quinta-feira, 30 de junho de 2016

A cada 10 ciclistas da Via Calma, 8 usam a bicicleta para trabalhar ou estudar

Pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) entre junho e dezembro de 2015, confirmou o tráfego intenso de ciclistas nas avenidas João Gualberto e Paraná. Na pesquisa qualitativa, realizada por meio de entrevistas, foi constatado que 68,33% dos ciclistas trafegam pelo local a trabalho e 10% utilizavam as vias para se dirigir aos locais de estudo, o que totaliza 78% somando-se as duas finalidades.
Outro dado importante diz respeito à renda média dos ciclistas que utilizam essas duas vias: 42,78% compõem a mesma faixa, com rendimento médio mensal de um a três salários mínimos. Já aqueles que recebem até um salário mínimo totalizam 7,22%. Assim, a pesquisa revela que 50% das pessoas que trafegam de bicicleta pelas avenidas João Gualberto e Paraná recebem até três salários mínimos por mês. “Tanto os motivos de uso dessas vias quanto o rendimento mensal dos entrevistados são dados que reforçam ainda a importância da nova Via Calma. Comprovamos ainda que a bicicleta assume, cada vez mais, a característica de modal de transporte para muita gente”, avalia o presidente do Ippuc, Sérgio Póvoa Pires.
Também chama a atenção a frequência de deslocamento dos ciclistas. Quase a metade (49,44%) pedala na nova Via Calma de segunda a sexta. O porcentual de ciclistas que trafega diariamente pelo local atinge 24,44% e aqueles que frequentam as avenidas João Gualberto e Paraná algumas vezes na semana é de 22,22%. E o uso esporádico das duas vias é de apenas 2,78%. O menor índice, no entanto, é de ciclistas que usam a nova Via Calma apenas para lazer: 1,11%.

Fora da canaleta - A pesquisa realizada no ano passado indicava um dado preocupante: 93,40% dos ciclistas seguiam pela canaleta do ônibus Expresso, enquanto apenas 6,60% usavam a via lenta. Uma nova pesquisa realizada esta semana, entre os dias 27 e 28 de junho, demonstrou a mudança de comportamento. Apenas 10 dias depois de inaugurada a segunda Via Calma, uma nova contagem de ciclistas demonstrou que 71,85% dos usuários deixaram de usar a canaleta, ocupando o espaço compartilhado entre carros e bicicletas.
Isso demonstra que os ciclistas passaram a se sentir seguros na Via Calma, em função da velocidade máxima dos veículos que é de 30 km por hora. Seguiremos acompanhando o comportamento dos usuários da nova Via Calma com novas pesquisas, nos próximos meses”, afirmou o arquiteto e urbanista Antonio Miranda, criador do conceito de Via Calma e responsável pelos projetos de ciclomobilidade do Ippuc. A íntegra das duas pesquisas, de 2015 e 2016, pode ser consultada no site do Ippuc na aba Pesquisas.

SEC divulga resultado da fase documental do 1º edital do Domingo tem Teatro

A Secretaria de Estado da Cultura divulgou nesta quinta-feira (30) os projetos habilitados na fase documental do 1º edital do projeto Domingo tem Teatro. O resultado está publicado no Diário Oficial do Paraná – Comércio, Indústria e Serviços, nº 9730 de 30 de junho de 2016 e também pode ser conferido no site www.cultura.pr.gov.br.
Os proponentes que tiveram seus projetos não habilitados na fase documental têm até cinco dias úteis para recorrer a partir da data da publicação no Diário Oficial. É necessário que o proponente envie o pedido de revisão do resultado por escrito para a Coordenação de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, na Rua Ébano Pereira, nº 240, Centro, Curitiba/PR. CEP: 80.410-903. O pedido pode ser enviado via correio ou protocolado na sede da secretaria até as 18h do dia 7 de julho de 2016.
Após o resultado da análise de recursos, inicia a fase de Avaliação Artística, conduzida por uma Comissão Especial que fará o julgamento e a classificação final. A comissão será composta por dois representantes da SEEC, dois representantes do Centro Cultural Teatro Guaíra e um representante do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão do Paraná (SATED-PR).

1º edital - O edital vai selecionar e premiar até 24 espetáculos de teatro para crianças e adolescentes. As apresentações serão realizadas sempre aos domingos, às 11h, no Teatro José Maria Santos, espaço cultural mantido pela SEEC, de agosto a dezembro de 2016. O ingresso será sempre a doação de um brinquedo novo, que será repassado para o Programa do Voluntariado Paranaense – Provopar Estadual.

Domingo tem Teatro - O projeto tem como objetivo valorizar e incentivar a produção cultural dos grupos teatrais paranaenses destinada ao público infantojuvenil e garantir o acesso de crianças e adolescentes a opções de lazer e entretenimento saudáveis, de qualidade e de relevância artística.

Mais informações: 3321-4812 ou www.cultura.pr.gov.br.

Centro Juvenil de Artes Plásticas promove oficina de férias

O Centro Juvenil de Artes Plásticas (CJAP) oferece cursos especiais para crianças e adolescentes durante as férias. Serão três semanas de atividades que trabalham temas como a confecção de brinquedos, leitura lúdica, pintura em tela, elaboração de poesias, modelagem, caricatura, mangá e estamparia. As oficinas acontecem de 11 a 29 de julho, sempre de segunda a sexta-feira, das 14h às 17h. No total são nove modalidades ofertadas a um custo de R$ 50,00 cada. As vagas são limitadas.
Cada oficina abrange uma faixa etária específica, que varia dos 6 aos 17 anos. Para efetuar a matrícula, é necessário que um responsável pela criança ou adolescente compareça ao CJAP com a fotocópia da certidão de nascimento ou carteira de identidade de quem irá realizar o curso e uma foto 3x4. As inscrições iniciam no dia 20 de junho.

Cursos - Na oficina “Brinquedos I” e “Brinquedos II”, os alunos vão aprender a confeccionar jogos e brinquedos articulados usando sucatas. Em “Leituras Lúdicas”, a literatura é apresentada por meio da contação de histórias, dramatização, criação e interpretação de textos. Já na oficina “Palavra”, a construção de poesias, frases, dísticos e trovas conduzem as aulas. No curso “Pintura em Tela”, como o próprio nome sugere, as aulas são de pintura.
As crianças poderão usar toda sua criatividade e colocar a mão na massa na oficina de “Modelagem”, que trabalhará com argila, massa colorida e biscuit para modelar animais, plantas e objetos. Nas aulas de “Mangá”, os alunos aprenderão a criar personagens, histórias em quadrinhos e técnicas de desenhos. Já no curso “Caricatura”, será abordada a história e as especificidades da arte dos quadrinhos japoneses, além de noções de perspectiva, figura humana em movimento, uso da pena e da aquarela, formatação de HQs e criação de histórias. Na oficina de “Estamparia” será ensinado como criar estampas em diversas técnicas de impressão de tecidos.

Rematrícula - Quem já é aluno do CJAP e deseja dar continuidade às aulas no 2º semestre de 2016 deve efetuar a rematrícula no período de 20 a 24 de junho.

Novos alunos - Para a matrícula de novos alunos, o prazo é 27 de junho a 1º de julho para os estudantes das redes Municipal e Estadual de ensino. E de 4 a 8 de julho é o prazo para a inscrição dos demais estudantes.

O Centro Juvenil de Artes Plásticas fica na rua Mateus Leme, 56, em Curitiba (PR). Informações podem ser obtidas nos telefones 3323-5643 e 3223-3805 e no site www.cjap.seec.pr.gov.br, onde também é possível conferir a grade horária completa dos cursos.

“O Homem Desconfortável” entra em cartaz e reativa o Teatro de Comédia do Paraná

“O Homem Desconfortável”, espetáculo que marca a reativação do Teatro de Comédia do Paraná, apresenta um ser infeliz com a vida, a família, o trabalho, os amigos, a sexualidade e a política. O ser desconfortável não é uma ficção, é o retrato do homem moderno. A diferença é que o autor, Edson Bueno, transformou este desconforto em comédia.
A estreia do espetáculo para convidados será nesta sexta-feira (1º), às 20h30, no auditório Salvador de Ferrante (Guairinha). A temporada vai até 17 de julho, de quinta-feira a sábado, às 20h30, e aos domingos, às 19h. Os ingressos custam R$ 20,00.
A reativação do Teatro de Comédia do Paraná é resultado de edital lançado em outubro do ano passado pelo Centro Cultural Teatro Guaíra e Secretaria de Estado da Cultura. Pelo edital foram escolhidos texto, elenco, cenografia, figurino e trilha sonora. A direção de “O Homem Desconfortável” é de Alexandre Reinecke.
Estão no elenco de “O Homem Desconfortável” Carolina Meinerz, Christiane Macedo, Eliane Campelli, Kauê Persona, Leo Campos, Marcel Szymanski, Pedro Inoue, Simone Magalhães, Tatiana Blum e William Barbier.
Os figurinos são criações de Eduardo Giacomini, a cenografia de Guenia Lemos, a trilha sonora de Gilson Fukushima e a iluminação de Beto Bruel.

INOVAÇÃO - O secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani, diz que a volta do Teatro de Comédia do Paraná é a concretização de um anseio da classe teatral do Estado. “Eu, como artista, me sinto muito feliz em estar no cargo de secretário e proporcionar a volta deste importante mecanismo de fomento do nosso teatro”, disse ele.
Para Fiani, o TCP tem papel fundamental e de destaque no cenário das artes cênicas do Paraná e do Brasil. Ele reitera que este projeto sempre se caracterizou pela junção de artistas, criadores e técnicos das mais diversas tendências. Fato que reforça a importância da manutenção da companhia.
Propus algo inédito. Normalmente os diretores escolhiam o texto a ser encenado. Desta vez não, criamos um concurso para escolher o texto, porque acreditamos no talento dos nossos dramaturgos. O resultado poderá ser visto no palco, com o excelente texto do ganhador do concurso, Edson Bueno, seguramente um dos mais importantes nomes do teatro paranaense”, disse Fiani.
O processo de retomada do TCP foi democrático, como define a diretora-presidente do Centro Cultural Teatro Guaíra, Monica Rischbieter. “O edital definiu todas as etapas da montagem da peça, do texto ao figurino e, com isto, reunimos uma equipe de excelência. Estou feliz com o resultado”, afirmou Monica.

AUTOR – Edson Bueno conta que em 34 anos de dramaturgia decidiu por uma nova experiência profissional. Entregou o texto e não esteve em nenhum dos ensaios.
Quero ter a surpresa, saber como o diretor ‘leu’ o meu texto. Estou na expectativa, mas feliz por ser o Alexandre Reinecke o diretor deste trabalho, ele tem muito conhecimento em teatro e em comédia”. E acrescenta em tom de brincadeira, “autor bom é autor morto ou escondido em casa, que é o meu caso”.
Bueno conta que o desconforto do protagonista é urbano e que está relacionado com os tempos atuais. “Ele se debate no dia a dia e uma situação complica a outra. Ele perde as referências sobre ele mesmo e vive a vida dos outros”, antecipa o autor.

DIRETOR – Alexandre Reinecke foi o escolhido para dirigir “O Homem Desconfortável”. No início ele ficou na ponta aérea Curitiba-São Paulo, mas nos últimos meses se mudou para a capital paranaense em função da rotina diária de preparação, escolhas e ensaios.
Reinecke se diz entusiasmado com todo o processo. “Gostei muito de texto, cenário, elenco, trilha e figurino terem sido escolhidos em audições. É um exemplo que o Brasil deveria seguir. E me sinto honrado por ter sido apontado para dirigir a peça que retoma o Teatro de Comédia do Paraná”, disse o diretor.
Ele conta que de todos os textos inscritos no Edital de Dramaturgia, “O Homem Desconfortável” foi o que mais chamou atenção. “É um texto moderno, que não cai no lugar comum, como há tempo não é escrito no Brasil. Com humor contemporâneo discute questões sociais, políticas e familiares”.
Reinecke diz que quando leu o texto percebeu que o trabalho seria desafiador, que precisaria de bons atores e dinâmica na direção. “Formamos um elenco unido e disponível, qualidades nem sempre encontradas, principalmente, quando são dez atores em cena. Um resultado que me satisfaz”, afirmou.
Alexandre Reinecke consolidou a carreira no ano 2000, quando foi assistente de direção de Paulo Autran na peça “Dia das Mães”. Desde então dirigiu 40 peças dos mais variados gêneros, entre elas as comédias “Quarta-Feira, Sem Falta, Lá em Casa”, com Beatriz Segall e Myrian Pires, que foi substituída por Nicete Bruno; “Senhoras e Senhores”, com Suely Franco, John Herbert, Sonia Guedes e Antonio Petrin; “Sua Excelência, o Candidato”, de Marcos Caruso e Jandira Martini, estrelada por Reynaldo Gianecchini; e “Arsênico e Alfazema” (Arsenic and Old Lace), com Ana Lucia Torre e Denise Weinberg, peça que também traduziu e adaptou.
Esteve em cartaz com “Oração Para um Pé-de-Chinelo”, de Plínio Marcos, peça que recebeu dois Prêmios Shell e um APCA; “Adultérios”, de Woody Allen, com Fabio Assunção; e a comédia francesa “Toc Toc”, um dos maiores sucessos da temporada paulista. Também dirigiu as montagens “A Besta”, de David Hirson, e “Os 39 Degraus”. 

Henrique e Juliano se apresentam nesta sexta no Live Curitiba

Nesta sexta-feira (1º), a dupla Henrique e Juliano, sucesso no Brasil inteiro, leva seu show em única apresentação, no Live Curitiba. A vida dos tocantinenses mudou radicalmente nos últimos dois anos, no início de 2014 o nome deles aparecia como grande promessa do ano, mas nem a mais otimista das previsões poderia imaginar o que de fato aconteceu com Henrique e Juliano desde a gravação do DVD “Ao Vivo em Brasília”, em abril de 2014.
De lá para cá, transformaram-se nos grandes nomes da música sertaneja da atualidade com média de 23 shows por mês, de norte a sul do Brasil, e são os artistas mais expressivos no canal do YouTube com mais de 1,5 bilhões de views.
A média de público da dupla em grandes espaços têm sido de 30 mil pessoas.  No ano passado gravaram o terceiro DVD em Recife, o trabalho se chama “Novas Histórias”, nome da atual turnê dos artistas.
Henrique e Juliano cresceram no mercado fonográfico como a velocidade da luz. É natural o artista sertanejo consolidado fazer sucessos e muitos shows na região nordeste, mas nunca se viu a aceitação tão rápida como a de Henrique e Juliano. Eles já são sucesso na Bahia, Ceará, Paraíba, Aracajú, Teresina e Pernambuco. No norte, foram recordistas de público em Manaus e Belém.
No Live Curitiba, a dupla levará o show que tem arrastado multidões, com repertório de sucesso da primeira à última música, sem contar que vale para os acompanhados curtir o romantismo dos sertanejos. No repertório o público pode ouvir os sucessos “Cuida bem dela”, “Até você voltar”, “Recaídas”, “Mudando de assunto”, e as novas “Na hora da raiva”, “Como é que a gente fica” e “A flor e o beija flor”.

Indicada para maiores de 18 anos, esta apresentação da dupla Henrique e Juliano tem ingressos que variam de R$ 110,00 (meia) a R$ 310,00 (inteira) de acordo com o setor do teatro. A taxa administrativa de R$ 10,00 está inclusa no valor. Mais informações: 3315-0808 ou www.diskingressos.com.br.

Camerata Antiqua apresenta composições paranaenses no Festival Penalva na Capela Santa Maria

A Camerata Antiqua de Curitiba se apresenta no VI Festival Penalva & V Mostra de Música Paranaense, nos dias 1º e 2 de julho, na Capela Santa Maria, sob a regência de Mara Campos. O Festival que ocorre até dia 2 de julho em vários espaços da cidade, celebra a obra do Padre Penalva e traz ao conhecimento do público obras de compositores paranaenses, envolvendo um século e meio de música.
A composição de destaque no programa é “Ágape II”, de Padre Penalva (1924-2002). “Ágape II” é a “Missa nº 8”, de Penalva. Em um de seus manuscritos o Padre explica sobre a obra: “Ao assinar lembrei-me de Hebreus: ‘Cristo ontem, hoje e para sempre’ e descobri no trabalho sinais dessa permanência de Cristo: no grego bíblico, o ontem; no latim internacional e no português, o hoje; nas brumas finais, o futuro – sem dúvida, para nós apenas uma névoa onde, entretanto, almejamos não falte a paz”.
Outras obras de paranaenses também serão executadas, como “Missa Breve em Ritmos Brasileiros”, de Henrique de Curitiba (1934-2008) e “Frutares”, de Ronaldo Miranda (1948) com textos de Hamilton Faria, composição comissionada especialmente para a Camerata Antiqua de Curitiba. Finaliza o concerto, a obra vencedora do III Concurso Nacional de Composição Música Hoje de Eduardo Frigatti, “Campina de Vidro” (2015).
Festival - Essa sexta edição do evento, realizada de 26 de junho a 2 de julho, lembra o compositor e regente José Penalva com programação musical em vários estilos.
Neste ano, o Pe. José Penalva (1924-2002), um dos mais importantes compositores brasileiros da segunda metade do século XX, completaria 92 anos. Além de compositor, foi regente, sacerdote, professor, teólogo, musicólogo e escritor. Como forma de homenagear sua obra e sua memória, foi criado o festival que leva seu nome.

As apresentações da Camerata Antiqua acontecem na sexta-feira, às 20h e no sábado, às 18h30 e os ingressos custam R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia). Eles podem ser adquiridos em https://www.ingressorapido.com.br/compras/?id=49626#!/tickets

Grupo Terra Sonora apresenta o show “Migração” no Portão Cultural

O grupo Terra Sonora volta ao palco do Auditório Antonio Carlos Kraide – Portão Cultural nesta sexta-feira (1º), 20h, para uma nova apresentação do show “Migração”, com o repertório do recente CD, lançado em junho. O grupo, que há 21 anos dedica-se à pesquisa musical de diversas culturas, volta-se agora ao rico universo da música brasileira.
O Terra Sonora viaja musicalmente por vários recantos do mundo, trazendo um precioso apanhado musical que passa pelas mais diversas culturas, ritmos, inspirações e épocas. São mais de 80 regiões do mundo, visitados e revisitados. O repertório escolhido para o CD Migração passa pela música indígena, produzida por nações como a dos Caiapós, dos Xavantes, dos Kaingang, dos Kamaiuras, Fulni-ô, Bororó e Karajas, dentre outras, assim como canções e temas instrumentais do Norte e Nordeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil.
Também fazem parte do CD músicas compostas por Plínio Silva, Liane Guariente e Rogério Gulin, membros do Terra Sonora. O CD tem 32 temas e foi gravado graças à Lei Municipal de Incentivo à Cultura, da Prefeitura e Fundação Cultural de Curitiba. Dos 32 temas, 16 deles fazem parte do repertório do show.

Composição do grupo:
Liane Guariente – voz
Carla Zago – violino, rabeca, viola
Gabriela Bruel – set de percussão
Adriano Mottin – concertinas, flauta doce, krumhorn
Giampiero Pilatti – flauta transversal
Rogério Gulin – viola caipira, viola de cocho, cabacítara
Plinio Silva – harmônio, flauta doce, sheng, metalofone

Os ingressos para esta apresentação do Terra Sonora custam R$ 10,00.

Museu Paranaense recebe exposição sobre a história das artes marciais no Japão

Nesta sexta-feira, 1º de julho, o Museu Paranaense, em parceria com a Fundação Japão São Paulo e com o Consulado Geral do Japão em Curitiba, apresenta a mostra “O espírito do Budô: a história das artes marciais no Japão”. A exposição reúne diversas peças importantes do acervo da Fundação Japão, entre elas armaduras antigas utilizadas pelos guerreiros samurais, capacetes de diversos tamanhos e formas, espadas, lanças, arco e flecha, além de exibir peças contemporâneas utilizadas pelos praticantes de artes marciais. A entrada é gratuita.
Esta exposição propõe uma breve história das artes marciais japonesas e foi planejada e produzida sob um panorama de forte interesse pela cultura das artes marciais do Japão no exterior. Divide-se em dois módulos. No primeiro, reproduções e originais de armas antigas - arco e flecha, espadas, lanças e afins. Armaduras de alto valor histórico, capacetes e demais objetos utilizados pelos antigos guerreiros samurais - apresentam a evolução das artes marciais no Japão.
No segundo módulo, o visitante tem a oportunidade de conhecer melhor a filosofia das artes marciais japonesas, da reorganização do Bujutsu (tradicionais técnicas de combate) em Budô (“Bu” significa espírito do samurai e “Do” significa caminho) nos séculos XIX e XX, à incorporação do espírito das artes marciais pelos japoneses do século XXI.
São apresentados vestuário típico e objetos utilizados para prática das diversas artes marciais, como o Judô, Kendô (arte marcial com espada de bambu), Kyudô (arte marcial com arco e flecha), Karatedô, Sumô, Naginata (arte que utiliza arma antiga de madeira), Shorinji Kempo (arte com movimentos precisos e roupa típica), Aikidô e Jukendô (arte que utiliza rifle de madeira).
Para os japoneses, o peso da tradição recai sobre vários aspectos do seu cotidiano. O termo Bu (espírito do samurai) possui forte conexão com a cultura japonesa, sendo também incorporado pela cultura popular. O “Espírito do Budô” é basicamente a essência do caminho para incorporar esse espírito de samurai, não somente nas artes marciais, mas em outros aspectos da existência humana. O estudo deste conceito permite o alcance de uma compreensão mais profunda e significativa do Japão e do seu povo.
A exposição “O espírito do Budô: a história das artes marciais no Japão” pode ser visitada até dia 24 de julho de 2016, de terça a sexta, das 9h às 18h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 16h. Mais informações: 3304-3300 ou www.museuparanaense.pr.gov.br.


Programa “Arte para Maiores” tem programação especial em julho no MON

Em julho, o Museu Oscar Niemeyer (MON) traz uma edição especial do programa “Arte para Maiores”. As artistas convidadas Leila Pugnaloni e Bernadeth Amorim, que possuem obras no acervo do MON, realizam oficinas ao público adulto, na primeira e na última terça-feira do mês, dias 5 e 26. Haverá também visitas mediadas realizadas pela equipe da Ação Educativa.
Nos dois dias, as atividades acontecem entre 14h e 17h, com 10 minutos de intervalo. Para quem tem mais de 60 anos, a entrada ao museu é gratuita. Será cobrada apenas a taxa de participação nas atividades, que é de R$ 6,00.
No dia 5, as atividades começam com um percurso mediado pela exposição “Histórias do Acervo MON – Em Aberto”, nas salas 6 e 9. Após o intervalo, acontecerá a dinâmica e prática artística “Movimento e Linha”, com a artista Leila Pugnaloni. A atividade abordará o desenho expandido a partir do movimento do corpo e a prática artística contará com desenhos rápidos a partir da observação da figura humana (modelo vivo).
Na última terça-feira do mês, dia 26, o encontro inicia com mediação da mostra “MAC-MON: Um Diálogo”, que está instalada no salão do Olho. Em seguida, os participantes irão assistir a uma apresentação audiovisual preparada para o projeto “Artista do Acervo”, sobre a artista plástica Bernadete Amorim, que realizará a prática artística “Encontro com Materiais”, com a técnica tridimensional, que acontece após o intervalo.
São 40 vagas disponíveis para cada encontro. Os interessados podem fazer reserva de vaga para um ou para os dois encontros até o dia 4 de julho, por e-mail ou por telefone (mais informações abaixo). As inscrições serão realizadas diretamente na bilheteria, no dia dos eventos. As vagas são limitadas.
O custo de participação nas atividades do “Arte para Maiores” é o preço do ingresso mais uma taxa de R$ 6,00. A equipe da Ação Educativa pede para que os participantes cheguem com 15 minutos de antecedência e, devido à climatização e extensão do museu, que venham com calçados confortáveis e tragam agasalho. Para participar não é necessário possuir conhecimento prévio em arte.

O programa - O Museu Oscar Niemeyer propõe desde abril de 2016, para o público adulto, o programa “Arte para Maiores”, que ocorrem nas primeiras e últimas terças-feiras de cada mês. O programa busca proporcionar condições para que o participante tenha uma visão mais ampla sobre artes visuais e favorece a experiência, a imaginação e a criatividade, bem como o diálogo e a convivência.

Leila Pugnaloni - Leila Pugnaloni nasceu no Rio de Janeiro, mas mora em Curitiba. Estudou na Escola de Belas Artes do Paraná, na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro, e, em Nova Iorque, na “Art Students League of New York”. Desde 1980 fez mais de 20 exposições individuais e participou de mais de 40 coletivas. Têm obras no acervo do Museu Oscar Niemeyer (Curitiba), Fundação Cultural de Curitiba, na Biblioteca Nacional (RJ) e em coleções particulares no Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Nova Iorque. Trabalha também como ilustradora.

Bernadete Amorim - Nascida em Belo Horizonte (MG) em 1955, Bernadete Amorim veio para Curitiba aos 11 anos de idade. Nos anos seguintes, frequentou as atividades de pintura e cerâmica na Escolinha de Artes da Biblioteca Pública do Paraná. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Federal do Paraná em 1978, foi arte-educadora até 1998. Dedica-se à escultura, ao desenho, à instalação e à arte-educação. Suas obras fazem parte das coleções do Museu de Arte Contemporânea do Paraná e Secretarias de Estado da Cultura de Santo André (SP), de Piracicaba (SP), e Galeria SESC Paulista São Paulo (SP), dentre outras.

O Programa “Arte para Maiores” aceita reserva de vagas até o dia 4 de julho pelo e-mail agendamento@mon.org.br ou pelos telefones 3350-4468 / 3350-4497 ou 3350-4480. Mais informações: www.museuoscarniemeyer.org.br.

Turnê da cantora gospel Aline Barros chega ao palco do Positivo neste sábado

O maior fenômeno da música gospel do país - possui onze Troféus Talento, seis Grammys Latinos, um Dove Awards, um Troféu Promessas e dois Brazilian International Press Award -, a cantora carioca Aline Barros chega a Curitiba com a turnê do seu novo trabalho, o show do CD/DVD "Extraordinária Graça", formado por músicas dos álbuns “Extraordinário Amor de Deus” (2011) e “Graça” (2013), ambos premiados com o Grammy Latino como melhores álbuns de música cristã em língua portuguesa. Com realização da Prime, a apresentação inédita acontece neste sábado, dia 02 de julho, no palco do Teatro Positivo Grande Auditório, às 21h15. Além de cantar os seus maiores sucessos vai levar também mensagens de amor, paz e de fé ao público.
O show também marca uma nova ação da Prime que acaba de ser lançada – Projeto Prime Social. Com esta iniciativa, a produtora promove, através de instituições, a inclusão sociocultural de pessoas em situação de vulnerabilidade social e o estímulo a formação de plateias. Além disso, o projeto vai também ajudar pessoas carentes neste inverno. No show terá disponível o vale-cobertor no valor de R$ 10,00 que será destinado à campanha Doe Calor, do Instituto Pró-Cidadania. Quem adquirir concorre a prêmios.
O DVD foi dirigido por Anselmo Troncoso, com produção musical de Ruben di Souza e faz a junção dos seus mais recentes trabalhos que fizeram grande sucesso, um com o single que marcou a geração, "Ressuscita-me", do disco “Extraordinário Amor de Deus”, e que juntamente o disco "Graça", rendeu mais dois Grammy Latinos para sua carreira.
Aline Barros, que também é pastora evangélica pela igreja Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul, no Bairro do Flamengo, Rio de Janeiro, é um nome de referência e expressão no segmento em que atua. Foi a primeira evangélica em seu país a conquistar o Grammy Latino em 2004, tendo já sido indicada por cinco vezes consecutivas em outros anos. Aline possui mais de vinte discos gravados, sendo vários premiados com discos de ouro, platina e diamante. Mesclando pop, pop rock e canto congregacional, a cantora possui um público diversificado.
Sua carreira tem se estendido por toda América Central e do Norte, com premiações e homenagens. Barros foi também a segunda cantora gospel a ter uma música em uma novela. A canção "Recomeçar", da obra “O Poder do Teu Amor”, foi escolhida como tema da novela “Duas Caras” (2007), da Rede Globo.
Em 2010 lançou um livro autobiográfico “Fé e Paixão” e o DVD “Aline Barros na Estrada”, que traz shows de sua ultima turnê. Seu último álbum inédito é Graça, lançado pela MK Music e vencedor do Grammy Latino 2014.

Mais sobre Aline Barros - Aline é filha de pastores evangélicos. Com apenas dois anos de idade, Aline já manifestava interesse pela música. Aos 9 anos já acompanhava o pai e o Ministério de Louvor da Comunidade da Vila da Penha, na zona norte do Rio de Janeiro. Logo a cantora passou a fazer parte da equipe de louvor, participando de algumas gravações, sendo que a primeira foi "Tua Palavra", quando tinha 14 anos, e a música ficou quarenta e cinco dias na parada de sucessos das rádios evangélicas da cidade. Aos 16 anos, "Consagração", ficou nove meses nas paradas de sucesso. Aos 18, gravou seu álbum de estreia. Em 1996, Aline se formou como Bióloga Marinha pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Carreira - Em 1995, Aline Barros lançou “Sem Limites”, seu álbum de estreia pela gravadora Grape Vine, produzido por Ricardo Feghali e Cleberson Horsth em formato LP. O disco trouxe composições de vários cantores conhecidos no segmento, como Marquinhos Gomes e trouxe algumas inovações para obras do segmento da época. No mesmo ano, fez uma participação no disco de Xuxa na faixa "Crer Prá Ver". Em janeiro de 1998, grava seu segundo CD, “Voz do Coração” e, em dezembro deste mesmo ano, lançou o EP “Canções de Natal”. Em outubro de 1999, foi distribuído “Bom é Ser Criança”, o primeiro álbum dedicado ao público infantil de Aline. Em julho de 2000, chegou às lojas a coletânea “Millennium”, produzido pela Indie Records e distribuído pela Universal Music com canções da artista. E em dezembro de 2000, lançou a obra “O Poder do Teu Amor”, que vendeu mais de trezentas mil cópias e considerado pela crítica especializada como o melhor disco já gravado por Aline. Em novembro de 2001, lança uma coletânea romântica, com título “Eterno Amor”. Em dezembro do mesmo ano, lança “Mensagem de Paz”, com a participação de Cid Moreira. Em maio de 2002 lançou Bom é Ser Criança vol. 2”.
No ano de 2002, Aline Barros gravou seu primeiro álbum de vídeo, no evento “Jesus Vida Verão”, realizado todos os anos na Praia da Costa, em Vila Velha, no Espírito Santo para um público de cinquenta mil pessoas. Com quatorze faixas, foram selecionadas as melhores canções de todos os seus álbuns anteriores.
Em 2003 gravou “Fruto de Amor”, vencedor do Grammy Latino daquele ano na categoria Melhor Álbum de Música Cristã. Além disso, vendeu mais de trezentas mil cópias e foi o último álbum da cantora na AB Records. Nele há uma participação de PG, na época vocalista do Oficina G3 na canção "Cantarei Desse Amor".
Em 2004, Aline Barros fechou um contrato com a gravadora MK Music e lançou seu primeiro disco de carreira ao vivo, “Som de Adoradores”. A obra, produzida por Rogério Vieira e Kleber Lucas trouxe composições de Alda Célia, Emerson Pinheiro, Eyshila, entre outros. Foi o álbum mais bem vendido da cantora, recebendo a certificação de disco de diamante da ABPD em 2007 e uma indicação ao Grammy Latino. No ano seguinte, Aline realizou a gravação do disco em DVD na Via Show, que também é disco de diamante. Entre 2005 e 2008 lançou vários discos, incluindo “Caminho de Milagres”, vencedor do Grammy Latino em seu ano.
Em 2008, com um público de dez mil pessoas no Maracanãzinho gravou o DVD com as canções de “Caminho de Milagres”, dirigido por Marina de Oliveira. O disco foi indicado ao Troféu Talento 2009, mas curiosamente perdeu para “Ao Vivo no Maracanãzinho”, do Trazendo a Arca, gravado no mesmo local semanas anteriores no mês de maio. No ano seguinte, Aline Barros lançou o DVD “Aline Barros na Estrada”, que trouxe os bastidores de sua turnê “Caminho de Milagres” e um pouco dos seus vinte anos de carreira.
Após um longo tempo gravando seus álbuns de carreira ao vivo, em janeiro de 2011 foi lançado “Extraordinário Amor de Deus”, gravado em estúdio. A obra vendeu cinquenta mil cópias em um dia, sendo considerado um fato extraordinário. Hoje, esse número é superior a trezentas mil cópias, fazendo que fosse o segundo disco de Aline a ser certificado com um disco de diamante pela ABPD. O álbum trouxe várias composições de Jamba, Davi Fernandes e principalmente de Anderson Freire, incluindo "Ressuscita-me", escolhida como a música de trabalho do disco, indicada a Melhor Música no Troféu Promessas em 2011. Ainda, no mesmo ano Aline lançou o disco “Aline Barros & Cia vol. 3” e ganhou mais um Grammy Latino. No Troféu Promessa, Aline ganhou na categoria de Melhor cantora.
Em 2012, com a produção da AB Records e a distribuição da Sony Music foi gravado em Paulínia o DVD “Aline Barros 20 Anos”. Dirigido por Bruno Murtinho, a gravação trouxe participações especiais de Michael W. Smith, Abraham Laboriel e Tom Brooks. Pessoas de toda as regiões do Brasil compareceram ao evento, que reuniu cerca de duas mil pessoas.
Em 2013, a cantora lançou “Graça”, com a produção musical de Ruben di Souza e canções escritas por Anderson Freire, Pr. Lucas & Josué Godoi, Gislaine & Mylena, do cantor Fernandinho e quatro versões de canções internacionais, além de músicas de Aline em parceria com Fernandinho e Anderson Freire.
Em 2016, acaba de lançar seu mais novo trabalho, o CD/DVD “Extraordinária Graça” e iniciou a turnê de divulgação por todo país.

Escritora - Em 2001, Aline publicou seu primeiro livro, intitulado “Reflexões de Paz”. Em 2004, Aline e seu marido, o ex-jogador de futebol Gilmar Santos lançaram o livro para casais “Muito Mais que um Sonho” e depois de cinco anos, em 2009, Aline lançou mais outro livro para casais intitulado “O Poder da Esposa que Ora” (sendo um audiobook), da autora Stormie Omartian. No mesmo ano, Aline lançou o disco instrumental para crianças recém-nascidas “Aline Barros para Bebês”, depois, em 2010 ela lançou o livro “Fé e Paixão”.

Livre para todas as idades, esta apresentação de Aline Barros tem ingressos que variam de R$ 73,00 (meia) a R$ 208,00 (inteira) de acordo com o setor do teatro. A taxa administrativa de R$ 8,00 está inclusa no valor. Mais informações: 3315-0808 / 3317-3283 ou www.diskingressos.com.br.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Projeto Circulando apresenta show da dupla Cris e Hudson

O projeto Circulando apresenta nesta quinta-feira (30) a dupla Cris e Hudson. O show “Sentimento” acontece às 19h, com entrada franca, no Auditório Antonio Carlos Kraide – Portão Cultural. Com um repertório focado nos hits dos anos 70 e 80, Cris Garrett e Hudson Montana resgatam preciosidades da música nacional e internacional.
Cris está iniciando sua carreira na música e já mostra o seu talento. Hudson, ao longo de seus 25 anos de carreira, encantou públicos em hotéis como Bourbon, Rayon e Mabu, bem como nos Clubes Curitibano, Graciosa Country Club, Castelo Du Batel, Iate Club, Curaçau, Círculo Militar e Convention Center. Também abrilhantou festas nos Restaurantes Madalosso, Dom Antonio, Toscana, Sicciliano, Castelo Treviso, Buffet Du Batel e Castelo Du Batel. Teve oportunidade de abrir shows de grandes cantores, como Jair Rodrigues e Fafá de Belém.
O projeto Circulando no TUC e no Kraide é promovido pela Fundação Cultural de Curitiba, para dar oportunidade aos artistas que já tenham reconhecimento em suas comunidades de divulgar o seu trabalho. Os artistas interessados em participar podem entrar em contato com os núcleos da Fundação Cultural de Curitiba nas Ruas da Cidadania. Basta ir à Regional mais próxima e ver a disponibilidade de horários e locais.

Curitiba testa primeiro ônibus híbrido elétrico de segunda geração da América Latina

A partir do dia 18 de julho, a linha Juvevê/Água Verde passará a contar com o primeiro ônibus híbrido elétrico com tecnologia plug in a entrar em operação na América Latina. O novo ônibus, fabricado pela Volvo e apresentado pelo prefeito Gustavo Fruet nesta quarta-feira (29), reduz em até 75% o consumo de diesel e a emissão de poluentes e consome 60% menos energia que um similar movido a diesel, proporcionado um expressivo ganho ambiental.
O veículo será testado durante seis meses, sem qualquer custo para a cidade. “É mais um passo que Curitiba dá na direção da sustentabilidade. Estamos preparando a cidade para o futuro, incorporando novas tecnologias, implantando soluções capazes de reduzir a emissão de poluentes e o número de acidentes de trânsito”, disse o prefeito, que agradeceu a parceria da Volvo, do governo sueco e das universidades locais no projeto de eletromobilidade em Curitiba. O projeto do HibriPlug envolve ainda a Siemnes e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp).
Fruet lembrou que a preocupação da cidade com a sustentabilidade é visível também em projetos como as Vias Calmas, a Área Calma da região central, as faixas exclusivas para ônibus e a licitação para o novo modelo de coleta, destinação e tratamento de resíduos sólidos.
O presidente da Volvo Bus Latin America, Luis Caros Pimenta, destacou a parceria da companhia com Curitiba no desenvolvimento de projetos inovadores. “Costumo dizer que somos mais curitibanos que suecos. Mantemos com Curitiba, cidade sede do Grupo Volvo continente, uma longa história para a demonstração e desenvolvimento de tecnologias e soluções de transporte que ofereçam mais qualidade aos sistemas de transporte e atendam às demandas e compromissos globais de redução de emissões”, afirmou.
O HibriPlug é a segunda geração de ônibus de baixa ou zero emissões de poluentes desenvolvidos pela Volvo. Já operam em Curitiba dois modelos da primeira geração – o híbrido padron e o híbrido articulado, que está sendo testado desde abril. Como seus antecessores, o HibriPlug também funciona com dois motores, um elétrico e outro a combustível – podendo operar em modo 100% elétrico em áreas definidas (período em que não emite poluentes e é totalmente silencioso), e em modo híbrido em qualquer parte do percurso.
Ao contrário dos outros modelos, no entanto, o novo ônibus precisa ser carregado numa estação fixa que, neste caso, foi instalada na pracinha que fica na confluência da Rua dos Funcionários com a Menezes Dória, no bairro Juvevê, ponto final da Linha Juvevê-Água Verde. A estação foi desenvolvida pela Siemens.
O tempo total de recarga é de apenas seis minutos e a bateria tem autonomia de oito a dez quilômetros. Quando a autonomia do veículo no modo 100% acaba, ele entra no modo híbrido, em que o motor a diesel e o elétrico trabalham de forma paralela.
Além de receber as recargas rápidas nas estações, a bateria do ônibus também é carregada com a energia regenerada pelas frenagens do veículo, assim como acontece como os modelos Hibribus e Hibriplus, já em circulação em Curitiba.
O custo da energia será bancado pela empresa Auto Viação Redentor Ltda, parceira do projeto, e compensado com a redução do consumo de combustível (diesel).
Ao investir na eletromobilidade, estamos cruzando uma nova fronteira no transporte público em Curitiba – um esforço que se soma a outros avanços recentes, como a redução no tempo de deslocamento com as faixas exclusivas e a abertura dos dados do sistema”, disse Roberto Gregório da Silva Junior,  presidente da Urbs, empresa que gerencia o sistema de transporte da capital.

Testes - A linha escolhida, que transporta 2,2 mil passageiros por dia, tem um trajeto de 11,2 quilômetros. Como a autonomia da bateria é de até 10 quilômetros, parte do trajeto será feita com o motor a combustível.
A idéia é avaliar o desempenho nas duas modalidades. A linha foi escolhida por passar pela região central, onde normalmente há maior índice de emissões de resíduos, já que os ônibus param e arrancam mais vezes. Assim, nessa área o ônibus se deslocará com o motor elétrico em funcionamento.
Na mesma linha Juvevê/Água Verde – portanto nas mesmas condições de operação – vão circular um modelo Hibribus (elétrico + combustível) e um ônibus a diesel padron. O objetivo é avaliar e comparar a performance de cada um dos modelos em consumo de combustível, a redução de emissões, a eficiência energética e o custo operacional. Esse monitoramento será feito on-line, por meio de um sistema fornecido pela Ericsson e que será instalado no Centro de Controle Operacional (CCO), na Urbs.
Silencioso e moderno, o novo ônibus promete se destacar na frota da cidade. Plotado a partir da criação artística da designer Soraya Ribeiro Ribosvski, o HibriPlug é um ônibus padron com capacidade para 90 passageiros, conforto interno, acessibilidade e wi fi.

Diferenças - Também desenvolvidos pela Volvo, os ônibus híbridos em circulação em Curitiba – incluindo o articulado lançado em abril –  não precisam ser ligados a uma tomada para receber carga elétrica. A bateria deles é alimentada na frenagem. A cada vez que os freios são acionados a energia de desaceleração é utilizada para carregar as baterias.
A outra diferença é a autonomia de deslocamento do motor elétrico. Enquanto o HibriPlug pode rodar até dez quilômetros com uma carga elétrica, o Hibribus  funciona com o motor elétrico acionado do arranque até a velocidade de 20km/h. A partir daí, justamente quando há menor esforço sobre o motor e portanto menos emissão de poluentes, é que entra em operação o motor a combustível.
Quando o ônibus está parado – seja no ponto ou no semáforo – o motor a diesel é desligado automaticamente (bateria acima de 40%) e, no arranque, entra em funcionamento o motor elétrico. No caso do HibriPlug, o veículo funciona no modo 100% elétrico em qualquer velocidade ou situação, desde que esteja carregado.
Outro benefício do Hibriplug é a sua versatilidade na operação: pode-se programar o módulo elétrico para que entre em operação em frente a escolas, hospitais e área central, reduzindo assim os ruídos e emissões.  Na área calma, o Hibriplug automaticamente receberá um comando que não permita que a velocidade ultrapasse os 40 km/h.

Tecnologia e mobilidade sustentável - Curitiba tem sido reconhecida no Brasil e no exterior por sua política de mobilidade urbana sustentável, que busca integrar todos os modais, inclusive deslocamentos a pé.
Projetados há mais de 40 anos para a convivência do ônibus e do automóvel , os eixos de transporte ganharam um novo conceito com a implantação das Vias Calmas, que abriram espaço para a bicicleta lado a lado com o ônibus e o carro. Já implantada nas avenidas Sete de Setembro e Paraná/João Gualberto, as Vias Calmas reservam uma faixa para deslocamento seguro do ciclista e serão levadas aos outros quatro eixos de transporte.
Outro projeto que, embora simples, tem resultados excelentes, foi a implantação de faixas exclusivas para o ônibus em trechos de trânsito mais congestionado da região central. As faixas permitiram um ganho de 45% no tempo de deslocamento no trecho, beneficiando diretamente quase 200 mil passageiros por dia.
A faixa exclusiva foi pintada na cor verde, simbolizando a sustentabilidade social e econômica, na medida em que prioriza o atendimento a quem utiliza o ônibus, e ambiental uma vez que, fora do congestionamento, o ônibus emite menos poluentes.

Híbrido articulado - Em abril a Urbs iniciou os testes com o HibriPlus, o primeiro ônibus híbrido elétrico articulado em operação na América Latina. Integrado à frota da linha Interbairros II, o ônibus é resultado de parceria voltada ao desenvolvimento de novas tecnologias em mobilidade urbana, firmada pela Prefeitura de Curitiba com a Real Academia de Tecnologia da Suécia, empresas privadas e instituições de ensino e pesquisa de Curitiba e da Suécia.
O ônibus tem capacidade para 154 passageiros, ar condicionado, wi-fi, acessibilidade e piso baixo (sem degraus) facilitando o acesso de usuários com deficiência, idosos e cadeirantes, além de design interno que prioriza o conforto do passageiro.  A operação é monitorada em tempo real no Centro de Controle Operacional (CCO) da Urbs e pelo sistema de gerenciamento de frotas da Volvo.

Fifth Harmony traz todo o seu charme em única apresentação em Curitiba

O quinteto americano Fifty Harmony, formado por Camila, Normani, Lauren, Allyson e Dinah, desembarca em Curitiba nesta quarta-feira (29), 21h, para um show inédito na capital paranaense. Um dos maiores sucessos da música pop e do R&B mundial, as meninas do Fifty Harmony estão em ascensão constante desde 2012, quando participaram do reality The X Factor USA. Considerado um dos maiores fenômenos pop do planeta, o quinteto se apresenta no Expo Unimed, em Curitiba. Os shows fazem parte da plataforma Live Music Rocks, que já trouxe ao Brasil Katy Perry, Beyoncé e Magic!, entre outros, e conta com o patrocínio da SKY.
Prestes a lançar seu próximo álbum, “7/27”, o quinteto iniciou a divulgação de seu novo trabalho com o single “Work From Home”, em fevereiro, que já está na lista de músicas mais tocadas nos Estados Unidos e na América Latina, aparecendo em sétimo lugar na Billboard Hot 100 e atingindo o segundo lugar entre as 50 músicas mais tocadas no Spotify Brasil.
Depois do sucesso e da sensualidade de “Work From Home”, o Fifth Harmony lançou em março mais uma faixa do álbum, “The Life”, com uma batida forte e envolvente. Até a turnê, o novo trabalho já será conhecido do público, o que indica um show cheio de surpresas, intercalando no set list os principais hits do grupo e suas músicas inéditas.
Esta será a segunda vez que as meninas do Fifth Harmony estarão no Brasil. Em 2014, o quinteto, então estourado com o sucesso “Miss Movin' On”, causou enorme alvoroço em shows lotados no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, ao lado do cantor Austin Mahone.
Em janeiro de 2015, Camila Cabello, Normani Kordei Hamilton, Lauren Jauregui, Allyson Brooke Hernandez e Dinah Jane Hansen lançaram seu primeiro álbum de estúdio, “Reflection”, que emplacou os sucessos “Bo$$”, “Sledgehammer” e “Worth it”, e estreou na quinta posição da Billboard 200.
O quinteto ainda se apresenta dos dias 1º/7 no Rio de Janeiro, 3/7 em Brasília e 5/7 em São Paulo.

Indicada para maiores de 16 anos, esta apresentação do Fifth Harmony tem ingressos que variam de R$ 125,00 a R$ 700,00, conforme localização. Mais informações: 3315-0808 ou www.diskingressos.com.br.

Projeto premiado pela Unicef funciona em Curitiba e trabalha com teatro para alunos da rede pública de ensino

O teatro entrou na vida de dezenas de jovens de escolas públicas por meio do projeto Crescer com Arte – Palco Escola. O trabalho, de responsabilidade socioeducativa e sociocultural, consiste em fornecer aulas de teatro gratuitas para jovens de 13 a 18 anos. A única exigência é que eles sejam da rede pública de ensino. Por meio de aulas que propiciam acesso à arte, cultura e educação, os alunos aprendem técnicas de artes cênicas e participam de montagens teatrais.
Agora o grupo vai apresentar o que preparou para outros alunos de escolas públicas. E esta é uma novidade tanto para quem está no palco como para a plateia. Os jovens atores terão público pela primeira vez. Os visitantes também vão estrear, mas como espectadores do teatro. Uma emoção que irá marcar a vida de todos os participantes. “Percebemos nos olhos dos jovens que o teatro permeia os sonhos e anseios deles. É um trabalho que contribuiu integralmente para a formação pessoal, humana e profissional tanto de quem está no palco como para os da plateia”, explica a diretora do projeto Crescer com Arte – Palco Escola, Giselle Lima.
A apresentação para os alunos de escolas públicas ocorre no dia 30 de junho, às 14h30. Mas o público que quiser conferir a mostra dos integrantes do projeto pode aproveitar o dia 3 de julho, domingo, quando as apresentações ocorrem às 11h (mostra de processo), 12h (“O Bosque Mágico”) e 12h30 (“As Crônicas de Oscar”). A entrada é gratuita e os espetáculos ocorrem no Espaço Cultural Pé no Palco, na Rua Conselheiro Dantas, 20, no bairro Rebouças (3023-6778 / 3029-6860)
O projeto Palco Escola foi o vencedor da etapa regional do prêmio Itaú- Unicef 2015. Entre quase dois mil concorrentes de todo o Brasil, o trabalho ficou em primeiro lugar na categoria médio porte regional Sul.

Thiago Brava é a atração do Shed Western Bar nesta quinta-feira

Conhecido por sucessos como “360 O Arrocha do Poder”, “Lei do Desapego” e “As Mina Pira”, o cantor Thiago Brava volta à Curitiba para se apresentar na Shed Western Bar. O artista goiano sobe ao palco da balada premium sertaneja nesta quinta-feira (30). A casa recebe o público curitibano a partir das 23h.
Influenciado pelo samba e pelo pagode, Thiago teve várias bandas durante a sua carreira, que era paralelamente dividida com a profissão de publicitário. Após abandonar a música por não acreditar no sucesso, no carnaval de 2012 o cantor compôs o hit “As Mina Pira”, e em um momento descontraído com amigos em uma piscina gravou um vídeo amador que viralizou e hoje tem mais de 10 milhões de acessos no Youtube.
O show de Thiago Brava terá entradas a partir de R$ 60,00 (fem) e R$ 120,00 (masc) com meia-entrada para estudantes. Valores diferenciados na lista amiga, no evento oficial do facebook. As reservas podem ser feitas pelo telefone 3079-6151. Mais informações sobre a programação pelas redes sociais da Shed (Facebook e Instagram).

Museu Ferroviário abre biblioteca dentro da locomotiva Maria Fumaça

O Museu Ferroviário acaba de inaugurar uma biblioteca dentro da locomotiva Maria Fumaça, original de 1908, que faz parte do acervo do museu, localizado no Shopping Estação. O espaço possui quase cinco mil títulos, entre documentos, livros técnicos e periódicos, que contam a história da Antiga Estação Ferroviária, que ligava Curitiba à Paranaguá no período entre 1885 e 1972.
A biblioteca funciona de segunda à sexta-feira, das 13h às 19h, apenas para consulta local. Empréstimos não são permitidos, pois todo o acervo é histórico.

Semana de contação de históriaPara celebrar a inauguração da biblioteca, o Museu Ferroviário promove um circuito de contação de histórias gratuito até sexta-feira (1º), às 15h, voltado para crianças de até 10 anos.
A contadora de histórias Adriane Zeni irá reavivar as grandes fábulas de diferentes países do mundo e transportar os pequenos para o mágico universo das estradas de ferro.

Sobre o Museu FerroviárioO Museu Ferroviário abriga a Antiga Estação Ferroviária de Curitiba e é o único museu do Brasil instalado dentro de um shopping, o Shopping Estação. Além da locomotiva Maria Fumaça, onde foi inaugurada a biblioteca, o museu possui um acervo com mais de 600 peças originais das ferrovias, como mobiliários, telefones, telégrafos apitos, chapéus e sinos. 

Paula Lima é a atração do Trajeto Lumen ao Vivo de junho

A atração deste mês do Trajeto Lumen ao Vivo, realização Lumen FM e Shopping Curitiba, é a cantora Paula Lima. O evento gratuito está marcado para esta quarta-feira (29), às 18h, no Shopping Curitiba, piso L2 e conta com pocket show, bate-papo com o público e sessão de autógrafos. O Trajeto Lumen ao Vivo também será transmitido ao vivo pela Rádio Lumen FM (99.5).
A diva volta ao Trajeto Lumen ao Vivo cheia de novidades. Ela apresenta sua nova música “Mil Estrelas” composta por Ivo Mozart e Zeider Pires, com produção de Alexandre Kassin. “Mil Estrelas” já chega com ares de hit. A envolvente composição mostra a química entre Paula e Kassin nesse primeiro encontro, deixando a canção com um ar “pop soul”.
Uma das grandes cantoras da geração, Paula Lima, com sua voz singular, tem história na música brasileira. Paulistana, nascida na Vila Mariana, formada em Direito pela Universidade Mackenzie e piano erudito, a diva, como é chamada por muitos, é dona de cinco álbuns solos que rodaram o país e o mundo. “É Isso Aí” (2001) foi sucesso e graças a ele, ela foi indicada como cantora revelação pelo Prêmio Multishow. Depois vieram “Paula Lima” (2003), “Sinceramente” (2006), indicado ao Prêmio TIM como melhor álbum de MPB, quando ela também recebeu o Prêmio de melhor cantora no Troféu Raça Negra. Na sequência “Outro Esquema” (2011), “O Samba é do Bem” (2014), indicado ao Grammy Latino e um DVD atemporal aclamado por crítica e público, o “Sambachic” (2008).
Desde sempre Paula Lima teve como marca registrada seu balanço suingue soul singular. Nos anos 90 integrou bandas como “Zomba” (ao lado de Curumim) e “Funk Como Le Gusta”, fazendo a releitura de “Meu Guarda-Chuva”, grande sucesso nacional.
Tem parcerias de música e palco com Seu Jorge, Ed Motta, Banda Black Rio, Curumim e a banda japonesa Mondo Grosso, na faixa “Life” lançada mundialmente. Também já trabalhou com Elza Soares, Jorge Ben Jor, Marcelo D2, Diogo Nogueira, Elba Ramalho, Mart’nália, Milton Nascimento, Martinho da Vila, Hamilton de Holanda, entre outros.

Mais informações: 3271-4700 / 3026-1000 ou www.lumenfm.com.br.

Prefeito Gustavo Fruet anuncia ampliação do projeto Nosso Canto

As oficinas gratuitas de técnica vocal e práticas de coral promovidas pelo projeto Nosso Canto nos Núcleos Regionais da FCC em Santa Felicidade, Pinheirinho, Boqueirão, Boa Vista e Cajuru também estarão disponíveis, a partir de agosto, nas regionais Tatuquara, CIC, Matriz, Portão e Bairro Novo. O anúncio foi feito no último sábado pelo prefeito Gustavo Fruet no encerramento da 1ª Semana de Canto Coral.
Segundo Gustavo Fruet, apesar do difícil momento econômico a cultura na cidade continua avançando. “São vários os fatores que mostram o crescimento da cultura em nossa cidade. Assinei, semana passada, a nova Lei de Incentivo a Cultura e chegamos também a 1% do orçamento municipal para a área, o que garante a manutenção e ampliação dos projetos, como o Nosso Canto. Definitivamente a cultura em Curitiba é um fator de inclusão”, ressaltou.
O Projeto Nosso Canto é encabeçado pelo Coro da Camerata e teve uma forte presença durante a Semana de Canto Coral, realizando nove apresentações. Segundo Marino Galvão Jr, presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura, órgão responsável pela manutenção do Nosso Canto, o evento mostrou a força que o Canto Coral tem na cidade e reafirmou a necessidade de ampliação do Projeto. “Essa expansão já era algo que queríamos a algum tempo, visando o fortalecimento desse movimento. Esse projeto cria a descentralização das ações da Camerata e a aproxima da comunidade”, afirma.
Buscando a descentralização dos cursos musicais, o Programa Nosso Canto proporciona aulas de técnica vocal e canto coral para as comunidades de diversas regiões da cidade, o programa desperta o interesse não apenas pela música, mas pelas artes em geral, contribuindo também para a valorização das comunidades e a construção da cidadania. O idealizador do projeto e orientador da regional, Eli Siliprandi, explica que as aulas servem para educação musical, mas também para descobrir novos talentos. “Muitos alunos que passaram pelo Nosso Canto se encontram na música, e continuam seus estudos na área”, conta Eli.

Curitiba recebe Festival Internacional de Vinho e Jazz 2016 neste sábado

Os apreciadores de jazz e vinho terão a oportunidade de vivenciar as duas paixões num mesmo evento, que alia música a degustação do bom vinho, em local e clima perfeito para aproveitar essa experiência. No dia 2 de julho, sábado, a Ópera de Arame sedia o Festival Internacional de Vinho e Jazz, que reserva 3 sessões na programação, no mesmo dia, com artistas do jazz e blues internacional. A 1ª sessão, às 18 horas, será com Christian Brenner (foto, França), a 2ª sessão, às 20 horas, com Shuffle Demons (Canadá) e a 3ª sessão, às 22 horas, com David Bennett Cohen Blues Band (New York).
Ao final de cada show, que dura em torno de 1 hora, a Adega Boulevard irá apresentar rótulos de vinhos finos, com degustação e comercialização, em taças, de mais de 15 rótulos, de vinícolas como Luigi Bosca, Pio Cesare, Villagio Bassetti.
Nosso objetivo é que haja uma evolução de um festival regional para um evento a nível nacional, que ajude a promover não só a boa música, mas também o Enoturismo da região. Dessa forma, dando ao evento um formato de atração cultural e turística”, explica Philip Agostini, idealizador do festival e produtor musical com mais de 40 anos de experiência nos Estados Unidos e Caribe. Ele já contratou e promoveu eventos envolvendo musicais da Broadway como “Aint Misbehavin”, “Don't Bother Me” e “I Can't Cope”. Também trabalhou com diversos artistas, como Dionne Warwick, Stevie Wonder, The Jacksons, Ray Charles e Aretha Franklin.

Atrações internacionais

David Bennett Cohen Blues Band - O músico nova-iorquino integrou a psicodélica banda Country Joe and the Fish. Depois, ele fez parte de diversos projetos de jazz e blues e tocou com grandes nomes da música, como Mick Taylor, Jimi Hendrix e Johnny Winter.

Shuffle Demons - Se lançou na cena musical canadense com uma fusão musical eletrizante a partir de Sun Ra, Charles Mingus, Run DMC e os Beastie Boys. Os seus shows, com divertidas performances e mescla do jazz com funk dançante, atraem multidões. A banda é formada pelos músicos, Juno Award Richard Underhill (sax evoz), Perry White e Kelly Jefferson (saxes e voz), George Koller (baixo & voz) e Stich Wynston (bateria e voz).
Christian Brenner - Com um jazz europeu melódico e interativo, Christian Brenner apresentará o show baseado no novo CD “Les Belles Heures”, projeto que surgiu há 4 anos, com parceiros e amigos, tocando em diferentes festivais. Membro ativo do Jazz parisiense, Brenner traz na bagagem mais de 2 mil apresentações e 25 anos de concertos em Paris, permitindo ao público descobrir um jazz inédito e elaborado, com a mescla de musicalidades brasileiras e européias, que despertam sensibilidade e coesão em uma música ora delicada, ora incandescente.

Os ingressos custam R$ 160,00 e R$ 85,00 (meia) por sessão e Passaporte (inclui todas as apresentações) por R$ 260,00 e R$ 135,00 (meia).  Mais informações: www.festivaldevinhoejazz.com.br e Disk Ingressos (3315-0808).

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Chicago perde projeto de museu "Star Wars" para a Califórnia

(Reuters) - George Lucas, o criador de "Star Wars", está retirando seu projeto de construir um museu em Chicago em favor de um local na Califórnia, após ter enfrentado desafios legais de um grupo a favor de espaços ao ar livre em Chicago, disse ele nesta sexta-feira.
Lucas criticou o grupo de ativistas que o processou para impedir a construção às margens do Lago Michigan, em uma área que atualmente é um estacionamento de um ginásio esportivo.
"Ninguém se beneficiaria com a continuidade do interminável litígio para proteger um estacionamento", ele disse em comunicado do museu.
Lucas não especificou qual cidade californiana estava considerando, mas uma fonte com conhecimento da busca disse que as duas opções são San Francisco ou Los Angeles. A fonte pediu para não ser nomeada porque não está autorizada a falar publicamente sobre a procura.
Os Amigos dos Parques, grupo que moveu o processo ano passado para interromper o projeto do museu, argumentou que o museu seria uma monstruosidade à beira do lago e que violaria a política de uso público para o desenvolvimento das margens do Lago Michigan.
O prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, disse que o museu traria empregos, investimentos e turismo para a cidade. Ele lamentou a decisão de Lucas, que aconteceu após ele e outros líderes políticos tentarem negociar com o grupo de defensores dos parques para encontrar um local alternativo.

Nova Lei de Incentivo à Cultura será encaminhada à Câmara Municipal

A Fundação Cultural de Curitiba e o Conselho Municipal de Cultura entregaram ao prefeito Gustavo Fruet, na última sexta-feira (24), durante audiência pública da Lei de Diretrizes Orçamentárias, o texto-base da nova Lei Municipal de Incentivo à Cultura. O projeto revoga parte das Leis Complementares 57/05 e 59/06 em vigor e traz uma série de alterações nos mecanismos de incentivo por fomento direito e renúncia fiscal. Resultado de um trabalho de mais de dois anos de discussões com a comunidade e a classe artística, a nova lei será agora encaminhada à Câmara Municipal de Curitiba para deliberação e aprovação.
Trata-se de uma das leis de incentivo mais modernas do país, que após aprovada irá melhorar a distribuição dos recursos entre os proponentes, garantindo ainda maior financiamento para a produção curitibana por parte do poder municipal”, diz o presidente da FCC, Marcos Cordiolli. O superintendente da FCC, Igor Cordeiro, ressalta ainda que, além de ouvir diversos setores ligados à economia da cultura que são diretamente impactados pela lei, houve um grande estudo para a evolução do texto. "Curitiba estará mais uma vez à frente, prevendo inclusive mudanças futuras que hoje não são previstas na lei de incentivo, como novas linguagens artísticas", explica.
O texto-base da nova Lei de Incentivo foi elaborado pelo Conselho Municipal de Cultura e já passou pelas análises financeira e jurídica da Secretaria Municipal de Finanças e da Procuradoria Geral do Município, estando finalizado para a apreciação dos vereadores. A Secretaria de Finanças e a Procuradoria fizeram ajustes técnicos, que não alteraram a essência da minuta aprovada pelo Conselho.
A elaboração da minuta teve uma grande participação popular, em especial da classe artística, com centenas de sugestões ao texto base. Um belíssimo exemplo de processo democrático que resultará em diversos avanços para a cultura de Curitiba”, diz o conselheiro municipal de cultura, Adriano Esturilho. Ele fez parte da comissão de fomento à cultura, responsável por conduzir as discussões do texto.
A reformulação da Lei Municipal de Incentivo à Cultura faz parte do plano de governo do prefeito Gustavo Fruet. Os trabalhos para concretizar essa meta iniciaram logo no primeiro ano da gestão, em 2013, com as primeiras reuniões com a classe artística (os Papos de Classe), quando representantes das diversas linguagens tiveram oportunidade de apresentar suas principais demandas ao presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli.

Transparência - A Fundação Cultural ficou responsável pelo processo de reformulação e, para garantir maior transparência e participação da sociedade, transferiu essa atribuição ao Conselho Municipal de Cultura, que em sua composição tem representantes do poder público, da classe artística e da comunidade em geral. O Conselho iniciou suas reuniões para tratar da lei em fevereiro de 2014. Além das discussões realizadas nas três conferências municipais, houve várias reuniões, consultas e audiências públicas.
O processo de participação popular incluiu nove reuniões com representantes das diferentes linguagens artísticas, quatro reuniões do Conselho Municipal de Cultura abertas à comunidade, duas consultas públicas online no site da Fundação Cultural com recorde de participação – foram apresentadas quase 400 sugestões de alteração ou inclusão de texto –, uma consulta pública presencial, duas audiências públicas e uma reunião com os principais incentivadores da cultura no município.
Foi uma discussão extremamente aberta. Desde o início houve o propósito de que a nova lei fosse feita de forma transparente, com a maior participação possível”, disse Maria Angélica da Rocha Carvalho, membro do Conselho e diretora de Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba.

Alterações – Esta é a segunda reformulação da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, implantada em 1993. A primeira grande revisão aconteceu em 2005. A atual já é considerada uma lei de ponta e é referência em todo o país. Vários municípios que pretendem implantar o sistema buscam informações e procuram conhecer o modelo curitibano. Para Maria Angélica Carvalho, Curitiba ganhou maturidade cultural que lhe permitiu avançar ainda mais. “O que fizemos foi atualizar a lei e trazê-la para a uma nova realidade”, diz.
Várias alterações foram processadas em decorrência dessa larga experiência no trato com o sistema, tanto pelo poder público como pelos artistas, a começar pela mudança de nomenclaturas do programa. A nova lei cria o Programa de Fomento à Cultura de Curitiba – PFCC, implementado a título de fomento direto por meio do Fundo Municipal de Cultura e a título de fomento indireto por meio de Renúncia Fiscal Cultural.
A nova lei aumenta o teto do percentual de recursos orçamentários destinados ao programa de até 2% para até 3% do total da arrecadação do IPTU e ISS (para o Fundo será destinado entre 40% e 60% desse valor). Também aumenta de 20% para 30% do imposto devido o valor que o incentivador pode destinar ao programa. Porém, o incentivador deve destinar 20% ao projeto cultural e 10% para o Fundo Municipal de Cultura. Segundo Maria Angélica, essa distribuição foi uma das alterações importantes, pois garante mais autonomia e independência ao Fundo, que passa a contar com verba própria.
Atendendo a reivindicações da classe artística, a lei mantém a possibilidade de o projeto ser apresentando por pessoa física ou jurídica. Também permite que os projetos aprovados recebam recursos de outras fontes, possibilitando melhoria na qualidade dos projetos. A contrapartida social continua sendo uma das exigências para a percepção dos recursos, mas ela não será mais avaliada na análise de mérito do projeto. Os prazos de prestação de contas foram ampliados.

Garantias – O lançamento anual dos editais está expresso na nova lei. Assim , não só a modalidade de Renúncia Fiscal Cultural terá a garantia de ter um edital por ano, como o Fundo Municipal também está obrigado a publicar todos os anos pelo menos um edital livre, um edital dedicado à pesquisa e um edital voltado às ações descentralizadas.
A proposta de lei, ao contrário das legislações anteriores, estabelece objetivos específicos e distintos para o Fundo Municipal de Cultura e para a Renúncia Fiscal Cultural. Enquanto o Fundo é mais voltado à valorização da inovação, da pesquisa e do apoio ao empreendedor e artista iniciante, a Renúncia Fiscal é dirigida preferencialmente àqueles que têm carreiras consolidadas e maior aceitação no mercado.
Além das linguagens artísticas já estabelecidas, a lei deixa uma abertura para o enquadramento de outras categorias artísticas ou culturais que poderão ser criadas futuramente, desde que reconhecidas pelo Sistema Nacional de Cultura ou aprovadas pelas Conferências Municipais de Cultura e ratificadas pelo Conselho Municipal de Cultura. As linguagens foram abrangidas em três grandes áreas: artes, memória e patrimônio cultural, e cidadania, identidade e diversidade cultural.
No âmbito da estrutura interna do programa, há alterações também na organização das comissões técnicas. As comissões serão constituídas por linguagem artística, e estarão aptas a avaliar tanto os editais do Fundo Municipal de Cultura como o de Renúncia Fiscal. Haverá também uma comissão processante, com representantes da diretoria administrativo-financeira da Fundação Cultural de Curitiba, da Procuradoria Geral do Município e da sociedade civil, para cuidar dos procedimentos de apuração de infrações, dando transparência e garantindo o controle dos processos de seleção e de prestação de contas dos projetos incentivados com recursos públicos.
Outra forma de garantir mais transparência, controle e adequação aos objetivos propostos pela lei é o papel preponderante que o Conselho Municipal de Cultura passa a exercer. A lei requer a manifestação do Conselho em várias etapas do processo, como na publicação dos editais, na formação dos grupos técnicos, na prestação de contas, entre outros.

Proposta da nova Lei de Incentivo à Cultura de Curitiba – Principais alterações:

Cria o Programa de Fomento à Cultura de Curitiba – PFCC, implementado pelo Fundo Municipal de Cultura e pela Renúncia Fiscal Cultural.
Estabelece objetivos específicos e distintos para o Fundo Municipal de Cultura e para a Renúncia Fiscal Cultural
Aumenta o teto do percentual de recursos orçamentários destinados ao programa de até 2% para até 3% do total da arrecadação do IPTU e ISS.
Aumenta de 20% para 30% do imposto devido o valor que o incentivador pode destinar ao programa, sendo 10% dirigido ao Fundo Municipal de Cultura.
Permite que o projeto seja apresentado por pessoa física ou jurídica
Permite que os projetos aprovados recebam recursos de outras fontes
Exige contrapartida social, mas ela não é avaliada na análise de mérito do projeto
Amplia os prazos de prestação de contas
Garante o lançamento anual de editais
Possibilita o enquadramento de categorias artísticas ou culturais que poderão ser criadas futuramente
Constitui comissões técnicas por linguagem artística para avaliar tanto os editais do Fundo Municipal de Cultura como os de Renúncia Fiscal.
Constitui uma comissão processante para cuidar dos procedimentos de apuração de infrações
Amplia a atuação do Conselho Municipal de Cultura