerada um marco do início da música moderna. Ele também influenciou a filosofia, a literatura, as artes visuais e o teatro. O compositor teve sua própria casa de ópera, o Bayreuth Festspielhaus e ainda hoje suas obras continuam a ser produzidas, no local, em um festival anual dirigido por seus descendentes. O concerto terá a participação do violinista curitibano Winston Ramalho.

STRAUSS – A segunda obra do concerto, “Vida De Herói”, de Richard Strauss (1864 – 1949), é um poema sinfônico escrito em 1898 que descreve um herói lutando contra seus inimigos. A composição foi considerada autobiográfica, mesmo levando em conta a pouca idade do compositor na época.

MAESTRO – Esta é a primeira vez que o maestro Michael Zilm rege a Orquestra Sinfônica do Paraná. Atualmente ele é o diretor-geral de música, de teatro e maestro titular da Norddeutsche Philharmonie, de Rostock. É responsável pela programação dos concertos e de óperas. Já realizou um ciclo com a obra integral de Gustav Mahler e, anualmente, apresenta concertos dedicados a cada um dos compositores clássicos do século XX, incluindo Béla Bartók, Alban Berg, Leos Janácek e Arnold Schönberg. Com esse trabalho, Zilm recebeu o prêmio de melhor programação de concertos na Alemanha.

SOLISTA – O violinista Winston Ramalho começou sua carreira artística muito jovem, aos 8 anos de idade, e hoje seu trabalho é reconhecido internacionalmente por suas atuações como solista de importantes orquestras. Venceu vários concursos nacionais e internacionais, entre eles o “Jovens Instrumentistas do Brasil”; “I e II Concurso Paulo Bosisio”; “Concurso Jovens Solistas da Osesp”; “Prêmio Jovem Talento do Soroptimist International of the Americas”; “Shell Competition for Young Musicians”, em Londres.

Os ingressos para este concerto da Orquestra Sinfônica do Paraná custam R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia).

“Mistero Buffo” no Teatro José Maria Santos

Os atores Domingos Montagner e Fernando Sampaio, se apresentam neste fim de semana na peça “Mistero Buffo”, no teatro José Maria Santos, e conversarão com o público sobre características cênicas e perfil de formação exigido do artista, trabalhos corporais, aquecimentos, técnicas acrobáticas, comicidade física, pantomima e o ator palhaço. Este bate-papo acontece no sábado (29), às 17 horas (no mesmo local), com entrada franca.
Após o encontro será lançado o livro "La Mínima em Cena", que conta a trajetória da dupla nas montagens feitas ao longo da carreira. Estão citados no livro os trabalho “À la Carte”, “Radio Varieté”, “A Noite dos Palhaços Mudos”, “Athletis”, “Luna Park” e “Reprise”.

A peça – Mistero Buffo é baseada na obra do italiano Dario Fo. A peça tem direção de Neyde Veneziano e no elenco estão Domingos Montagner, Fernando Sampaio e Fernando Paz. São 20 personagens interpretados pela dupla de palhaços, acompanhada ao vivo por um músico-ator, também palhaço. A produção original é do Sesi e nesta circulação conta com o apoio do Ministério da Cultura e da Fundação Nacional de Artes (Funarte), através Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2012.
Domingos Montagner, conhecido do público por trabalhos em televisão (o último trabalho foi na novela "Salve Jorge", com o personagem Ziah), forma ao lado de Fernando Sampaio o grupo La Mínima de circo e teatro. Os dois se conheceram no Circo Escola Picadeiro, em São Paulo, onde iniciaram a dupla de palhaços.

As apresentações de Mistero Buffo acontecem nos dias 28 e 29, às 20h30; e dia 30, às 19 horas. Os ingressos custam R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia, conforme legislação). Informações: 3322-7150.

Grupo Malasartes encena conto de Andersen no Teatro para Piás e Gurias

O projeto Teatro para Piás e Gurias deste domingo (30) leva o espetáculo infanto-juvenil "A Roupa Nova do Rei", baseada na obra de Hans Christian Andersen, ao Teatro José Maria Santos, em Curitiba. Com personagens representados por grandes bonecos de látex, a montagem envolve o público na farsa do rei sem escrúpulos, que gasta todo o dinheiro do povo para alimentar sua vaidade e incrementar o guarda-roupa real.
"A Roupa Nova do Rei" tem direção e dramaturgia de Luis Carlos Teixeira e manipulação dos bonecos a cargo de Rafael Barreiros e Milene Lopes.
A encenação faz parte do projeto "Histórias de Bolso", do Grupo Malasartes, que há mais de 15 anos desenvolve encenações com pequenas caixas de surpresas dedicadas a revelar preciosas narrativas. O Grupo Malasartes é um coletivo de intervenção artística, dedicado à criação de uma linguagem de teatro para crianças e jovens. Há muitos anos esse núcleo de artistas realiza trabalhos de interação em espaços comunitários, combinando três eixos de pesquisa e atuação: a oralidade, a ludicidade e a gestualidade.

O Teatro José Maria Santos está situado na rua Treze de Maio, 655 e a apresentação acontece às 11 horas. Os ingressos custam R$ 5,00 e R$ 2,50 (meia). Crianças até 12 anos não pagam.

Bolshoi traz clássicos do balé a Curitiba

A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil apresenta “Clássicos Bolshoi Brasil: Balé Raymonda e Chopiniana”, no dia 29 de junho, às 20h30, no Teatro Positivo. A apresentação faz parte da programação do Estação Volvo.
Cerca de 60 bailarinos têm a responsabilidade de interpretar essas obras que são clássicos do balé de repertório. O programa traz, no primeiro ato, aquela que é considerada a obra-prima do coreógrafo Mikhail Fokini, “Chopiniana”. No Bolshoi Brasil essa peça foi remontada pela professora russa Galina Kravchenko, bailarina do Teatro Bolshoi de Moscou e esposa de um dos maiores intérpretes desse balé, o russo Alexander Bogatyrev. No segundo ato, os bailarinos do Bolshoi Brasil apresentam uma das joias do coreógrafo Marius Petipa, o “Balé Raymonda”.

“Chopiniana” - O balé “Chopiniana”, atualmente no repertório da maioria das grandes companhias do mundo, também com o nome de “Les Sylphides”, foi coreografado pelo russo Mikhail Fokine, em 1909.
Um balé à luz da lua em um ambiente clássico onde um jovem sonhador, sempre em busca do novo, dança em meio às sílfides, que são seres invisíveis do ar. A obra descreve, apenas sugerindo, as sensações percebidas por eles, ao som da música de Chopin. O balé não tem fragmentos nem partes. É apenas um ato.
O corpo de baile é a essência da obra. A plasticidade e leveza das mãos e os suaves gestos da cabeça completam a atmosfera do balé.

“Raymonda” - O Bolshoi Brasil interpreta o III ato do Balé Raymonda momento que retrata uma grande festa, que acontece no parque do castelo de Jean de Brienne, e celebra o casamento de Jean e a protagonista Raymonda, abençoados pelo rei Andrei II. A comemoração termina com um baile húngaro em homenagem ao rei.
O III Ato do balé “Raymonda” é considerado o destaque desta obra, pois traz ao palco, majestosos figurinos e fortes interpretações com as coreografias de dança a caráter, demi-caráter e o mais puro clássico com os pas classique.
A produção do espetáculo é da Escola Bolshoi. O cenógrafo uruguaio Carlos Kur, foi quem reproduziu os desenhos do cenário, baseado nos originais do Teatro Bolshoi. A cenografia retrata o salão de festa de um palácio. Adereços confeccionados em metal e madeira compõe a obra. Os figurinos foram criados no ateliê da Escola Bolshoi pela estilista russa, Tatiana Artamonova. A coreografia é de Marius Petipa e os ensaios foram coordenados pelos professores russos da Escola Bolshoi.

Volvo do Brasil - A Volvo do Brasil, empresa situada em Curitiba, Paraná, e responsável pela produção e comercialização de veículos comerciais na América do Sul, se orgulha de ser uma das maiores empresas incentivadoras de ações culturais e esportivas do país. A marca já viabilizou dezenas de peças teatrais, livros, gravação de CDs, filmes, apresentações musicais e outras iniciativas que estimulam a cidadania na sociedade brasileira. Ao apoiar a apresentação da Escola do Teatro Bolshoi em Curitiba, a empresa facilita o acesso da comunidade curitibana a um espetáculo de dança que é referência internacional do balé clássico.
  
Projeto - A Escola do Teatro Bolshoi no Brasil é um projeto cultural em pleno desenvolvimento, cuja grandeza se verifica pela extensão social, dimensão cultural e pela abrangência educacional que alcança com seus propósitos e atividades. Uma verdadeira ponte cultural entre o Brasil e a Rússia. Instalada na cidade de Joinville, no estado de Santa Catarina, desde 15 de março de 2000, a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil é a única extensão do Teatro Bolshoi no mundo e pela primeira vez, o Teatro transfere a outro país o método de ensino de balé que o tornou uma das mais respeitadas instituições do mundo.
Buscando a melhor formação, garante o acesso de crianças ao mundo da cultura, ampliando seus horizontes. A sua missão é formar artistas-cidadãos, promovendo e difundindo a arte-educação. Com treze anos de implantação no Brasil, a primeira Escola do Teatro Bolshoi, educa 350 alunos, sendo 255 dos cursos técnicos e básico e os demais do curso de formação continuada. A instituição também concedeu 100% de bolsas de estudo para todos os alunos do curso técnico.
Além de ensino gratuito, os alunos recebem benefícios opcionais que dependem dos recursos financeiros da Escola, como alimentação, transporte, uniformes, figurinos, assistência social, orientação pedagógica, assistência odontológica preventiva, atendimento fisioterápico, nutricional e assistência médica de emergência/urgência pré-hospitalar. Para isso devem apresentar bom rendimento na Escola Bolshoi e também no ensino médio e fundamental, pois a ausência de boas notas implica na perda da bolsa de estudo no Bolshoi. Os alunos recebem educação, aprendem uma profissão, exercitam responsabilidade e constroem cidadania.

Abertas as inscrições para a 4ª Conferência Municipal de Cultura

Estão abertas as inscrições para a 4ª Conferência Municipal de Cultura que acontece nos dias 26, 27 e 28 de julho na sede da OAB-PR (rua Brasilino Moura, 253, Ahú). Os interessados em participar do evento devem acessar o site http://cmc.fundacaoculturaldecuritiba.com.br.
A Fundação Cultural de Curitiba é responsável pela realização das Conferências Municipais de Cultura, que são o fórum de debates e de apresentação de propostas para a política cultural do Município. Os encontros constituem também etapa preparatória para as Conferências Estadual e Nacional de Cultura.
O objetivo principal da Conferência é apresentar sugestões para a implementação e acompanhamento do Sistema Nacional de Cultura. Apesar de ter um público majoritário formado por artistas, produtores culturais, representantes de órgãos públicos e instituições privadas, qualquer cidadão maior de 16 anos, pode participar da conferência.

Temas - Além das inscrições, quem visitar o site da Fundação Cultural terá acesso aos textos de orientação para a participação em diferentes grupos de trabalho e todas as informações referentes às temáticas da conferência, que este ano tem como tema central "Uma Política de Estado para A Cultura: Desafios do Sistema Nacional de Cultura".
Os quatro eixos que serão debatidos nesta edição do encontro são: Implantação do Sistema Nacional, Produção Simbólica e Diversidade Cultural; Cidadania e Direitos Culturais; Cultura e Desenvolvimento. A Conferência também deverá preparar as demandas e discussões, além de escolher os representantes a serem levados para a conferência estadual (14 e 15 de setembro em Guarapuava) e para a 3ª Conferência Nacional de Cultura, que ocorre em Brasília de 26 a 29 de novembro.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Orquestra de Câmara faz concerto para celebrar centenário de Benjamin Britten

O concerto da Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba neste fim de semana é dedicado ao compositor inglês Benjamin Britten (1913-1970). No ano em que se comemora o centenário do seu nascimento, a Orquestra executa uma das principais obras do compositor, “Les Illuminations”, com direção musical de Maurício Aguiar e participação especial da soprano Kalinka Damiani. As apresentações acontecem nesta sexta-feira (28), às 20h, na Paróquia Bom Pastor, e no sábado (29), às 18h30, na Capela Santa Maria – Espaço Cultural. Haverá ainda um ensaio aberto, às 10h de quinta-feira (27), também na Capela Santa Maria.
Pouco antes do concerto do dia 29 (sábado), o músico Marco Aurélio Koentopp fornece informações ao público sobre as obras e os compositores escolhidos, dando sequência à proposta instituída este ano pela Fundação Cultural de Curitiba de introduzir breves comentários de especialistas nos concertos. Além da obra de Britten, o grupo também apresenta uma composição do austríaco Heinrich Ignaz Biber (1644-1704) e outra do argentino Osvaldo Golijov (1960). A temporada 2013 da Orquestra de Câmara de Curitiba conta com o patrocínio do Ministério da Cultura e da Volvo.

Programa – Sob o título “Batalhas e Iluminações”, a Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba inicia o concerto com a obra de Heinrich Biber, “La Battaglia em Ré Maior”. Famoso violinista da era barroca, cuja carreira floresceu e progrediu na corte de Salzburg, Biber faz dessa sonata um retrato musical das batalhas, com muitos efeitos especiais e tonalidades incomuns.
Dando um salto no tempo, o programa prossegue com uma composição contemporânea do argentino Osvaldo Golijov, “Last Round”. Membro de uma família judaica, o compositor teve sua formação musical em Israel e depois nos Estados Unidos. Uma de suas paixões é a música de Astor Piazzolla. Na obra escolhida para o concerto está a marca do seu hibridismo musical, que combina as tradições da música clássica, litúrgica e judaica, com elementos do tango de Piazzolla.
A obra de Benjamin Britten, “Les Illuminations para Soprano e Orquestra de Cordas”, encerra o concerto em grande estilo. A composição faz parte do “Ciclo de Canção Orquestral”, um dos gêneros característicos do inglês Britten, e foi escrita logo após a sua chegada aos Estados Unidos, em 1939, para onde foi em busca de novas oportunidades. O período em que esteve na América foi particularmente profícuo para a obra de Britten, que criou, entre muitos outros, este trabalho (“Les Illuminations”), inspirado na poesia do poeta simbolista francês Arthur Rimbaud.
A obra requer a participação de uma cantora solista e para atuar junto com a orquestra foi convidada a soprano Kalinka Damiani, premiada em concursos nacionais e internacionais de ópera. A direção musical do concerto está a cargo do violinista Maurício Aguiar, atual spalla da Camerata Antiqua de Curitiba e da Orquestra Sinfônica Brasileira. O músico curitibano, que reside nos Estados Unidos desde 1991, é também primeiro violino da Orquestra Sinfônica de Cincinnati (atualmente licenciado).

No dia 27, às 10h, o ensaio aberto na Capela Santa tem entrada franca. Também tem entrada franca a apresentação de sexta-feira (28), às 20h, na Paróquia Bom Pastor (rua Victorio Viezzer, 810, Vista Alegre). Informações: 3335-5552. Dia 29 de junho, às 18h30, na Capela Santa Maria Espaço os ingressos custarão R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia). Nessa ocasião, acontece palestra de Marco Aurélio Koentopp, com início às 17h45. Informações: 3321-2840.

Caixa Cultural Curitiba dança na "Boca do Lobo"

A Caixa Cultural Curitiba apresenta, de 28 a 30 de junho, o espetáculo de dança “Boca do Lobo”, dirigido pelos coreógrafos Renato Vieira e Bruno Cezario. A montagem tem como tema o risco, as experiências sem controle, exploradas numa interligação de dança, artes plásticas e moda.
Em cena, por uma hora, seis intérpretes apresentam movimento extenuantes: os bailarinos extrapolam seus limites de oxigenação e de articulação, movidos por uma trilha musical que inclui Tchaikovsky, Enio Moriconi e The Supremes. O figurino também faz parte da composição do risco, criado por uma imagem sedutora, e é assinado por estilistas, especialmente para a ocasião.
 Estar na boca do lobo é uma expressão antiga, que resume bem o que queremos abordar” explica Renato Vieira. “Correr risco é algo universal. Queremos dançar e mostrar a potência humana ao se lançar em queda livre, em situações arriscadas, às vezes até condenando a própria vida”, complementa o coreógrafo. Bruno Cezario também observa fatores na pesquisa de linguagem. “A violência das cidades, o consumo de drogas, o sexo sem camisinha, tudo um pouco levou a gente a pensar neste espetáculo. Como cantou Renato Russo, na canção ‘Há tempos’, parece cocaína, mas é só tristeza”, lembra, apontando o duplo sentido do projeto.
Renato Vieira é um coreógrafo que se distingue pela multiplicidade, e que já criou obras para a Companhia de Ballet da Cidade de Niterói, para o Teatro Guaíra, para o Theatro Municipal do Rio de Janeiro e para o Balé da Cidade de São Paulo, entre outros. É um dos pioneiros na direção de movimento para teatro, cinema e televisão, e é coreógrafo da escola de samba Grande Rio. Entre seus sucessos, estão “O Som da Motown”, “Cole Porter - Ele nunca disse que me amava”, “Company”, “South American Way”, “Cristal Bacharach” e “Lado a Lado com Sondheim, Sassaricando”.
Bruno Cezario tem 16 anos de carreira. Estreou na Renato Vieira Cia de Dança, em 1994, e é considerado um dos principais nomes da dança em sua geração. De 2001 até hoje, o bailarino passou pelo Ballet Du Grand Theatre (Suíça), Cullberg Ballet (Suécia), Ballet de L'Opera de Lyon (França), Companhia Nacional de Dança - Nacho Duato (Espanha) - da qual foi primeiro bailarino, e Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, em que interpretou criações dos principais coreógrafos da atualidade, no Brasil e no mundo.

"Boca do Lobo" tem a participação dos bailarinos Bruno Cezario, Fabiana Nunes, Soraya Bastos, Lavínia Bizzotto, José Leandro e Tiago Oliveira e as apresentações ocorrem sexta-feira e sábado às 20h, e domingo às 19h. Os ingressos custam R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia, conforme legislação e correntista Caixa). Informações: 2118-5111.

Trio Alvorada toca clássicos da MPB no “Música na Biblioteca”

O Trio Alvorada, liderado pelo músico Guilherme Lindner, se apresenta nesta sexta-feira (28) no projeto “Música na Biblioteca”, promovido pela Biblioteca Pública do Paraná. O grupo que, além de Lindner, conta com os músicos Thiago Saraiva e Fábio Julio de Lima, possui repertório que revisita ícones da Música Popular Brasileira a partir de arranjos únicos e instrumentação pouco usual.
Estão previstas para o pocket show as canções “Lamentos”, “Carinhoso” e “Cinco companheiro”, de Pixinguinha, além de “A ginga do mané”, de Jacob do Bandolin e “O morro não tem vez”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes. A apresentação tem início às 17h30 no hall térreo da BPP. A entrada é gratuita.

Música na Biblioteca - O projeto Música da Biblioteca valoriza os talentos da música local. Desde 2011, mais de cem músicos, dos mais diversos gêneros - da MPB à música barroca, passando pelo chorinho, música indiana, tango e samba - já se apresentaram na BPP.

Mais informações: (41) 3221-4900 ou www.bpp.pr.gov.br

TUC apresenta show de Marcelo Brum-Lemos

O músico e poeta Marcelo Brum-Lemos apresenta nesta sexta-feira (28), às 20h, no TUC – Teatro Universitário de Curitiba, um show de canções autorais, tendo como convidados a violinista Aruana Moscheta e a banda catarinense Casa de Orates. Marcelo Brum mostrará algumas de suas irreverentes e poéticas composições que fazem parte do repertório do seu novo CD, com lançamento previsto para agosto de 2013. Os ingressos custam R$ 16,00 e R$ 8,00 (meia)
Marcelo Brum-Lemos soma mais de 15 anos de carreira na música e na poesia curitibana. Sua estreia aconteceu no 1º. Festival da Canção da UFPR, em novembro de 1995, com a canção Vicious. Depois, venceu a 3ª edição do mesmo festival (1997), já com a banda Zaius, com a qual gravou três CDs. A banda apresentou-se no circuito universitário, em teatros, bares e festivais.
Como solista, Marcelo editou os CDs Res (ano 2000) e Mágica (2004). Multi-instrumentista e em iniciativa rara, gravou os CDs sozinho, executando violões, teclados, guitarras, percussões, flautas, harmônica, baixo, bateria, cítara e kazoo. O músico voltou aos palcos em 2010 com o projeto poético-sonoro Som-de-Brinkedo, que estreou em temporada no Museu Guido Viaro. O projeto foi apresentado também na Sala de Atos do Sesc Paço da Liberdade e no Teatro Paiol. Paralelamente, seguiu carreira de poeta e contista, e foi premiado em diversos concursos, com destaque para o Concurso Nacional Helena Kolody e o Concurso Nacional de Minicontos.
Para completar o espetáculo, Marcelo Brum-Lemos convidou a banda Casa de Orates, da cidade de Itajaí, para mostrar o seu trabalho de vertente surreal e onírica, num show em que o cênico e o sonoro se mesclam, provocando uma verdadeira viagem sensitiva. O grupo lançou o primeiro CD em 2007. Composta por cinco músicos, a Casa de Orates aproveita para lançar em Curitiba o novo álbum Luaria. 

Espetáculo "Arte" põe a amizade masculina em xeque

Sucesso de público e crítica no Rio de Janeiro e em São Paulo, a comédia “Arte”, texto da premiada autora francesa Yasmina Reza, considerado um dos maiores nomes da dramaturgia contemporânea mundial e com dezenas de montagens em mais de 30 países, chega a Curitiba.
Considerada pelo jornal carioca O Globo, como um dos 10 melhores espetáculos de 2012, sob a direção de Emílio de Mello, que também assina tradução do texto, os atores Vladimir Brichta, Marcelo Flores e Claudio Gabriel - os dois primeiros, respectivamente, produtor e idealizador do projeto em parceria com Emílio - apresentam uma análise inteligente e muito divertida da amizade, através da ótica masculina. Com realização da Parnaxx, o espetáculo faz curta temporada na cidade de 28 a 30 de junho no palco do Guairinha. As apresentações serão realizadas na sexta (28) e no sábado (29) às 21 horas, e no domingo (19) às 19 horas. Os ingressos custam R$ 60,00 e R$ 30,00 (meia).
A montagem traz um jogo cênico envolvente e bem humorado, com diálogos afiados que se desenrolam, vertiginosamente, em torno da amizade de três amigos e seus conflitantes pontos de vista sobre a arte, comportamento, trabalho, relacionamento e os mais diversos assuntos. Um turbilhão emocional que ataca, inclusive, o valor dessa amizade.
 O texto apropria-se de situações corriqueiras e mundanas e nos devolve toda uma discussão muito divertida sobre questões da sociedade e do mundo contemporâneo”, afirma Emílio de Mello.
Montada em diversos países, como França, Inglaterra, EUA, Alemanha e Argentina, a peça, de 1994, foi encenada pela primeira vez no Brasil em 1998, com direção de Mauro Rasi e com Pedro Paulo Rangel, Paulo Goulart e Paulo Gorgulho no elenco. Mais recentemente, teve duas montagens no país, na Bahia, em 2004, com direção de Ewald Hackler, e em São Paulo, em 2006, com direção de Alexandre Heinecke. Agora ganha uma nova montagem, com direção de Emílio de Mello, um dos nomes mais respeitados da cena teatral contemporânea, como ator e diretor. Além de dirigir Sonho de Outono (2009), de Jon Fosse, assinou a direção de dois outros textos de Yasmina Reza, O Homem Inesperado (2006) e Deus da Carnificina (2010), este último atualmente em cartaz e pelo qual foi indicado ao 23º Prêmio Shell de Teatro, na categoria de melhor direção.
Vladimir, que pela primeira vez produz um espetáculo, assistiu a montagem argentina, com Ricardo Darin, em cartaz há mais de 10 anos em Bueno Aires e se encantou com o texto. “Quando o Marcelo (Flores) me chamou para montar este projeto não tive dúvida e vi que era o momento de realizar também a minha primeira produção”.
Pra mim, que venho exercitando a comédia na TV e no cinema com frequência, só justificaria voltar a ela no teatro se o riso fosse o meio e não o fim. E é isso que Yasmina faz com maestria. Premiada nos mais expressivos centros teatrais do mundo, o uso do humor de forma corrosiva, que destrói o verniz social e nos expõe a todos de forma demasiadamente humana”, conclui Brichta, que recebeu recentemente o Prêmio Contigo! de TV de melhor ator de série por "Tapas & Beijos".

Direto da Sbórnia, dupla do “Tangos & Tragédias” retorna a Curitiba

“Tangos & Tragédias” é um espetáculo que reúne música, humor, teatro e muita interação com o público. Os recursos cênicos são garantidos pela ficção construída em torno dos dois personagens, o maestro Plestkaya (Nico Nicolaiewsky) e o violinista Kraunus Sang (Hique Gomez). Artistas vindos de um país imaginário chamado Sbórnia executam ao longo de uma hora e meia de espetáculo com músicas do folclore sborniano, canções brasileiras e sucessos do pop internacional. Tudo passando por um filtro cômico e teatral.
Esses são os ingredientes que fazem “Tangos & Tragédias” agradar diferentes plateias e faixas etárias, pois trata com humor os grandes temas como o amor impossível, a dor de cotovelo e outras tragédias do ser humano.
No show, a dupla "sborniana" vai interpretar composições próprias como “Copérnico” e “A Trágica Paixão de Marcelo por Roberta”, temas de Alvarenga e Ranchinho como “Romance de uma Caveira”, o clássico de Vicente Celestino “O Ébrio” e até uma versão jazzy para o inglês do "Trem das Onze".
A primeira apresentação da dupla foi em 1997, em Buenos Aires, com uma versão integral do espetáculo em espanhol, no Teatro Alvear. Desde então participam de festivais de teatro na Colômbia, Equador , Portugal e Espanha.

O espetáculo “Tangos & Tragédias” será apresentado no Guairão nos dias 28 e 29, às 21 horas e no dia 30, às 19 horas. Ingressos: Dias 28 e 30: R$ 80,00 (plateia), R$ 60,00 (1º balcão) e R$ 40,00 (2º balcão); dia 29: R$ 100,00 (plateia), R$ 80,00 (1º balcão) e R$ 60,00 (2º balcão).

Carlos Navas lança CD com canções de Custódio Mesquita

O paulistano Carlos Navas, conhecido pela versatilidade com que transita por diversos segmentos musicais, lança em Curitiba seu nono CD, “Junte tudo o que é seu… Canções de Custódio Mesquita em Voz e Piano”, com espetáculo no Teatro do Paiol. As apresentações acontecem na sexta-feira e no sábado (28 e 29), às 21h, com a participação do pianista Davi Sartori. Dedicado a um dos mais importantes autores brasileiros, falecido em 1945, as obras selecionadas por Carlos Navas realizam um passeio delicado pela obra sensível e refinada desse mestre que influenciou vários compositores.
Integram o CD, parcerias de Custódio Mesquita com Sadi Cabral, Evaldo Rui, Mário Lago, Noel Rosa e Orestes Barbosa. O trabalho coloca ao alcance do público, clássicos como “Enquanto houver saudade”, “Nada além”, “Saia do meu caminho” (da qual foi extraído o subtítulo), “Noturno em tempo de samba” e “Velho realejo”. Mario Reis, célebre intérprete a quem Navas homenageou em belo álbum lançado em 2007, também é lembrado em “Prazer em conhecê-lo” (única parceria de Custódio e Noel Rosa) e “Doutor em samba”, imortalizadas em sua voz. O álbum é uma produção independente, distribuída pela Tratore, e vem merecendo elogios da crítica especializada.

O cantor – Com nove discos gravados, o paulistano Carlos Navas tem sucessos reconhecidos, como o infantil “Algumas Canções da Arca…”, em que faz releituras das canções que Vinícius de Moraes dedicou às crianças. Em seu repertório, constam autores contemporâneos expressivos, como Alzira Espíndola, Itamar Assumpção, José Miguel Wisnik, Marina Lima e Vitor Ramil.
Ao longo de 17 anos de carreira, Navas tem dividido o palco com artistas do porte de Alaíde Costa, Sandra de Sá, Clarisse Abujamra e Tetê Espíndola. Em 2007, lançou o CD “Quando o Samba Acabou”, dedicado a Mario Reis, e o infantil “Canções de Faz de Conta”, sobre a obra de Chico Buarque. “Tecido”, seu oitavo álbum chegou ao mercado pela Lua Music, em 2010. Recentemente, lançou o primeiro DVD, “Ensaio”, registrando sua participação no histórico programa homônimo, dirigido por Fernando Faro, na TV Cultura.

O homenageado – O compositor, instrumentista, regente e cantor Custódio Mesquita nasceu no Bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, em 25 de abril de 1910 e faleceu em 13 de março de 1945. As primeiras noções musicais foram obtidas em casa, com os pais. Posteriormente, estudou piano com professores como Siazinha Cavalcanti e Luciano Gallet. Sua composição de estreia foi “O amor é um prejuízo” (com Moisés Friedman), samba-canção editado em 1930 que não obteve repercussão. Nessa época já tocava piano na Rádio Clube do Brasil, Rádio Mayrink Veiga e Rádio Philips.
Em 1932, Sílvio Caldas gravou o fox “Dormindo na rua”, tornando conhecido o talento de Custódio Mesquita, que foi parceiro de importantes nomes da música brasileira, além de ter sua produção musical gravada por cantores em evidência, como Carmen Miranda e sua irmã Aurora Miranda, Mário Reis, Carlos Galhardo e Orlando Silva.
Em 1935, estreou como ator de cinema no filme carnavalesco “Alô, alô, Brasil”, de Wallace Downey. Atuou ainda em mais dois filmes: “Bombonzinho”, de Mesquitinha (1938), e “Moleque Tião”, de José Carlos Burle (1943), para o qual também compôs músicas. A revista “O sambista da Cinelândia”, encenada no Teatro Fênix, marcou sua estreia como compositor para teatro. Musicou diversas peças (“Filhas de Eva” e “Gandaia”, entre outras), além de ter realizado uma temporada na Argentina, como pianista, obtendo grande sucesso com a marcha Se a lua contasse.
Continuou sua trajetória vitoriosa compondo em parceria com Evaldo Rui, o que deu origem a algumas de suas maiores obras, entre as quais o bolero-canção “Para que viver?”, o fox-trot “Rosa de maio” e a valsa “Gira, gira, gira”; os sambas “Promessa”, “Noturno em tempo de samba” e “Como os rios que correm para o mar”. Compôs ainda o samba “Algodão”, com David Nasser, e o fox-blue “Naná”, com o teatrólogo Geysa Boscoli.
Em 1945, no auge de seu prestígio como compositor, Custódio Mesquita foi eleito conselheiro da SBAT - Sociedade Brasileira de Autores, a qual estava filiado desde 1933. Não chegou, porém, a tomar posse do cargo: morreu de crise hepática. Sua última música, com letra de Freire Júnior, intitulava-se “Despedida”.

As apresentações de Carlos Navas têm ingressos a R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada). Para saber mais: www.carlosnavas.com.br

FHC é eleito para a Academia Brasileira de Letras

(ABr) - Com 34 dos 39 votos possíveis, o sociólogo, professor e ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (FHC) foi eleito na tarde desta quinta-feira(27) para ocupar a cadeira 36 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Vai assumir a vaga aberta com a morte do jornalista João de Scantimburgo, em 22 de março deste ano. Votaram 24 acadêmicos presentes à sede da academia, no centro do Rio, e 14 por carta. Houve uma abstenção.
Presidente da República em dois mandatos sucessivos, de 1995 a 2002, Fernando Henrique Cardoso, nascido no Rio de Janeiro em 18 de junho de 1931, é doutor em sociologia e professor emérito da Universidade de São Paulo (USP). Foi também professor em várias universidades e instituições estrangeiras, entre elas Stanford, Berkeley e Brown, nos Estados Unidos; Cambridge, no Reino Unido; Paris-Nanterre e Collège de France, na França, e Ipes/Cepal, em Santiago do Chile.
Intelectual com atuação política, Fernando Henrique teve seus direitos políticos cassados em 1964 pelo regime militar e exilou-se na Europa e no Chile. De volta ao Brasil, participou da luta pela redemocratização do país, ingressou no então MDB e foi eleito senador por São Paulo. Nos anos 80, foi um dos fundadores do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), do qual é presidente de honra. Antes de ser eleito presidente, foi ministro das Relações Exteriores e da Fazenda no governo Itamar Franco (1992-1994).
De acordo com o acadêmico Marcos Villaça, ex-presidente da ABL, “a eleição de Fernando Henrique Cardoso é um ato de respeito à inteligência brasileira. A sua obra de sociólogo e cientista dá ainda mais corpo à academia”.
Com a eleição de FHC, a Academia Brasileira de Letras passa a contar com dois ex-presidentes da República entre seus 40 membros. O outro é José Sarney, ocupante da cadeira 38, desde 1980.
O novo membro da ABL é autor ou coautor de 34 livros, 23 deles de sociologia, e mais de cem artigos acadêmicos. Uma de suas obras, Dependência e Desenvolvimento, escrita em coautoria com Enzo Falletto e publicada originalmente em espanhol, em 1969, é considerada marco nos estudos sobre a teoria do desenvolvimento. O livro teve dezenas de edições, em 16 idiomas.
Os livros mais recentes de Fernando Henrique Cardoso são voltados à análise de sua atuação como político e as memórias: O Presidente e o Sociólogo (1998); A Arte da Política (2006); The Accidental Presidente of Brazil (2006); Cartas a um Jovem Político (2008) e A Soma e o Resto: um Olhar Sobre a Vida aos 80 Anos.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Teatro do Paiol recebe a dupla Pedro Altério & Bruno Piazza

Nesta quinta-feira (27), às 20h30, a dupla paulista Pedro Altério & Bruno Piazza toma conta do Teatro do Paiol para o show de lançamento de seu primeiro CD, gravado em 2012. Com um som que propõe uma mistura de elementos da música erudita e da MPB, os músicos mostram sucessos do álbum que leva o mesmo nome da dupla, e que tem no repertório composições próprias e parcerias com conhecidos autores.
No espetáculo, Pedro Altério (voz e violão) e Bruno Piazza (piano) se apresentam ao lado de Neymar Dias Quarteto (baixo, baixo acústico e cordas) e Gabriel Altério (bateria). Das 13 músicas escolhidas para o CD de estreia, nenhuma tem solo e nem presença de ritmos brasileiros marcados, sendo três delas instrumentais. “É um disco de canções”, define a dupla, que evidencia a ponte entre o trabalho que os dois desenvolvem: o universo erudito e a música popular.
Pedro e Bruno se conheceram no projeto Quinta Dissonante, encontros musicais abertos ao público, realizados em casas noturnas de São Paulo, no formato de jam-sessions e organizados mensalmente por amigos em comum. Foi então que nasceu o projeto do CD que reflete o que os dois gostam de ouvir e de tocar, com canções de novos compositores, como Breno Ruiz, Dani Black, Paulo Novaes e Pedro Viáfora.
Além das músicas conhecidas dos shows, o disco também tem parcerias com Kleber Albuquerque, Celso Viáfora, Rita Altério e participações especiais de Mônica Salmaso e Luiza Possi, ao lado dos arranjos de cordas feitos por Neymar Dias.
Um dos exemplos dos movimentos eruditos incorporados a canções populares está na música Vai-e-Vem, com letra de Rita Altério, inspirada na desativação de uma linha de trem que ligava duas cidades históricas de Minas Gerais, e que traz o conhecido O Trenzinho do Caipira, de Villa-Lobos. “As duas músicas se encaixam de uma maneira que muita gente que ouve, mesmo conhecendo a composição de Villa-Lobos, às vezes não percebe, de tão fundido que está na música”, complementa Pedro.

Os músicos – Pedro Altério integrou, em 2008, o DVD de Ivan Lins, Saudade de Casa, participando também dos shows de lançamento. Outro trabalho de destaque foi ao lado de Celso Viáfora, no DVD e CD Batuque de Tudo. Integrante do projeto 5 a Seco, gravou, em junho de 2011, o seu primeiro CD e DVD ao vivo, com participações de Maria Gadú, Lenine, Chico César e Dani Black. Pedro Altério ainda marca presença como compositor, tendo músicas nos discos de Tatiana Parra, Patrícia Bastos, Patrícia Talem, Tó Brandileone, Dani Black, Bruna Caram, Rafael Altério e Luiza Possi.
Autodidata, Bruno Piazza participou do DVD Multishow Ao Vivo (2010), de Maria Gadú, na faixa extra Castelos (piano/arranjo). Formado em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo – FEBASP, o músico atualmente estuda piano erudito com Dante Pignatari e Harmonia, Improvisação e Arranjo com Hector “Costita”. Atua ao lado de diversos artistas, como Barbara Rodrix, Bruna Moraes, Paulo Novaes e Felix Bravo. Também criou trilhas para dança e cinema, entre elas a concebida para o espetáculo Maria, Madalena (2011), dirigido por Chico Neller, do grupo Ginga, e a do longa-metragem Mistéryos, de Beto Carminatti e Pedro Merège.
  
Os ingressos para a apresentação de Pedro Altério & Bruno Piazza custam R$ 25,00 e R$ 12,50 (meia).

Grupo A Banca vem a Curitiba com a turnê "Chorão Eterno"

Os ex-integrantes do Charlie Brown Junior, formam um novo grupo. O projeto batizado como “A Banca” simboliza o prosseguimento da história do CBJ. Inspirado no título de uma música do disco Nadando Com os Tubarões, e é também uma expressão bem conhecida na periferia, onde simboliza uma turma, uma galera, no caso “A Banca do Charlie Brown Jr”, o nome reforça a ideia dos integrantes de manter viva a essência e ideologia do grupo. Com realização da Prime, a trupe vem a Curitiba nos próximos dias 28 e 29 de junho com a turnê “Chorão Eterno”, uma homenagem ao músico Chorão, morto em março deste ano, e também aos 20 anos de Charlie Brown Jr. As apresentações serão realizadas no Curitiba Master Hall (rua Itajubá, 143, Portão), a partir das 21h30, com ingressos a partir de R$ 35,00. A abertura do show fica por conta da banda Trela.
No repertório das apresentações em solo curitibano, A Banca traz, além de músicas inéditas, os grandes sucessos do CBJ, como “O Coro vai Comê”, “Quinta-Feira”, “Zoio de Lula”, “Tudo que Ela Gosta de Gostar”, “Papo Reto”, “Só os Loucos Sabem”, “Senhor do Tempo”, “Ela vai Voltar”, entre outras. O público poderá ainda conferir efeitos áudio visuais e imagens inéditas do Chorão e da banda.

A BANCA - A formação traz algumas novidades. O consagrado músico Champignon é quem assume o vocal. O instrumentista que, já viveu a experiência de cantar e compor letras anteriormente, em projetos paralelos, encara novamente o desafio. Dividindo esta responsabilidade Thiago Castanho - O Capitão (guitarra), já conhecido pelas inúmeras composições da banda Charlie Brown Jr, trará além da musicalidade inconfundível, a experiência para as próximas canções da banda. Ele que ao lado de Chorão criou hits como “Só Os loucos Sabem”, “Céu Azul”, “Meu Novo Mundo”, entre outras, promete grandes novidades para A Banca.
Marcão - o Mito (guitarra) promete incendiar, não só os palcos com suas perfomances explosivas e arranjos enfurecidos, como também trazer todo o lado “rock de camisa preta”, que fazia parte do lema da banda Charlie Brown Jr, para este novo trabalho. Bruno Graveto - o escolhido, a frente da bateria da banda Charlie Brown Jr há cinco anos, traz consigo vasta experiência na noite, que faz com que ele participe de todo processo de composições e direção do repertório dos shows da A Banca. Já o posto de baixista fica por conta da nova integrante Helena Papini. A musicista renomada no meio musical santista, já integrou diversas bandas do litoral paulistano e chama atenção por seu estilo e atitude.

Luís Augusto Fischer ministra oficina de crítica literária

O escritor e professor gaúcho Luís Augusto Fischer ministra, entre 11 e 13 de julho, oficina de crítica literária, na quarta edição das Oficinas BPP em 2013. As inscrições estão abertas até o dia 4 de julho. Para se inscrever, é preciso enviar um breve currículo e uma resenha, de no máximo duas laudas, sobre um livro de ficção da literatura nacional ou estrangeira. O material deve ser enviado para o endereço oficina@bpp.pr.gov.br. Serão selecionados pelo autor 15 participantes.
Nascido em Novo Hamburgo, em 1958, Fischer é hoje um dos principais críticos brasileiros. Autor de ensaios sobre Machado de Assis e Nelson Rodrigues, tem sido presença constante nas páginas dos jornais e revistas brasileiros, falando sobre a literatura contemporânea. Mestre e doutor em Letras pela UFRGS, leciona na universidade, no curso de Literatura Brasileira, desde 1985. Atualmente escreve para os jornais Zero Hora, Folha de S. Paulo e ABC Domingo, além de ser colaborador das revistas Bravo! e Superinteressante.
Durante a Oficina na BPP, Fischer passará pelas histórias da crítica brasileira, traçando um panorama desde os antigos suplementos até aos atuais cadernos de cultura. Também falará sobre as diversas perspectivas da crítica em relação a gêneros como conto, poesia e romance.
Como escritor, Fischer já publicou livros de contos, crônicas e ensaios. Entre suas obras, destacam-se “Dicionário de Porto-Alegrês” (1999) e o “Dicionário de Palavras e Expressões Estrangeiras” (2004), livros que fizeram grande sucesso entre os leitores.

O Projeto - As oficinas de criação literária promovidas pela BPP acontecem mensalmente e buscam aliar teoria e prática, colocando o público em contato com diversos gêneros literários. Esta é a quarta Oficina BPP de Criação Literária de 2013. Este ano, os escritores José Castello (Romance), Fabrício Corsaletti (Poesia) e Ernani Ssó (Infanto-juvenil) já ministraram oficinas. Até novembro, outros quatro cursos irão acontecer:  Crônica, com Antônio Torres (13 a 15 de agosto); Narrativa experimental, com Marcelino Freire (10 a 12 de setembro); Jornalismo Cultural, com Marcos Flamínio (9 a 11 de outubro) e Conto, com Antonio Carlos Viana (12 a 14 novembro) . Informações: 3221-4974.

Peça “Eros Impuro” discute o abuso contra menores

A peça “Eros Impuro”, do diretor Sérgio Maggio, conta a história de Andrei - um pintor que busca por meio da arte livrar-se do estigma do abuso sexual -, que o persegue desde menino. O personagem é interpretado pelo artista plástico e ator, Jones de Abreu, militante no teatro há 26 anos.
Além do espetáculo, será oferecida a oficina “O Exercício da Crítica Teatral”, ministrada gratuitamente por Sérgio Maggio, destinada a estudantes, atores, diretores e amantes do teatro. Com o objetivo de ampliar o pensamento crítico sobre as questões artísticas, serão oferecidas aos participantes 20 vagas e nove horas/aulas. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail erosimpuro@gmail.com.

As apresentações de “Eros Impuro” acontecem de 27 a 29 de junho às 20h e dia 30 de junho, às 19h, no Miniauditório do Guaira, com entrada franca. Indicado para maiores de 18 anos.

Seminário “Música Sem Fronteiras” abre inscrições

Estão abertas as inscrições para o seminário “Música Sem Fronteiras - Encontro Internacional de Experiências em Educação Musical com ênfase em repertórios tradicionais”, que acontece de 22 a 24 de agosto no Instituto Goethe de Curitiba. O evento vai reunir 10 músicos pesquisadores, do Brasil, Portugal e Espanha, para apresentar suas experiências, suas práticas e junto ao público local construir reflexões sobre a educação musical nos dias de hoje e o uso de repertórios tradicionais neste contexto. A curadora e pesquisadora Lia Marchi, conta que esse encontro é voltado principalmente para professores, estudantes, artistas, músicos e educadores. As vagas são limitadas e as inscrições (R$ 100,00 até 5/7; R$ 120,00 até 31/7 e R$ 150,00 até 16/8) podem ser feitas pelo email contato@olariacultural.com.br.
O seminário “Música sem Fronteiras” é uma iniciativa da Olaria Projetos de Arte e Educação e de Lia Marchi, que explica que essa é uma ideia que vem trabalhando há algum tempo: “Nós vamos trazer à Curitiba nomes de peso, ligados instituições sólidas, que desenvolvem projetos que buscam inserir as culturas locais como uma parte significativa nos processos educativos”. E completa, "além de música e culturas tradicionais, este encontro nos permite refletir sobre questões importantes que permeiam este casamento entre educação e cultura local, tais como a mobilização dos jovens em suas comunidades, a valorização dos saberes dos mais velhos, o dialogo entre diferentes gerações e entre os saberes formais e as sabedorias populares".
Assim, durante três dias, vão se reunir no Instituto Goethe representantes de Brasil, Portugal e Espanha, que apresentarão experiências em educação musical com ênfase em repertórios em língua portuguesa e da tradição popular de seus países. Os nomes confirmados são: André Magalhães (Brasil), Aorélio Domingues (Brasil), Artur Fernandes (Portugal), Celina da Piedade (Portugal), Domingos Morais (Portugal), Guilherme Romanelli (Brasil), Ivan Vilela (Brasil), Ramon Almuinha (Galícia-Espanha), Ricardo Breim (Brasil) e Rui Junior (Portugal). Mais informações pelo site www.olariacultural.com.br

Casa da Leitura Manoel Carlos Karam será reaberta

A Casa da Leitura Manoel Carlos Karam, unidade da Fundação Cultural de Curitiba localizada no Parque Barigui, abre novamente suas portas às 15h desta quinta-feira (27), depois de reforma patrocinada pela Companhia de Cimento Itambé, por meio de Edital de Chamamento Público para Patrocínio. A solenidade contará com a leitura de uma das obras de Karam, feita por um grupo de aproximadamente 40 pessoas.

O espaço – O primeiro do gênero, em Curitiba, inaugurado em 2006, quando contou igualmente com o apoio da Companhia de Cimento Itambé, recebeu em 2008 a atual denominação e abriga a maior parte do acervo bibliográfico de três mil volumes, doado à FCC pela família do escritor e jornalista Manoel Carlos Karam, falecido em 1º de dezembro de 2007. “A devolução desse local voltado à leitura e à criação literária é resultado do trabalho conjunto com a iniciativa privada”, destaca Marcos Cordiolli, presidente da Fundação Cultural de Curitiba.
A recuperação do endereço, que esteve fechado por 80 dias e consumiu dois meses de trabalho, teve um investimento total de R$ 50 mil, sendo R$ 40 mil provenientes da Companhia Itambé e R$ 10 mil decorrentes de investimentos da própria Fundação Cultural de Curitiba.
Entre as principais benfeitorias realizadas no espaço estão a reforma, impermeabilização e pintura das paredes internas, pintura das fachadas, muros e cercas, revisão das instalações hidrossanitárias, troca das calhas recuperação estrutural e impermeabilização das marquises, manutenção das grades, revisão elétrica, troca de portas, revisão do telhado e jardinagem.

Cultura e lazer – Atualmente, a Casa da Leitura Manoel Carlos Karam conta com aproximadamente 4.500 volumes para empréstimo, além de fornecer cadeiras e espreguiçadeiras para quem deseja emprestar um livro para ler no parque. A Casa integra a rede de 16 bibliotecas mantidas pela Fundação Cultural de Curitiba, que investe em ações como o programa “Curitiba Lê” para deixar o livro mais próximo do leitor, englobando a “Estação da Leitura” no Terminal do Pinheirinho, o “Bondinho da Leitura” (Rua das Flores) e as “Tubotecas” (bibliotecas instaladas nas estações-tubo), espaços que abrem novos horizontes para a formação das pessoas por meio da literatura. O objetivo é derrubar as barreiras que, no Brasil, deixam índices muito baixos de leitura.
Outras atividades de incentivo ao hábito de ler estão presentes nas Casas da Leitura, entre elas as oficinas literárias, as rodas de leitura, as sessões de contação de histórias e os ciclos de leitura, que mostram os livros como fonte de lazer e reflexão. A ideia é preparar agentes multiplicadores, como os professores da rede municipal de ensino, contadores de histórias, arte-educadores e voluntários, além de ações com estudantes e a comunidade.

O homenageado – Manoel Carlos Karam (1947 - 2007) era catarinense, mas vivia desde a sua juventude em Curitiba. Cursou jornalismo na Universidade Católica do Paraná, publicou sete romances e escreveu vinte peças teatrais. Em 1995, com a obra Cebola, ganhou o prêmio Cruz e Souza de Literatura. Como jornalista, trabalhou em televisão, jornais e na Prefeitura de Curitiba. Também atuou em campanhas políticas.
Seu primeiro livro publicado foi “Fontes murmurantes” (1985). Depois vieram “O impostor no baile de máscaras” (1992), “Cebola” (1997), “Comendo bolacha maria no dia de são nunca” (1999), “Pescoço ladeado por parafusos” ( 2001), “Encrenca” (2002), “Sujeito oculto” (2004) e “Jornal da guerra contra os taedos” (2008).